Copom Polêmico e Dólar Disparado

Copom Polêmico e Dólar Disparado

Jason Vieira  | 07.05.2020 08:01

Unânime decisão e unanimemente polêmica.

O Copom reduziu os juros em 75 pontos-base (bps) na reunião de dois dias encerrada ontem, com o corte superando a expectativa de grande maioria dos analistas, os quais inclusive aguardavam um posicionamento mais cauteloso da autoridade.

Aos 3% ao ano (qualquer decisão para baixo é recorde desde os 7,25% de 2012), não somente o banco central coloca o país em níveis de juros de primeiro mundo, como emite um sinal fortemente dovish quanto aos movimentos futuros.

Isso fica claro quando dois membros sugeriram um impacto já forte nesta reunião e ao se recusar, o BC responde:

”Assim, o Copom optou por uma provisão de estímulo mais moderada, com o benefício de acumular mais informação até sua próxima reunião”

Ou seja, os 75 bps foram considerados MODERADOS nesta reunião e a única “porta fechada” para a próxima foi a dimensão dos cortes, que não deve superar o atual:

“Comitê considera um último ajuste, não maior do que o atual, para complementar o grau de estímulo necessário”.

Com tais sinais, a Selic aos 2,25% ao ano estão praticamente dados.

A outra polêmica agora gira em torno do câmbio. A falta de força na economia, o desemprego, as paralisações e consequente queda na demanda têm efeito nítido na abertura de hiato do produto, reduzindo a possibilidade de repasse cambial da alta do dólar.

Mais ou menos.

O achatamento de margem, em termos temporais, já ultrapassou o que se pode considerar sustentável em diversos setores e mesmo com a demanda reprimida, a pressão de custos, como observada nas medidas ao atacado mais recentes são constantes e tendem a piorar muito com a desvalorização constante e contínua do real frente ao dólar.

Somos uma economia relativamente fechada, porém com uma indústria fortemente baseada em matéria prima e intermediária importada em diversos setores, além disso, o já real “empinamento” da curva de juros futuros é inevitável, dados os desafios fiscais da pandemia, piorados em muito com a dificuldade de congelamento de salários de servidores públicos e a gana de gastar de governadores e prefeitos em ano eleitoral.

Estados na maioria sem ajuste fiscal continuarão a usar os recursos para a folha e aposentadorias, sem o real benefício à questão pandêmica.

Por fim, o BC quer estimular a demanda via juros a e destrói via cambio.

No âmbito corporativo, atenção aos resultados no exterior de Bristol-Myers Squibb, Nintendo, AB InBev, Fidelity, Motorola, Telefonica (MC:TEF), ArcelorMittal, AES, e localmente, Banco BMG (SA:BMGB4), Banco do Brasil (SA:BBAS3), Burger King Brasil (SA:BKBR3), Energisa (SA:ENGI4) (ENGI3/ENGI4/ENGI11), Estácio Participações (SA:YDUQ3), Gafisa (SA:GFSA3), JHSF (JHSF3 (SA:JHSF3)), Light (SA:LIGT3), Lojas Americanas (SA:LAME4) (LAME3/LAME4), Lojas Marisa (SA:AMAR3), MRV (MRVE3 (SA:MRVE3)), Natura (SA:NTCO3), Paranapanema (SA:PMAM3), Portobello (SA:PTBL3), Qualicorp (SA:QUAL3), Sanepar (SA:SAPR11) (SAPR3/SAPR4/SAPR11), São Carlos (SA:SCAR3), Technos (SA:TECN3), Tenda (SA:TEND3), Unicasa (UCAS3 (SA:UCAS3)), Valid (SA:VLID3) e Wiz (WIZS3 (SA:WIZS3)).

ABERTURA DE MERCADOS
A abertura na Europa é positiva e os futuros NY abrem em alta, com os as últimas notícias sobre o surto de COVID-19 e os esforços para aliviar as medidas de bloqueio.

Em Ásia-Pacífico, fechamento negativo, mesmo com o crescimento mais forte das exportações da China.

O dólar opera em alta contra a maioria das divisas centrais, enquanto os Treasuries operam positivos em todos os vencimentos.

Entre as commodities metálicas, altas no geral, destaque ao cobre.

O petróleo abriu em alta em Londres e Nova York, com o aumento das compras chinesas da commodity.

O índice VIX de volatilidade abre em baixa de -7,24%.

