Atrás da Tecnologia Só Não Vai Quem Já Morreu; Há Oportunidades no Brasil?

Atrás da Tecnologia Só Não Vai Quem Já Morreu; Há Oportunidades no Brasil?

Caio Augusto  | 07.08.2020 08:07

2020 é um ano que entra para a história, dentre outros aspectos relevantes, por mostrar que migrações para o mundo digital não puderam mais ser adiadas. É possível que você conheça algum setor que ainda esteja fora das redes ou totalmente sem contato com elas – nem que seja por um aplicativo de mensagens -, mas se já era algo um pouco difícil de acontecer no começo do ano, agora então é bem mais raro.

Essa mudança ocorre por algo que todos nós que vivemos esse ano já sabemos, mas quem ler este artigo no futuro poderá não se lembrar com exatidão: a pandemia provocada pelo novo coronavírus nos fez adiantar o calendário da digitalização dos negócios porque o presencial simplesmente deixou de ser possível por um tempo. Levando em conta que no Brasil movimentos como quarentena ou algo parecido vêm ocorrendo desde março, literalmente quem não fez nenhuma adaptação tem altas chances de ter quebrado ou estar nesse triste caminho.

Existem diversas maneiras de digitalizar negócios, é verdade. Mas, provavelmente, todas elas passam por alguma das Big Techs: Facebook, Amazon (NASDAQ:AMZN), Apple (NASDAQ:AAPL), Microsoft (NASDAQ:MSFT) e Google (ou, como são conhecidas, as FAAMGs). Isso se reflete diretamente no fato de que essas empresas hoje têm resultados expressivos nos mercados financeiros, mesmo diante da maior crise mundial desde 1929.

O agregado impressiona

O índice S&P500 lista 500 ativos/empresas das bolsas de Nova York por seu tamanho e liquidez. Neste ano, o mês de março representou um enorme tombo para todos eles, como já se sabe. Porém, impressiona o ritmo de recuperação das FAAMGs logo em seguida: as cinco empresas sozinhas tiveram, até junho/julho, 35% de retorno anual, enquanto no mesmo período as outras 495 do índice perderam 5%:

A importância da tecnologia nos negócios está dada – e os resultados práticos disso são observados em como essas empresas têm se desempenhado nos mercados.

É importante sempre ressaltar que a resposta dos Bancos Centrais a essa crise foi mais rápida e vigorosa que em 2008 e, no fim do dia, isso ajuda a explicar a recuperação rápida dos ativos de mercado mundo afora. Ainda assim, cada uma dessas empresas mostrou, com os resultados mais recentes divulgados – os do segundo trimestre desse ano, período em que tivemos o fundo do poço da atual crise -, que estão preparadas para os novos tempos.

Facebook

Mesmo passando por um boicote recente de algumas marcas – até o gigante conglomerado Unilever (LON:ULVR) se uniu a essa causa -, que o fizeram em decorrência de um posicionamento questionado por elas da plataforma em relação a conteúdos de potencial disseminação de ódio, o grupo de Mark Zuckerberg teve um resultado impressionante: lucro trimestral de US$5,2 bilhões, 98% superior ao mesmo período de 2019.

Dentre as justificativas, destaca-se o aumento da interatividade por meio das empresas da plataforma durante a pandemia. Lembrando que o grupo detém, além do Facebook, também o Instagram e o WhatsApp. Não é muito difícil confirmar na prática a tese e a estratégia da empresa do logo azul.

Amazon

Mais uma que praticamente dobrou o lucro líquido no segundo trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019 foi a Amazon: US$5,24 bilhões agora, contra US$2,62 bilhões no ano anterior. Notável também dizer que, nesse mesmo trimestre, a empresa desembolsou US$4 bilhões apenas para aumentar os cuidados aos seus funcionários neste período de pandemia – algo que ocorreu após reclamações deles sobre tais condições em meados de março -, fato esse que chegou a ser apontado pelo próprio Jeff Bezos como motivo pelo qual os acionistas poderiam esperar lucro zero nesse período.

Este crescimento aqui foi impulsionado pela utilização da plataforma nas duas pontas: muitos, em casa, passaram a comprar mais por ela e, outros, que não tinham como oferecer seus produtos de outra maneira, passaram a fazê-lo por meio de seu marketplace.

Apple

O efeito para cima na empresa da maçã veio por meio das receitas: os analistas esperavam um faturamento de US$52,25 bilhões, mas a realidade trouxe à tona: US$59,69 bilhões nesta cifra, impulsionados pela aquisição de computadores (que tiveram alta de 21,6% em relação ao ano anterior) e dos devices Apple Watch e HomePod (que juntos representaram um aumento de 16,7% ao mesmo período do ano passado).

Resultado? Após tal divulgação a empresa voltou ao posto de maior do mundo em valor.

Microsoft

A empresa criada por Bill Gates e que passa por uma verdadeira revolução nos últimos anos encaminhada por Satya Nadella não ficou de fora: neste caso tivemos um aumento da demanda por serviços de nuvem, sendo que o produto deles nesta área, o Microsoft Azure, sozinho conseguiu um faturamento de US$50 bilhões – o que representa parte considerável dos US$143 bilhões deste ano até o fechamento do segundo trimestre. Ainda, começam os rumores de uma possível compra da Tik Tok, aplicativo chinês que bombou no período que coincide com a pandemia em todo o mundo.

Google (Alphabet (NASDAQ:GOOGL))

O rei dos buscadores não ficou de fora da festa: mesmo com uma queda nas receitas na ordem de 2% (de US$38,9 bilhões no segundo trimestre de 2019 para US$38,3 bilhões no atual), queda essa que é a primeira em 16 anos, os resultados ficaram acima do esperado também em função de uma utilização maior de anúncios em meio a pandemia. De fato, das FAAMGs, parece ter sido a que teve menor destaque explosivo em resultados do segundo trimestre – mas ainda assim segue como líder absoluta no que faz e, diante de tantos setores que seguem se recuperando, segue resiliente.

O que os ativos reais têm a ver com isso?

Absolutamente tudo. Novamente: em um ano como o que vivemos atualmente é difícil justificar seu negócio estar de fora das redes, ainda que seja simplesmente de alguma plataforma de mensagens. A frase “se você não está na internet não está em lugar nenhum” nunca fez tanto sentido quanto agora.

Os negócios que souberam – ou estão aprendendo – se inserir nessa realidade que, cá pra nós, já vinha ocorrendo nos últimos anos, sairão melhor dessa crise do que entraram. Lembremo-nos por exemplo de dois casos brasileiros de sucesso nessa direção: a WEG (SA:WEGE3), empresa de motores industriais que vem abraçando a digitalização e ampliando seus mercados nos últimos anos e a Magazine Luiza (SA:MGLU3), cujo presidente afirmou cerca de um ano atrás que o objetivo da empresa era justamente digitalizar o varejo no Brasil. No final, a economia real se transformou em definitivo.

Importante lembrar também de como negócios que alguns anos atrás sequer existiam hoje são impulsionados pela tecnologia: hoje é possível até investir em royalties musicais, estes que têm seu rendimento vinculado a todas as vezes em que alguém ouve música em um show ou dá play em algum serviço de streaming.

O negócio em que você trabalha ou desenvolve terá cada vez mais inserção digital. O título deste artigo evoca uma velha marchinha de carnaval para uma realidade absurdamente atual: atrás da tecnologia só não vai quem já morreu.

Caio Augusto

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';