Crise dos Caminhoneiros Agrava “Desabastecimento” dos Mercados

Crise dos Caminhoneiros Agrava “Desabastecimento” dos Mercados

Olivia Bulla  | 30.05.2018 09:27

O mercado financeiro no Brasil deve seguir pressionado, diante das dúvidas relacionadas ao fim da greve dos caminhoneiros e à possibilidade de paralisação das refinarias, com os petroleiros cruzando os braços a partir de hoje. O investidor tende a redobrar a cautela nesta véspera de feriado nacional, que antecipa o fim do mês de maio e fecha os negócios locais amanhã, espremendo a sessão de sexta-feira com o fim de semana, enquanto os negócios lá fora seguirão a pleno vapor.

O ambiente internacional tampouco está favorável ao risco, em meio às incertezas políticas na Itália, que reacende o temor em relação a uma crise do euro. A moeda única europeia, porém, se recupera nesta manhã, saindo das mínimas do ano e voltando à faixa de US$ 1,16. As principais bolsas da região também ensaiam uma melhora, embaladas pelo sinal positivo vindo de Nova York, após uma sessão de perdas aceleradas na Ásia. O petróleo avança.

Esse alívio externo pode contribuir para o desempenho dos ativos locais no último dia de maio, após terem sido duramente atacados ao longo do mês. Até ontem, a Bolsa brasileira acumulada perdas de quase 12%, o que anulou os ganhos acumulados no ano, ao passo que o dólar avança pouco mais de 5% no mês, depois de ter avançado 6% em abril, na maior alta mensal desde novembro de 2016. Em março, a moeda norte-americana subiu quase 2%.

Nos mercados tradicionais, faltam itens alimentícios e de higiene pessoal, em um cenário similar ao de países que sofrem desastre natural. O desabastecimento provocado pela greve dos caminhoneiros afeta, principalmente, centros urbanos do Sul e Sudeste do país, mas também se espalha para as demais regiões. Essa falta de oferta dos produtos encarece os preços dos itens que estão disponíveis, em meio à demanda do consumidor para estocar.

O problema no Brasil se agravou neste mês, com o país sendo atingido pelos caminhoneiros e vivendo agora um “apocalipse do diesel”, conforme destaca uma consultoria internacional. O risco é de que a paralisação dos caminhões provoque uma crise político-institucional. Afinal, por mais que os brasileiros estejam divididos quanto ao movimento, a recusa em pagar mais caro pelo combustível é um ponto em comum a todos.

E um dos motivos pelo qual a população não aceita pagar nenhum centavo a mais pelo litro da gasolina - agora que o preço do diesel foi congelado por 60 dias - é que a classe política vem sendo, cotidianamente, acusada de desviar recurso público. “Antes de aumentar os impostos ou cortar subsídios, parem de desviar o dinheiro do povo para seus bolsos”, diriam as vozes nas ruas.

Com isso, o temor é de que a situação migre para um cenário parecido com o de 2013, quando uma “simples” manifestação contra o aumento de R$ 0,20 na passagem de transporte público migrou para uma onda de protestos com palavras de ordem “contra tudo”, principalmente contra a classe política. Tal cenário evidencia uma situação social cada vez mais fragilizada.

A imprensa tradicional mantém o papel de articuladora, tentando unificar tais reivindicações, e já fala na ausência de governabilidade no Congresso e na impossibilidade de o presidente Michel Temer encerrar o mandato. O Palácio do Planalto quer uma “união anticrise”, diante da preocupação com a reação de militares, mas líderes na Câmara já falam em fim do governo.

Assim, enquanto o Brasil caminha em direção a uma eleição crucial, o “apocalipse do diesel” mostra o quanto o contrato social do país está quebrado. Apesar da trégua parcial com os caminhoneiros, o cenário de Mad Max continua: prateleiras dos supermercados seguem vazias, aeroportos pararam e bombas de gasolina secaram.

Enquanto tudo isso tenta voltar à normalidade, com os postos de combustível voltando a ser abastecidos e os alimentos voltando às mesas, o país já se prepara para uma nova crise. Os petroleiros cruzam os braços a partir de hoje, em uma tentativa de barrar a venda de mais ativos da Petrobras (SA:PETR4) e em defesa da redução do preço do gás de cozinha e dos combustíveis.

Entidades representantes dos petroleiros buscam captar a insatisfação da população com o aumento da gasolina e do etanol nas bombas, pegando carona na greve dos caminhoneiros. Juntas, as duas federações pedem o fim da política de preços da Petrobras e a demissão do presidente da companhia, Pedro Parente.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerou abusiva e ilegal a paralisação de 72 horas de funcionários da Petrobras convocada para hoje, que tem “potencial grave dano” à população. Em caso de descumprimento da decisão, os sindicatos estão sujeitos a multa de R$ 500 mil por dia. A liminar foi pedida pela Advocacia-Geral da União (AGU) e pela petrolífera.

Em meio a todo esse noticiário, a agenda econômica doméstica perde relevância. Ainda assim, o dia reserva os números do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no início deste ano, que merecem atenção.

A expectativa é de que a atividade econômica tenha crescido pelo quinto trimestre consecutivo, em +0,3%, ganhando tração em relação à alta apurada ao final de 2017 (+0,1%). Em relação ao primeiro trimestre do ano passado, porém, o ritmo deve ter sido menor, de +1,4%, no quarto resultado positivo seguido nesse tipo de confronto, após avanço de 2,1% no confronto entre o início de 2017 versus o início de 2016.

Os números efetivos serão divulgados às 9h. De qualquer forma, os dados devem ser olhados pelo retrovisor, pois, no horizonte à frente é crescente o risco de o PIB do país crescer menos que 2,5% em 2018. Ainda mais diante do impacto da paralisação dos caminhoneiros sobre os setores produtivos e a inflação.

No exterior, também serão conhecidos os números do PIB dos Estados Unidos no primeiro trimestre deste ano (9h30). Porém, a segunda leitura do dado não deve trazer revisão e tende a confirmar a expansão de 2,3% da economia norte-americana na taxa anualizada do período. Antes, saem os dados sobre a criação de emprego no setor privado do país em maio (9h15).

O relatório da ADP é tido como uma prévia do relatório oficial sobre o mercado de trabalho nos EUA (payroll), na sexta-feira. Ainda hoje, o Federal Reserve publica o Livro Bege (15h). No fim do dia, a China informa dados sobre a atividade industrial e no setor de serviços em maio, enquanto logo cedo a zona do euro traz dados do mês sobre a confiança do consumidor.

Ainda no calendário doméstico, o Banco Central informa números das contas públicas em abril (10h30), com os dados sobre o resultado primário do setor público consolidado, e do fluxo cambial, sobre a entrada e saída de dólares no país (12h30) em maio até a sexta-feira passada.

Olivia Bulla

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App