Brexit, Fed, BoJ e China Aumentam a Ansiedade e Aversão ao Risco

Brexit, Fed, BoJ e China Aumentam a Ansiedade e Aversão ao Risco

Empiricus Research  | 13.06.2016 14:13

Risco desconhecido

Depois de uma sexta-feira terrível, mercados registram hoje mais um dia de cautela. Aversão a risco predomina diante de preocupações com o Brexit e de ansiedade com dados da China e reuniões importantes de bancos centrais (temos Fed e BoJ ao longo da semana).

Os desdobramentos da eventual saída do Reino Unido da União Europeia - que será decidida em plebiscito no próximo dia 23 - são desconhecidos e isso é sempre um problema. Os maiores riscos são justamente aqueles de difícil mensuração e para os quais não estamos preparados.

Felizmente, Rodolfo, o titular desta newsletter, está em Londres para tentar nos trazer um pouco de luz sobre a questão. Ainda fora dos radares tupiniquins, pode virar tsunami ou marolinha sobre os mercados.

Como referência, Gerge Soros, que já quebrou o Banco Central inglês, alerta para risco de colapso. Talvez seja um pouco exagerado, mas certamente contém elementos de preocupação.

Negociando

Talvez ainda mais preocupante para nós, brasileiros, seja a instabilidade política no país.

Entre delações, grampos e Cunha fazendo o que pode (e o que não pode) para evitar a cassação de seu mandato, Michel Temer tem que se desdobrar para aprovar as medidas econômicas necessárias à recuperação do país e, ao mesmo tempo, permanecer alheio à este mar de lama que encobre Brasília.

O presidente interino deve voltar ao Congresso nesta semana para entregar pessoalmente a PEC que limita o crescimento das despesas públicas à variação da inflação. Seria amanhã, mas ainda há um impasse sobre o tempo de duração da proposta.

Enquanto o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defende dez anos, os aliados do novo governo querem um prazo menor, de três a cinco anos.

Se a questão pendente for mesmo apenas o tempo de vigência, acredito que não teremos problemas em chegar a um meio termo para aprovar a medida, uma das mais importantes até agora no âmbito do ajuste fiscal.

Olho no Banco Central

Outro tema de interesse por aqui é o discurso de posse de Ilan Goldfajn no Banco Central, marcado para às 15h00.

O que o mercado espera é que ele avance nas sinalizações que deu durante a sabatina no Senado, quando fez uma defesa enfática da meta central de inflação (puxando os juros para cima) e exaltou o regime de câmbio flutuante (derrubando a cotação do dólar frente ao real).

As expectativas para a atuação do novo presidente do BC são positivas, embora as projeções consensuais do mercado ainda teimem em refletir o discurso mais conservador de Ilan, principalmente no que diz respeito à inflação.

No relatório Focus de hoje, por exemplo, estimativas para o IPCA em 2016 saltaram de 7,12% na semana passada para 7,19%, ainda bem acima do centro da meta (4,50%). Já para o ano que vem, as projeçãos apontam para uma inflação oficial de 5,50%, menor patamar desde 2009.

Lá no posto Ipiranga

No plano corporativo, a grande notícia do dia é a compra da rede Ale pela Ipiranga, do Grupo Ultra, por R$ 2,17 bilhões. Já comentei mais cedo (no Daily PRO) sobre os múltiplos envolvidos na transação, chegando ao entendimento de que foi um preço atrativo pago pela Ultrapar (SA:UGPA3).

A própria reação do mercado, ilustrada pela alta de 4% de UGPA3 no momento em que escrevo (a maior do Ibovespa hoje), deixa evidente que trata-se de um bom deal para a Ipiranga, que vê a distância para a primeira colocada BR Distribuidora no ranking das maiores distribuidoras de combustíveis do país diminuir consideravelmente.

Segundo os dados mais recentes divulgados pela ANP (Agência Nacional de Petróleo), a BR Distribuidora detinha ao final do ano passado 27,72% do mercado brasileiro de venda de gasolina, seguida pela Ipiranga (20,8%), Raízen (19,6%) e Ale (5,2%). Com a incorporação da Ale, a fatia da Ipiranga sobe para 26% e fica quase empatada com a da controlada da Petrobras (SA:PETR4).

Imagen

Torne-se um expert

Quem seu deu ao trabalho de pesquisar mais a fundo sobre esse deal, certamente se deparou com termos como EV/ebitda, dívida líquida, M&A, dentre outros que podem ser de difícil entendimento para aqueles mais leigos em Finanças.

Você se julga um leigo no assunto? Não sabe qual o melhor destino para investir seu dinheiro? Não tem ideia de como sair de uma situação de dívida?

Saiba que tornar-se um expert é plenamente possível e mais fácil do que você imagina.

Pense que bom seria se você começasse a falar de igual para igual com o gerente do seu banco e fizesse seu dinheiro trabalhar para você….

Empiricus Research

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.