Análise do Recente Bull Market do Ibovespa: Há Distinção por Tamanho ou por Setor?

Análise do Recente Bull Market do Ibovespa: Há Distinção por Tamanho ou por Setor?

Carlos Heitor Campani  | 31.07.2020 10:03

Nesta semana, abordarei os últimos quatro meses de forte subida (Bull Market) da Bolsa, fazendo uma análise por tamanho e por setor. Desde abril até o fechamento do mercado na última quarta-feira (29 de julho), o Ibovespa, principal índice da B3 (SA:B3SA3), apresentou alta em todos os quatro meses. No gráfico mais abaixo, apresento sua evolução desde abril, apontando uma alta de 48,8%.

No mesmo gráfico, apresento a evolução de uma carteira teórica igualmente ponderada (conhecida como 1/n), sobre a qual já escrevi nesta coluna aqui. Esta carteira teórica retira o efeito tamanho ao dar o mesmo peso para todas as ações (lembremos que o Ibovespa é ponderado por tamanho, ou seja, quanto maior o free-float da empresa, maior seu impacto no índice). Para esta carteira e em todas as minhas análises a seguir, utilizo como universo os 100 papéis (ações e units) de maior liquidez da bolsa. Ainda no gráfico abaixo, a título de curiosidade, apresento a evolução patrimonial dos dois extremos, ou seja, do papel que mais rentabilizou no período (VVAR3: +332,7%) e do papel que menos rendeu (EMBR3: -13,3%). Todos os patrimônios iniciam com R$ 100,00 investidos.

Evolução patrimonial

Como métrica de performance, como hábito e justificado em posts anteriores, utilizo o IC (índice Campani), que desenvolvi e expliquei ao longo de três artigos em maio. Neles, mostro porque é muito superior ao tradicional índice Sharpe e superior à alternativa normalmente utilizada no mercado (índice Sortino). O IC ajusta a performance pelo risco de maneira apropriada, beneficiando ativos que entregam determinado retorno com menor risco. No final das contas, a interpretação, claro, é a mesma do que no caso do índice Sharpe: quanto maior o IC, melhor a performance do papel.

Podemos perceber que a carteira igualmente ponderada andou bastante próxima do Ibovespa, mas com um pequeno viés superior: rendeu 57,5% desde abril contra 48,8% do Ibovespa, bem como apresentou, de abril até o momento, um IC = 1,98 contra um IC = 1,86 do Ibovespa. Esse resultado, já amplamente debatido e analisado na literatura acadêmica, pode ser expandido para outros períodos. É sabido e reconhecido que o Ibovespa é ineficientemente ponderado, de forma a dar muito peso a poucos papéis, gerando por consequência uma carteira subdiversificada.

Para analisar o efeito tamanho na performance da nossa bolsa nesses meses de retomada, montei três carteiras igualmente ponderadas com 15 papéis: uma com as maiores empresas, outra com as empresas de tamanho intermediário e a terceira com os papéis das 15 menores empresas. Fiz carteiras 1/n exatamente para diversificar melhor e para isolar o efeito tamanho apenas na escolha dos constituintes de cada carteira (e não nos seus pesos). Os resultados estão na tabela abaixo:

Os resultados são interessantes. Note que a carteira com as menores empresas teve a maior rentabilidade, mas o menor IC. Isso se explica pelo fato de que empresas pequenas são, em geral, muito mais voláteis por serem mais impactadas proporcionalmente, seja por uma notícia boa ou por uma ruim. Como a volatilidade pune a performance, esta joga o IC para abaixo do IC das outras duas carteiras.

Para o propósito de nossa análise, podemos perceber que a performance do Ibovespa não pode ser fatiada pelo efeito tamanho, pois não há performances discrepantes. Os retornos das três carteiras foram acima do Ibovespa, mas com todos os ICs abaixo. Isso se explica pelo baixo número de ativos nas carteiras (15 contra 75 do Ibovespa): no bull market, é comum que menos ativos escolhidos apropriadamente rendam mais do que uma carteira com muito mais ativos, mas isso vem com mais alta volatilidade, penalizando severamente o índice de performance – exatamente o que aconteceu com as três carteiras acima.

Vejamos agora o que ocorre quando analisamos por setores. De acordo com a classificação setorial da B3, extraída da Economática (que reclassifica o setor “diversos” em “não cíclicos”), formei 10 carteiras (utilizando todos os 100 papéis em tela). Os resultados estão abaixo.

