Petrolíferas Americanas e Europeias Divergem sobre o Futuro do Mercado de Energia

Petrolíferas Americanas e Europeias Divergem sobre o Futuro do Mercado de Energia

Ellen R. Wald, Ph.D.  | 01.10.2020 08:58

Publicado originalmente em inglês em 01/10/2020

Todas as empresas petrolíferas, desde a super-rica Aramco (SE:2222), da Arábia Saudita, até as pequenas firmas de fraturamento hidráulico em Oklahoma, foram duramente afetadas pelos baixos preços do petróleo.

Nos EUA, até o mês de agosto, pelo menos 36 empresas pediram falência. Até mesmo a Saudi Aramco foi forçada a atrasar alguns dos seus planos de expansão de despesas para fazer frente às suas obrigações perante o governo saudita e outros acionistas.

Petróleo Semanal (2017-2020)

Cada uma das empresas do setor está tentando sobreviver à recessão global causada pelo coronavírus da melhor forma possível. Entretanto, há uma diferença clara entre as empresas europeias e americanas quando o assunto é visão estratégica.

Mudança continental, conservadorismo americano

Empresas do Velho Continente, como Royal Dutch Shell (LON:RDSa), (NYSE:RDSa), BP (LON:BP), (NYSE:BP), Total (PA:TOTF), (NYSE:TOT) e, em certa medida, Equinor (OL:EQNR), (NYSE:EQNR), estão acelerando cada vez mais os planos de transição produtiva para outras fontes de energia além de óleo e gás.

As empresas americanas, por outro lado, estão cada vez mais comprometidas com a produção dessas commodities. Companhias como Chevron (NYSE:CVX), ConocoPhillips (NYSE:COP) e ExxonMobil (NYSE:XOM) continuam com suas estratégias pré-coronavírus de realizar cortes e ajustes para diminuir despesas durante o período de preços baixos.

As empresas europeias consideram que esse período de demanda mais baixa é um prenúncio de um futuro em que o mundo precisará de menos petróleo. Dessa forma, estão tentando acelerar o desinvestimento de ativos de extração e produção para atuar com mais intensidade no mercado de gás natural e energia renováveis.

As companhias americanas, ao contrário, veem a situação atual de baixo consumo como um mero recuo temporário, já que acreditam que seus ativos de extração e produção continuarão agregando valor, desde que as despesas sejam reduzidas no curto prazo.

Perspectiva de demanda incerta; é preciso mais inovação

Ninguém realmente sabe como estará a demanda petrolífera daqui a cinco ou dez anos. Provavelmente as empresas europeias acreditem que a demanda petrolífera esteja desacelerando.

A mudança para a geração e transmissão de eletricidade renovável pode ser o que os acionistas dessas empresas queiram, mesmo que a lucratividade seja menor do que a produção de óleo e gás. Além disso, diversos governos europeus e a própria união europeia oferecem incentivos financeiros para investir em geração de energia renovável, algo que pode compensar as perdas financeiras dessas empresas.

Será que as empresas europeias e seus acionistas estão abrindo mão de lucros futuros? E se os preços do petróleo subirem por conta do aumento da demanda, e a falta de investimento em novos recursos petrolíferos gerar menos lucros?

Por outro lado, as empresas petrolíferas americanas ficarão com ativos desvalorizados caso o consumo de petróleo continue caindo por causa da transição para combustíveis não fósseis?

Eu acredito que a transição para fontes renováveis – ou outra forma de energia não fóssil – não ocorrerá sem uma ou várias inovações tecnológicas. Precisamos, por exemplo, de armazenamentos muito melhores.

Também precisaremos de melhores baterias, que carreguem com mais rapidez, armazenem a carga por mais tempo, possam ser recarregadas muitas vezes e sejam mais leves e menores. Sem uma inovação significativa, os combustíveis fósseis continuarão exercendo um papel importante no consumo energético dos países ocidentais e crescerão à medida que novas economias se desenvolvam.

A demanda petrolífera está sendo fortemente impactada agora, mas se recuperará. Quando a economia global se reerguer da recessão atual, as pessoas e economias em dificuldade voltarão a adotar sua fonte mais barata e eficiente de energia disponível: óleo e gás.

O problema é: o que tudo isso significa para os investidores do petróleo?

Primeiro, eles não devem se animar tanto com os relatórios de empresas europeias que pregam que o “pico de demanda” está chegando ou já passou. A BP recentemente emitiu um relatório que repercutiu muito na imprensa, mas os mercados petrolíferos não lhe deram muita importância. Os mercados continuarão ignorando a ideia de pico de demanda e previsões catastróficas.

Em segundo lugar, os investidores devem entender que, no longo prazo (daqui a mais de 15 anos), poder haver escassez de petróleo. Alguns ativos estão bem explorados, como os diversos campos da Península Arábica.

Entretanto, sabemos que outras áreas detêm petróleo, mas não exatamente quanto. Além disso, outras reservas estão completamente indefinidas. Temos pouca atividade de exploração, pois, além dos preços baixos do petróleo em 2020 e da transição das petrolíferas europeias para energias alternativas, temos visto uma queda no dispêndio de capital desde que a cotação do óleo caiu no fim de 2014.

É bem provável que isso eventualmente gere escassez de petróleo e preços muito mais altos, mas não por muitos anos.

Ellen R. Wald, Ph.D.

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Antonio Oliveira Rios Rios
Antonio Oliveira Rios Rios

parabéns pelo conjunto das informações apresentado e pela interpretação.  ... (Leia Mais)

01.10.2020 22:13 GMT· Responder
Clayton Stande
Clayton Stande

Os europeus precisam fugir da dependência do petróleo Russo e Arábico, isso também influencia a decisão.  ... (Leia Mais)

01.10.2020 15:18 GMT· 1 · Responder
Noé Queiroz
Noé Queiroz

Parabéns Ellen. Não vejo queda de preços no longo prazo causado por energias renováveis pelos seguintes motivos: 1- Com o preço do petróleo a US$100,00/bbl de 2011 a 2014 não houve uma grande arrancada nestas energias pela simples razão de serem mais caras. 2- As melhorias das tecnologias para energias renováveis não estarão disponíveis no médio prazo principalmente enquanto o preço do petróleo estiver baixo. 3- A grande maioria das novas energias vem de termelétricas (Gás, óleo), ou seja, do petróleo. O petróleo será substituído por escassez que elevará os preços acima de US$100,00 tornando as realmente renováveis (solar, eólica, marinha, hidráulica, etc) competitivas. A titulo de exemplo, o Brasil só tem reservas para mais 10 anos no atual ritmo de produção e novas reservas não forma suficientes nem para repor a produção nos últimos 6 anos. Por isto é um erro acelerar a produção e exportação com o produto com preços tão baixos contribuindo para manter o mercado assim.  ... (Leia Mais)

01.10.2020 14:42 GMT· Responder
Siegmund Beppler
Siegmund Beppler

Bom dia! Excelente análise. Argumentos centrados e sem o exagero do pessimismo ou, por outro viés, exagero sem fundamentos!  ... (Leia Mais)

01.10.2020 14:32 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.