Atropelado Pelos Fatos

Atropelado Pelos Fatos

Julio Hegedus Netto  | 05.08.2013 13:18

Passados dois meses “agudos” da crise que se abateu sobre as várias esferas de governo, com protestos de rua e perdas de popularidade, que respostas foram dadas pelas autoridades? Como elas responderam a esta “emparedada da sociedade”, mesmo que difusa e meio desorganizada?

Até o momento as respostas dadas foram frustrantes. Vamos ficar apenas com o governo federal, para não nos estendermos muito, como no caso de alguns governos regionais, como SP e RJ, com forte perda de popularidade.

O governo Dilma, num primeiro momento, anunciou um arco de atuação em cinco áreas, saúde, educação, mobilidade urbana, responsabilidade fiscal e reforma política.

Falou em Constituinte Exclusiva e na aprovação da reforma política através de plebiscito. Pela reação de juristas e do meio político, estas acabaram caindo no vazio. Na saúde, anunciou programas como “Mais Médicos”, com a contratação, principalmente, de médicos do exterior, caso a oferta doméstica se mostrasse insuficiente. Chegou a anunciar que recém-formados deveriam passar dois anos como residentes em hospitais públicos (SUS), mas acabou colocado isto de lado, diante das pressões dos sindicatos e do CFM; sobre a mobilidade urbana chegou a anunciar cerca de R$ 50 bilhões para aparelhar o transporte urbano, além do apoio na revogação dos reajustes de tarifa, adiados de janeiro para junho, com o intuito de segurar a inflação; na responsabilidade fiscal, se comprometeu com um corte de gastos em R$ 10 bilhões. Indo para a seara política, no Congresso algumas medidas acabaram aprovadas, como a denominação de crime hediondo para corrupção e a prisão de um parlamentar corrupto, dentre outras. Poucos avanços concretos, no entanto, foram observados. A impressão que se tem é que se criou uma “cortina de fumaça” para que a crise perdesse fôlego com o tempo.

Na área econômica, as novidades também não (ou ainda não) vieram na velocidade desejada. No pacote fiscal anunciado, tivemos cortes na área de custeio, mais ligado à máquina administrativa, como despesas de viagem, contratações por concurso, dentre outros, mas estes pareceram muito mais contingenciamento. O que se fez foi adiar para frente estas despesas correntes, que devem passar a ser contabilizadas como “restos a pagar”, ao entrarem no Orçamento de 2014. O fato é que a situação das finanças públicas segue delicada.

Pelos dados fiscais de junho, o que se teve foi uma forte pressão das despesas correntes, crescentes em 6,6% no semestre, enquanto que os investimentos se mantiveram empacados, crescendo apenas 1%, em função das condicionalidades de licenças ambientais e outros trâmites burocráticos. Com isto, no agregado, o saldo primário de junho, em 12 meses, fechou em torno de 2% do PIB, próximo a meta de 2,3% do PIB definida pela Fazenda, mas considerado um dos piores resultados para o período.

O problema é que o governo ainda segue subsidiando o crédito através de emissões do Tesouro para o BNDES e na atuação de bancos públicos. Com isto, a dívida bruta já passa dos 60% do PIB. Em junho, na oferta de crédito nacional, cerca de 50% foram realizados através dos bancos públicos, com o restante dividido entre bancos privados nacionais e estrangeiros. Ou seja, de um lado o governo anuncia cortes, de outro abre a “torneirinha”. Num artigo na imprensa Rogério Werneck da PUC bem definiu esta situação: “De um lado, a dureza do Orçamento. Do outro, a farra de crédito do BNDES, nutrida por emissão de dívida e a ilusão de haver dinheiro para tudo.”

Em adição, o governo segue anunciando isenção fiscal ou cortes de impostos, tanto para estimular setores específicos, intensivos em mão de obra, como para combater à inflação.

