Coronavírus e Tensão EUA-China Testam Otimismo

Coronavírus e Tensão EUA-China Testam Otimismo

Olivia Bulla  | 21.05.2020 08:40

O Brasil contribuiu ontem para que o mundo alcançasse a marca simbólica de 5 milhões de casos de coronavírus, após o salto de quase 20 mil novos infectados de Covid-19 em apenas 24 horas. E o prognóstico não é favorável, diante da movimentação nas estradas durante o feriado antecipado na capital paulista. Apesar de a pandemia ainda estar longe de ser controlada, o mercado financeiro só quer saber de antecipar o cenário à frente. 

E tudo indica que será de maior tensão entre Estados Unidos e China. A decisão do Senado norte-americano de aprovar uma lei que pode proibir empresas chinesas de serem listadas nas bolsas de valores dos EUA e retirar as que já estão, afetando Alibaba e Baidu (NASDAQ:BIDU), lança uma nuvem sobre a recente recuperação dos ativos de risco. As ações estão no vermelho. Ao mesmo tempo, cresce a busca por proteção no dólar e nos títulos norte-americanos (Treasuries). 

O projeto foi aprovado em decisão unânime e exige que as empresas certifiquem que não estão sob controle de um governo estrangeiro. Trata-se de mais uma medida que enfraquece os laços sino-americanos, após os legisladores dos EUA impedirem que fundos de pensão do país financiem grandes corporações chinesas, que visam desenvolver posições de liderança, principalmente na área de tecnologia.  

O presidente dos EUA, Donald Trump, elevou a carga. No Twitter, ele afirmou que a China está fazendo uma “enorme campanha de desinformação” porque está “desesperada” para que o rival democrata, Joe Biden, vença a corrida presidencial e continue “roubando” os EUA. Em resposta, o editor-chefe do jornal Global Times, Hu Xijin, tido como porta-voz do governo chinês, afirmou que Trump “ajuda a promover a união” na China.     

Portanto, a piora na relação entre EUA e China e os 5 milhões de casos globais de coronavírus põem em xeque o otimismo dos investidores em relação à reabertura das principais economias desenvolvidas no Ocidente e à expectativa por estímulos adicionais por parte dos bancos centrais. A sensação é de que a pandemia e a escalada da tensão põem em risco a fase um do acordo comercial sino-americano. Além disso, o risco de uma nova onda do vírus e o ceticismo com a liberação de uma vacina elevam a cautela.

No Brasil, o salto no número de mortes e novos casos de coronavírus combinado com a instabilidade na cena política devem pressionar os ativos locais. Ao mesmo tempo, persiste a ansiedade em torno da divulgação do vídeo, na íntegra, da reunião ministerial de abril, apontada pelo ex-ministro Sergio Moro como prova da acusação de interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. 

Em meio a esse ambiente externo avesso ao risco e do “desgoverno” vivido no país, os mercados domésticos também repercutem as declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que pode aumentar a atuação no câmbio, caso seja necessário. Ele sinalizou que a autoridade monetária pode ampliar a venda de dólares das reservas internacionais. Ontem, a moeda norte-americana fechou abaixo de R$ 5,70. 

 

Agenda cheia lá fora

O calendário econômico do dia está carregado no exterior, já que aqui sai apenas a prévia da sondagem da indústria em maio (8h). Por lá, as atenções se dividem entre dados deste mês sobre a atividade nos setores industrial e de serviços nos EUA e na zona do euro, ao longo da manhã, e os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos no país, às 9h30.

Neste horário, sai o índice sobre a atividade na região da Filadélfia. A agenda norte-americana traz ainda dados do setor imobiliário e indicadores antecedentes, ambos às 11h e referentes ao mês de abril. Entre os eventos de relevo, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, fala (15h30) sobre como a Covid-19 está afetando a comunidade.

No fim do dia, o radar se volta para a China, onde, já na manhã da sexta-feira (hora local), tem início a sessão plenária do Congresso Nacional do Povo (NPC). Conhecido como as “Duas Sessões”, o encontro político teve início nesta quinta-feira, com a sessão anual do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CPPCC).

Olivia Bulla

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.