Cortes de Juros Apontam para Maior Flexibilização Diante do Medo de uma Recessão

Cortes de Juros Apontam para Maior Flexibilização Diante do Medo de uma Recessão

Investing.com  | 15.08.2019 12:22

Diversos bancos centrais da região Ásia-Pacífico cortaram as taxas referenciais de juros na semana passada, de forma surpreendentemente vigorosa, e outros bancos centrais devem fazer o mesmo, na esteira dos cortes de juros realizados nas economias dos EUA e da Europa.

O Banco Central da Nova Zelândia reduziu sua taxa de juros em meio ponto, para 1%, o dobro do que era esperado. A Tailândia também cortou seus juros em 25 pontos-base, para 1,5%, embora os economistas não previssem qualquer mudança. E a Índia, que já havia dado os primeiros passos no sentido da flexibilização da política monetária no início deste ano, cortou sua taxa de juros de 5,75% para 5,4%, a menor em nove anos.

A ação da Nova Zelândia abriu caminho para um corte similar pelo banco central da Austrália no início de setembro, que se juntou à Índia na rodada anterior de afrouxamento em junho. O Brasil também surpreendeu os analistas com um corte de meio ponto no final de julho, sua primeira redução de juros desde março do ano passado, reduzindo sua taxa referencial para a nova mínima de 6%.

Os cortes da região Ásia-Pacífico seguem o corte de 25 pontos-base realizado pelo Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), que deixou as portas abertas para mais cortes, sem exatamente prometê-lo. O Banco Central Europeu (BCE), enquanto isso, está preparando um pacote de políticas para flexibilizar as condições monetárias e estimular a letárgica economia europeia.

Nesse contexto, os cortes do Pacífico não só seguem, mas também pressagiam cortes pelas grandes autoridades monetárias. Esses bancos centrais claramente esperam que o BCE dê prosseguimento ao seu pacote e também podem estar contando com mais um corte de 25 pontos-base pelo Fed em setembro.

Sinais cada vez maiores de uma recessão mundial

Os novos esforços de estímulo monetário ocorrem em meio a sinais cada vez maiores de recessão mundial, exacerbados pelas idas e vindas nas tensões comerciais entre EUA e China. Os bancos centrais têm espaço limitado para agir, mas a inflação continua consistentemente baixa, por isso eles devem continuar tentando usar esse mecanismo.

Não há certeza de que o dinheiro mais fácil ajudará, mas esses países não querem ficar para trás se os cortes de juros forem iminentes. No mínimo, as taxas de juros mais elevadas mantêm o câmbio externo apreciado, enquanto EUA, Europa e China se esforçam para manter suas moedas mais fracas.

O Banco Nacional da Suíça e o Banco da Inglaterra, que administram duas das principais moedas de reserva, também consideram cortar juros. Para o banco da Suíça – que tem interferido na negociação cambial para arrefecer a pressão altista sobre o franco-suíço –, esse seria mais um corte em território negativo em relação à sua taxa atual de -0,75%.

Para o Banco da Inglaterra, os corte marcariam uma reversão em relação às intenções anteriores de elevar as taxas. Ao contrário da maioria dos países industriais, o Reino Unido enfrenta pressões inflacionárias reais, mas as incertezas cada vez maiores com o Brexit podem fazer com que o banco central corte os juros para conter qualquer atribulação caso não haja um acordo com a União Europeia.

O mercado acionário norte-americano despencou na quarta-feira por causa de mais uma inversão na curva de juros. Desta vez os títulos de 2 anos do Tesouro, a 1,534%, passaram a render mais do que os títulos de 10 anos, a 1,561%. A curva de juros entre as notas de 3 meses do Tesouro e os títulos de 10 anos estão invertidas há semanas. No Reino Unido, os títulos de 2 anos subiram um ponto-base, ao passo que os títulos de 10 anos caíram 2 pontos-base, invertendo a curva de juros.

As recessões não ocorrem imediatamente após uma inversão na curva de juros – isso pode levar um ou dois anos –, mas em conjunto com dados decepcionantes, como o declínio da quarta-feira no PIB da Alemanha, pode ser que os mercados se tornem pessimistas quanto ao futuro.

Investing.com

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Alberto Barroso
Alberto Barroso

Cortar juros é uma medida genérica que tem menos importância do que a realidade conjuntural de cada país. O Brasil pode surfar bem neste cenário que se avizinha por alguns fatores. Tem reservas, tem reformas importantes, tem dinheiro novo da iniciativa privada em infraestrutura, petróleo, gás, e setores de energia em geral. Economia arrumada, faltam os empregos virem com mais força, alimentando um ciclo virtuoso já iniciado com ajuste fiscal, aumento da arrecadação. Otimista até o talo.  ... (Leia Mais)

16.08.2019 11:19 GMT· Responder
Ronaldo Almeida
Ronaldo Almeida

Artigo muito esclarecedor, visão global na qual o Brasil se insere  ... (Leia Mais)

15.08.2019 18:31 GMT· Responder
Pedro Hurwicz
Pedro Hurwicz

estamos no Brasil e esse cara nada falou???  ... (Leia Mais)

15.08.2019 17:33 GMT· Responder
Guillermo Lopes
Guillermo Lopes

Vendi e lucrei. Hora esperar cair e comprar mais... Kkkk  ... (Leia Mais)

15.08.2019 16:38 GMT· Responder
Luiz Ferreira Santos
Luiz Ferreira Santos

Stop na Bolsa  ... (Leia Mais)

15.08.2019 16:33 GMT· Responder
Tiago Oliveira
Tiago Oliveira

,zf ,z,yitr t z szxxrrzr,szrizid,zzszz  ... (Leia Mais)

15.08.2019 16:33 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+