Indo para o front externo, as notícias também não são alvissareiras. O déficit em conta corrente de junho fechou em torno de 3,17% do PIB, mas segue em trajetória de alta, dado o aumento das despesas com viagens, reflexo da ascensão das classes C e D, assim como pelo aumento das remessas e das despesas com serviços. Em paralelo, os investimentos externos diretos continuam robustos, mas não suficientes para o financiamento deste desequilíbrio. Decorrente disto, e turbinado pela proximidade do fim da política de compra de ativos do Fed, o dólar na semana passada já beirava os R$ 2,30 (depreciação cambial acima de 11%), sem perspectiva, por enquanto, de reversão ou acomodação.

Neste contexto, a ameaça de repasse do dólar apreciado, para os insumos importados e os custos das empresas, já começa a ser considerada como fato, embora ainda não tenha ocorrido com mais força. Os índices de preço em julho até foram alentadores, com o IPC da FIPE registrando deflação de 0,13%, o IGP-M 0,26% e o IPCA, próximo à estabilidade. Contribuíram para isto o recuo dos alimentos e a revogação do aumento das tarifas de transporte.

No entanto, com o dólar “esticado” no atual patamar, caso se mantenha até o final do ano, será inevitável algum repasse, dependendo do setor e da margem existente. Mesmo assim, não acreditamos que o IPCA ultrapasse os 6,5% (teto do sistema de metas) ao fim deste ano, devendo fechar mais próximo a 5,5%.

Neste contexto, uma boa notícia vem sendo o reposicionamento do BACEN no controle da inflação e no balizamento das expectativas, atuando mais ativamente no combate à inflação, e com autonomia se comparado ao passado recente. Agora na reunião do COPOM de agosto, mais uma elevação do juro deve ser sancionada, de 0,5 ponto percentual, indo a 9,0%. Para as próximas reuniões deste ano tudo dependerá das expectativas, do repasse do câmbio e algum choque de oferta que possa ocorrer. A Focus trabalha com a taxa de juros fechando o ano a 9,25% e esta Consultoria projeta 9,5%.

Aqui, no entanto, é preciso alguma dose de parcimônia, já que preocupa o ritmo fraco da economia. Ou seja, além da atenção redobrada à inflação é importante também manter a “roda girando na atividade econômica”.

Os dados da indústria de junho, segundo o IBGE, até serviram de alento, com expansão de 1,9% contra maio (que recuou 1,8% contra abril), mesma taxa no primeiro semestre, indo a 0,2% em 12 meses. Este movimento errático da indústria, por outro lado, não configura uma tendência consistente de recuperação. Em resposta, o desemprego mostra perda de dinamismo, com a taxa chegando a 6% da PEA, segundo o IBGE, e a criação de empregos formais perdendo força.

Concluindo, a partir da análise dos fundamentos, o que se tem é o governo sem muita convicção de como conduzir sua política econômica. Lembremos que num primeiro momento, entre 2011 e 2012, criou-se até uma nova denominação para a política da Dilma, a chamada “nova matriz econômica”, caracterizada pela depreciação do câmbio, relaxamento fiscal e redução do juro. Tratou-se então de abandonar os pilares do famoso tripé do Real, seguido antes, mesmo que com resistências externas, por Henrique Meirelles na gestão Lula. Em paralelo a isto, aumentou-se a oferta de crédito, mantendo-se o modelo sustentado pelos estímulos ao consumo das famílias, parcialmente bem sucedido na gestão anterior.

Agora, diante da insuficiência inevitável de oferta, o alto endividamento das famílias, os baixos investimentos, o desbalanceamento entre oferta e demanda, gerando inflação, e a perda de credibilidade, o governo Dilma se confronta com seus erros de diagnóstico. Tenta corrigir alguns rumos no meio do jogo e tenta “ganhar tempo” para as eleições de 2014. Em suma, por teimosia ou por fatores outros, o governo acabou atropelado pelos fatos.

Julio Hegedus Netto

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.