Ao contrário da análise por tamanho, agora podemos nitidamente perceber performances bastante diferentes, com setores que claramente puxaram o Ibovespa para cima e outros, para baixo. Três setores se distinguem positivamente: “consumo cíclico”, “petróleo gás e biocombustíveis” e “tecnologia da informação”. Este último, apesar de conter apenas dois papéis (LINX3 (SA:LINX3) e TOTS3 (SA:TOTS3)) e menor rentabilidade dentre esses três setores, apresentou volatilidade muito baixa, com crescimento continuado, resultando no mais alto IC setorial. Entretanto, por conter apenas dois papéis, seus resultados devem ser tomados com a devida cautela. Por sua vez, o setor de “consumo cíclico” merece menção bastante honrosa, pois conta com 17 papéis, IC alto e a melhor rentabilidade setorial no período, tendo praticamente dobrado de valor.

Na parte inferior da tabela, o setor de comunicações sobressai com a pior rentabilidade e o pior IC, mas novamente cabe a ressalva por conter apenas dois papéis (TIMP3 (SA:TIMP3) e VIVT4 (SA:VIVT4)). O setor de saúde, com sete papéis, também ajudou a puxar o Ibovespa para baixo.

Qual o meu intuito com este texto? Discutir dois efeitos (tamanho e setor) importantes na hora de se alocar os recursos em papéis da bolsa. Muitas vezes, vejo investidores com um número razoável de ações em suas carteiras (20 a 25, por exemplo), mas muito mal diversificados. Para aqueles que quiserem uma estratégia de antecipar, por exemplo, os setores que performarão bem, estando baseado em uma tese econômica bem construída, tudo bem. Mas muitos investidores não têm esse objetivo e buscam, acima de tudo, uma carteira bem diversificada. Para estes investidores, faz-se importantíssimo analisar também se a sua carteira não está muito concentrada em, por exemplo, empresas pequenas (que carregam mais risco) ou em um ou dois setores apenas. Como vimos ao longo dessa pandemia, o comportamento de empresas com diferentes tamanhos e, principalmente, de diferentes setores pode ser muito diverso. Controlar esses fatores de risco se mostra, portanto, bastante adequado na gestão da sua carteira de ações.

Forte abraço a todos.

Disclaimer: Muito depois de ter pensado e desenvolvido o índice Campani, de forma absolutamente independente, identifiquei na literatura o trabalho “Universal Performance Measure”, de Con Keating e William F. Shadwick. Neste trabalho, os autores desenvolvem uma função de performance que chamam de universal (no artigo publicado, cunham de Omega Function): tal função depende, em última instância, do nível de aversão a risco do investidor. Não é nada trivial, mas ao comparar essa função (na referência da taxa livre de risco) com o índice Campani, após muita matemática, descobri que coincidem. A minha descoberta não me trouxe frustração alguma, mas sim me deixou feliz, pois os autores chegam às mesmas conclusões que eu. Considero que minha especificação matemática do índice, lançado aqui nesta coluna, é mais intuitiva e fácil de lidar do que a dos colegas (equação [2] do artigo). O leitor mais curioso pode buscar na internet o estudo de Keating & Shadwick e tirar suas conclusões, claro. Na literatura, infelizmente, o estudo dos colegas não teve muita visibilidade, de forma que os índices Sharpe e Sortino continuam sendo empregados em larguíssima escala, principalmente no Brasil.

* Carlos Heitor Campani é PhD em Finanças, professor do Coppead/UFRJ e especialista em investimentos, previdência privada e pública e finanças pessoais e públicas. Ele pode ser encontrado em seu site pessoal e nas redes sociais: @carlosheitorcampani. Esta coluna sai toda sexta-feira.

Carlos Heitor Campani

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Othaísa Vanessa
Othaísa Vanessa

Oi tudo bem?Sou surda! Que vc lugar ouroInvesting.com?  ... (Leia Mais)

02.08.2020 16:21 GMT· Responder
Rilton Reis
Rilton Reis

Excelente artigo! Escolher uma carteira fundamentalista não é tarefa fácil e o IC tem contribuído muito para tomada de decisão!  ... (Leia Mais)

01.08.2020 03:25 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.