Alta do Petróleo Pode Afetar Decisão do FED Amanhã, Petrobras Dispara

Alta do Petróleo Pode Afetar Decisão do FED Amanhã, Petrobras Dispara

Fabio Louzada  | 17.09.2019 07:20

Ontem o Ibovespa subiu 0,17% e fechou aos 103.680 pontos, com o giro financeiro em R$ 27,8 bilhões, por conta do vencimento de opções.

O petróleo foi o centro das atenções, tanto que 30% do volume negociado ontem na bolsa (sem considerar o volume negociado em opções), foram das ações da Petrobras (SA:PETR4). Esse ataque, considerado o 11 de setembro do mercado petrolífero, acionou a maior alta diária do barril em mais de uma década, além disso, veio em um momento importante, já que amanhã teremos decisão de política monetária por aqui, com o Copom e nos EUA com o FED.

Aqui no Brasil, a Petrobras (SA:PETR4) se pronunciou, dizendo que continuará observando o comportamento dos preços no mercado internacional, até decidir se irá reajustar os combustíveis. Essa espera é importante, pois dá tranquilidade ao mercado, que não mudou em nada suas apostas para um corte de 0,50 ponto percentual amanhã na taxa básica de juros pelo Copom.

Além disso, a Petrobras (SA:PETR4) se vê em um cenário complicado para tomar uma decisão de forma rápida, pois se aumentar o preço, mostrará que tem liberdade e autonomia, porém pode sofrer com greve dos caminhoneiros, enquanto se decidir não aumentar os preços, pode passar uma impressão de que a estatal não é tão liberal assim e sofre com intervenções do governo.

Já nos EUA, a situação sobre os juros não é a mesma, aumentaram as apostas para nenhum corte amanhã, já representando 34% de chance dos juros se manterem estáveis. Já um corte de 0,25 pontos percentuais segue sendo maioria das apostas, com mais de 65% de chances.

De qualquer forma, os investidores seguem cautelosos aguardando as reuniões dos BCs e quais serão os posicionamentos, diante de tanta volatilidade no mercado e pressão nos preços.

Com isso, as ações da Petrobrás dispararam 4,39%, ganhando mais de R$ 16 bilhões em valor de mercado somente ontem. Já as ações da Vale (SA:VALE3) recuaram 2,41% após dados ruins da China, além disso o prêmie chinês disse que será muito difícil a China conseguir crescer 6% este ano.

Já os bancos tiveram um dia de queda com Bradesco (SA:BBDC4) caindo 1,32%, Itaú (SA:ITUB4) caindo 1,78%, Santander (SA:SANB11) recuando 1,59% e Banco do Brasil (SA:BBAS3) caindo 1,03%. Já as ações do Banco Inter (SA:BIDI4) subiram 4,44%.

As três maiores altas ontem foram de Cielo(SA:CIEL3) que disparou 6,02%, após o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, noticiar que a companhia está em negociações com a Stone. Além disso Kroton (SA:KROT3) disparou 4,66% e a Petrobras (SA:PETR4) subiu 4,51% fechando o top 3.

Já as três maiores quedas foram de Azul (SA:AZUL4) e Gol (SA:GOLL4), caindo respectivamente, 8,45% e 7,76%, pois podem sofrer bastante com o aumento no preço dos combustíveis. As ações da Vale (SA:VALE3), já comentada aqui, foram a 3ª maior baixa.

O Ibovespa fechou de lado, pois as altas acabaram compensando as fortes quedas, com 34 ações fechando positivas e 33 fechando negativas.

Em setembro, as maiores altas continuam sendo de Suzano (SA:SUZB3) com alta de 17,88% e Marfrig (SA:MRFG3) com ganhos de 17,84%. Já as maiores quedas foram de Cyrela (SA:CYRE3) caindo 13,46% e MRV (SA:MRVE3) perdendo 11,62%.