CÂMBIO
Dólar à vista : R$ 5,7158 / 2,46 %
Euro / Dólar : US$ 1,08 / -0,028%
Dólar / Yen : ¥ 106,57 / 0,349%
Libra / Dólar : US$ 1,24 / 0,065%
Dólar Fut. (1 m) : 5688,96 / 1,85 %

JUROS FUTUROS (DI)
DI - Janeiro 22: 3,53 % aa (-0,12%)
DI - Janeiro 23: 4,66 % aa (-1,27%)
DI - Janeiro 25: 6,40 % aa (-1,39%)
DI - Janeiro 27: 7,35 % aa (-1,34%)

BOLSAS DE VALORES
FECHAMENTO
Ibovespa: -0,5123% / 79.064 pontos
Dow Jones: -0,9147% / 23.665 pontos
Nasdaq: 0,5139% / 8.854 pontos

Nikkei: 0,28% / 19.675 pontos
Hang Seng: -0,65% / 23.981 pontos
ASX 200: -0,38% / 5.364 pontos

ABERTURA
DAX: 0,848% / 10696,18 pontos
CAC 40: 0,752% / 4466,72 pontos
FTSE: 0,661% / 5892,38 pontos

Ibov. Fut.: -0,52% / 79219,00 pontos
S&P Fut.: 1,249% / 2875,10 pontos
Nasdaq Fut.: 1,581% / 9082,50 pontos

COMMODITIES
Índice Bloomberg: 1,40% / 62,32 ptos

Petróleo WTI: 6,21% / $26,07
Petróleo Brent: 4,51% / $31,62

Ouro: 0,42% / $1.693,90
Minério de Ferro: 0,28% / $83,29

Soja: 0,57% / $835,25
Milho: 0,48% / $313,25 $313,25
Café: 0,46% / $109,35
Açúcar: 1,46% / $10,45


· Banco BMG (BMGB4), Banco do Brasil (BBAS3), Burger King Brasil (BKBR3), Energisa (ENGI3 (SA:ENGI3)/ENGI4/ENGI11), Estácio Participações (YDUQ3), Gafisa (GFSA3), JHSF (JHSF3), Light (LIGT3), Lojas Americanas (LAME3 (SA:LAME3)/LAME4), Lojas Marisa (AMAR3), MRV (MRVE3), Natura (NTCO3), Paranapanema (PMAM3), Portobello (PTBL3), Qualicorp (QUAL3), Sanepar (SAPR3 (SA:SAPR3)/SAPR4/SAPR11), São Carlos (SCAR3), Technos (TECN3), Tenda (TEND3), Unicasa (UCAS3), Valid (VLID3) e Wiz (WIZS3)

Jason Vieira

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Pedro Silva
Pedro Silva

O BC corta a Selic num dia e no outro ele leiloa bilhões de dólares pra abaixar míseros centavos na cotação.  ... (Leia Mais)

07.05.2020 14:01 GMT· Responder
Denis Ferreira
Denis Ferreira

Lembrando que a SELIC é também um instrumento da política de ajustes em uma crise. Em um momento que o consumo está freado por fatores não econômicos, a bolsa congelada num patamar à espera dos resultados das empresas e a inflação "pausada" por queda na demanda, estamos queimando a gordura da Selic que deveria ser usada a frente quando a real crise, essa sim econômica, chegar. Com as já reduções, ficaremos presos, iguais países de 1º mundo, num patamar onde estímulos fiscais através de juros perderam seu efeito quando os juros já se encontram próximo, se não no zero. Lembrando que países europeus e os EUA tem poder de impressão de dinheiro, o que nós não temos!  ... (Leia Mais)

07.05.2020 13:57 GMT· Responder
Rob erto
Rob erto

"Por fim, o BC quer estimular a demanda via juros a e destrói via cambio." - Perfeito, embora isso já ocorra, a olhos visíveis, desde que colocou a SELIC abaixo de 5%  ... (Leia Mais)

07.05.2020 11:54 GMT· Responder
Varga
Varga

Bom dia e bons negócios a todos. Estamos em águas nunca navegadas....  ... (Leia Mais)

07.05.2020 11:42 GMT· Responder
Antonio Salviano
Antonio Salviano

Estou aprendendo muito, com esse cenário.   ... (Leia Mais)

07.05.2020 11:32 GMT· 1 · Responder
Antonio Salviano
Antonio Salviano

Bom dia Jenson Vieira. Bom dia mercado.   ... (Leia Mais)

07.05.2020 11:30 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.