A Carta

A Carta

Olivia Bulla  | 10.01.2018 09:06

O Banco Central deve viver uma situação inusitada nesta quarta-feira, dia de divulgação da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA) em 2017. Se confirmadas as expectativas de alta de 0,30% em dezembro, acumulando taxa de 2,80% no ano passado, será a primeira vez que a autoridade monetária terá de escrever uma carta aberta justificando à sociedade porque a inflação foi tão baixa, sendo inferior ao piso do intervalo de tolerância, de 3%.

É isso mesmo! Apesar de o preço médio da gasolina ter subido quase 10% em 2017, fechando o ano acima de R$ 4,00, e do gás de cozinha ter tido a maior alta em 15 anos, a inflação no período deve ter sido a mais baixa desde 1998, com boa parte da pressão de alta sendo absorvida pela queda nos preços de alimentos. A safra recorde de grãos ajudou a compensar também o impacto da conta de luz mais cara nos últimos meses de 2017.

Desde o início do regime de metas de inflação no Brasil, em 1999, em apenas três ocasiões o IPCA encerrou o período corrido de 12 meses próximo ao ponto central da meta (2000, 2007 e 2009). Apenas uma vez, em 2006, aconteceu de a taxa ficar abaixo do centro da meta, mas ainda dentro do limite de oscilação. Já em outras quatro vezes (2002-2004 e 2016), a inflação ficou acima do aceitável, levando o presidente do BC a redigir tal carta.

Em 2017, porém, a situação é adversa – e inédita. Nunca antes na história deste país foi preciso justificar o porquê a inflação ficou abaixo do combinado. O comportamento, no entanto, não deve ser encarado como um sinal de fracasso da política econômica do governo. Ao contrário, os números a serem divulgados hoje pelo IBGE (9h) devem reforçar o cenário de recuperação da atividade no Brasil, sem gerar pressão inflacionária.

Trata-se do grande destaque da agenda econômica hoje, que traz também indicadores sobre os custos da construção civil (9h) em dezembro e da indústria no último trimestre de 2017 (11h), além dos números do fluxo cambial nos primeiros dias de janeiro (12h30). No exterior, o calendário está mais fraco e traz como destaque os estoques norte-americanos de petróleo bruto e derivados na semana passada (13h30).

Na virada de ontem para hoje, a China informou que os preços ao produtor (PPI) perderam força em dezembro pelo segundo mês seguido, com alta de 4,9% na comparação anual, ante alta de 5,8% no mês anterior, ao passo que a inflação ao consumidor chinês (CPI) desacelerou a 1,8% em dezembro, acumulando aumento de 1,6% em 2017, de +2,0% em 2016 e ficando abaixo da meta de 3% definida por Pequim. No ano, o PPI subiu 6,3%.

Esses números não influenciaram os negócios no exterior, onde o sinal negativo volta a predominar em Wall Street, apontando mais uma tentativa de realização de lucros nas bolsas de Nova York. Os índices futuros exibem leve baixa nesta manhã, o que interrompeu o rali na Ásia, onde os investidores também fizeram uma pausa para recompor o fôlego. A Bolsa de Tóquio fechou em queda, com o iene se fortalecendo pelo segundo dia seguido.

O dólar perde terreno para as moedas de países desenvolvidos e emergentes, o que eleva os preços das commodities. O barril do petróleo tipo WTI é cotado perto dos maiores níveis desde 2014, acumulando ganhos de quase 5% desde o início do ano. Entre os metais básicos, também prevalece o sinal de alta.

Esse desempenho dos mercados internacionais deve influenciar os negócios locais, agora que os riscos do excesso de otimismo que vinha sendo construído nos ativos brasileiros começam a fazer mais preço. Os investidores perceberam que é perigoso simplesmente fechar os olhos para o rombo fiscal e apostar todas as fichas na condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no próximo dia 24.

Conforme já salientamos aqui, é simplista – e até ingênuo - acreditar que o petista será condenado por 3 a 0 no julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), eliminando qualquer possibilidade de disputa das eleições. Além de o julgamento poder se arrastar, com algum pedido de vista do processo, Lula poderá recorrer em outras instâncias, acionando até mesmo o Supremo Tribunal Federal (STF) e adiando o veredicto final.

Ou seja, Lula pode até concorrer à vaga na Presidência da República e, só depois, saber se ele poderá, então, assumir o cargo, caso as pesquisas de intenção de voto se confirmem. O fato é que o quadro eleitoral brasileiro está muito incerto e se trata de um risco muito mais imensurável que as chances de aprovação da reforma da Previdência neste ano. Aliás, o governo continua em busca dos 308 votos necessários para aprovar a matéria, em dois turnos, na Câmara dos Deputados.

A questão é que, após o atrito entre o presidente da Casa, Rodrigo Maia, e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, acionaram o sinal de alerta no Palácio do Planalto, com o governo temendo que o deputado irá poupar esforços para aprovar as novas regras para aposentadoria – ao menos até que o governo defina quem será o candidato da situação na corrida presidencial.

Mas o problema no Brasil continua sendo as contas públicas. Seja quem for eleito, irá assumir um governo quebrado em 2019, com a dívida caminhando para níveis próximos ao calote – ainda mais se a proposta atual de reforma da Previdência for derrotada (ou arquivada) no Congresso ou mesmo se a tal “regra de ouro” não for alterada.

Nos bastidores, Meirelles e seu “time dos sonhos” trabalham para mudar a norma – senão para 2018, então para 2019 - de modo a permitir que o governo faça empréstimos para cobrir despesas, como o salário de servidores. No fim, o governo Temer, que tanto primou pelo ajuste fiscal, pode ficar marcado pelo descontrole orçamentário, buscando mudanças na Constituição para salvar-se da punição de crime de responsabilidade.

Olivia Bulla

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Marttinez Martins
Marttinez Martins

Olívia parabéns pelo resumo de sua análise geral economia continue sempre a colaborar aqui com o seu conhecimento geral da atividade econômica de nosso país mais uma vez parabéns te desejo muito sucesso e aguardamos para as próximas postagens um grande abraço do Martinez  ... (Leia Mais)

14.03.2018 17:21 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App