Indo para o dólar, a moeda fechou próximo da estabilidade, com leve alta de 0,07%, a R$ 4,08. Aqui os investidores aguardam com cautela a decisão do FED, já que se o Banco Central norte-americano optar por manter os juros no mesmo patamar amanhã, podem causar uma nova alta do dólar. Já o euro recuou 0,64%, a R$ 4,50.

Os DIs seguiram sua trajetória de queda, com a inflação controlada mesmo com algum possível impacto no aumento dos preços dos combustíveis. O DI jan 2021 caiu de 5,38% para 5,27%, atingindo seu piso histórico, enquanto o DI jan 2025 caiu de 7,07% para 6,97%.

Já as taxas do títulos do Tesouro Direto subiram, a NTN-B Principal 2024, subiu de IPCA+2,91% para IPCA+2,94%, enquanto a NTN-B 2026 subiu de IPCA+3,08% para IPCA+3,09%. A LTN 2022 se manteve em 5,90%, enquanto a NTN-F 2026 subiu de 7,26% para 7,30%, lembrando que NTN-F tem cupom de 10% ao ano, pagos semestralmente.

Na agenda, nenhum indicador importante, mas vale ressaltar as mudanças no Boletim Focus de ontem, a previsão de IPCA para esse ano recuou de 3,54% para 3,45%, enquanto a taxa de câmbio aumentou de R$ 3,87 para R$ 3,90. Já o PIB se manteve em 0,87% e a Selic Meta em 5% para 2019.

Indo para os EUA o dia foi de queda, já que aumentaram as chances para nenhum corte de juros na próxima reunião, o que seria péssimo para a economia norte-americana e global. O Dow Jones recuou 0,52%, após oito altas consecutivas. O S&P500 caiu 0,31% e o Nasdaq recuou 0,28%.

Por lá, o mercado se mantém em cautela, aguardando a decisão do FED amanhã. Na quinta, os EUA deverão retomar as conversas com a China.

Os títulos do tesouro norte-americano tiveram uma leve queda, com a T-Bill para 3 meses caindo de 1,95% para 1,94%, e seguindo invertida em relação ao T-Note para 10 anos, que recuou de 1,90% para 1,84%. Já o T-Bond para 30 anos segue em 2,37%.

Os índices futuros operam praticamente de lado, não indicando tendência alguma, com o Dow Jones, S&P500 e Nasdaq operando na faixa de -0,05% a -0,11%.

Na agenda teremos a produção industrial nos EUA em agosto, às 10h15.

Indo para a Europa, as bolsas abriram em leve alta, com o Euro Stoxx subindo 0,06%, Paris subindo 0,07% e Londres subindo 0,18%. A exceção é Frankfurt com queda de 0,16%. Na Ásia as bolsas fecharam em direções mistas. Com Tóquio praticamente de lado, subindo 0,06% após feriado, Xangai recuou 1,74%, Hong Kong caiu 1,47% e Seul subiu 0,01%.

O preço do barril de petróleo, conforme já era esperado, disparou por conta dos ataques à Aramco. O WTI disparou 14,67%, a US$ 62,90 e o Brent disparou 14,61%, a US$ 69,02. Apesar da alta, o Brent já esteve com o preço mais alto em abril deste ano.

O ouro, sempre procurado em momentos de volatilidade alta, voltou a subir ontem, o contrato de 250g de ouro, OZ1D, subiu 2,64%. Já as criptomoedas estão em direções mistas nas últimas 24 horas, com o Bitcoin recuando 1,30% nas últimas 24 horas, a Ethereum subindo 2,22% e a Ripple subindo 1,70%.

Para finalizar, o IFIX recuou 0,02%, e teve como destaque positivo, o FII Malls Brasil Plural (MALL11), subindo 1,20%, enquanto o destaque negativo foi o FII Centro Têxtil Internacional (CTXT11), com baixa de 2,48%

Ótima terça e bons negócios!

Alta do Petróleo Pode Afetar Decisão do FED Amanhã, Petrobras Dispara

Fabio Louzada

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+