Entenda os Riscos dos Investimentos P2P, Veja Como Diluí-los e Ter Altos Retornos

Entenda os Riscos dos Investimentos P2P, Veja Como Diluí-los e Ter Altos Retornos

Peak Invest  | 22.10.2020 07:05

Toda novidade no mercado de investimentos traz ao mesmo tempo interesse e dúvidas dos investidores. Com o P2P Lending não é diferente, que chama a atenção pela alta rentabilidade com previsibilidade semelhante a um investimento em renda fixa, como também suscita questionamentos em relação à regulamentação e riscos.

Para quem ainda não conhece, P2P Lending é uma modalidade de investimentos em que os recursos financeiros de uma ou mais pessoas são destinados para crédito às empresas, especialmente às pequenas e médias, sem a intermediação de um banco e facilitada por uma plataforma na qual converge a busca tanto de empréstimos pelas empresas como de ganhos elevados com previsibilidade para os investidores. É uma prática disseminada em países desenvolvidos e presente no Brasil desde 2011.

O P2P Lending permite, em linhas gerais, que os investidores emprestam, a juros menores aos praticados pelo mercado, às empresas de pequeno porte, que geralmente têm dificuldade de acesso ao crédito bancário, muitas vezes o empréstimo pode estar atrelado a outros produtos bancários, o que dificulta o acesso e agilidade ao crédito. Com isso, os investidores passam a facilitar e incentivar o empreendedorismo, com rentabilidade a partir de 450% do CDI. Na plataforma da Peak Invest, fundada em fevereiro de 2018 e que já realizou mais de R$ 22 milhões em empréstimos até hoje em mais de R$ 610 milhões solicitados.

Além disso, o P2P é uma oportunidade de diversificação da carteira dos investidores que estavam acostumados com a rentabilidade alta da renda fixa em tempos de Selic de dois dígitos. Essa possibilidade é destinada tanto aos investidores que se sentem desconfortáveis com a volatilidade da bolsa como àqueles que têm ações em seu portfólio, mas gostaria de se posicionar em ativos que deem retornos previsíveis acima de 450% do CDI.

Controle de riscos

O modelo de negócios é regulamentado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pelo Banco Central, que, além de incentivar a modalidade para estimular a concorrência no sistema financeiro, transmite credibilidade, confiança e segurança jurídica aos investidores.

Seu maior risco, no entanto, é uma eventual inadimplência da empresa que tomou o empréstimo, ou seja, de a dívida não ser paga, o que pode afastar potenciais investidores, ainda mais em período de crise econômica. Por isso, é preciso que os investidores selecionem com rigor a plataforma de P2P Lending na qual vai levar suas economias.

A seleção precisa levar em consideração:

  • taxa de inadimplência;
  • método de análise e avaliação de risco/crédito das empresas solicitantes;
  • se a precificação dos juros é condizente com o risco assumido;
  • se no processo de empréstimo existe a figura do avalista;
  • se a plataforma assume a responsabilidade pela cobrança.

Existe garantia?

De forma bem transparente devemos colocar que o P2P não possui garantia de recebimento. Os riscos de fato existem e estão totalmente ligados a alta rentabilidade que podem proporcionar, a típica relação de Risco x Retorno. Lembrando também que não é um investimento protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Metodologia Peak Invest

Além do retorno médio entre 10% e 48% ao ano na Peak Invest, outro grande atrativo da plataforma é a baixa taxa de inadimplência, que mesmo durante o auge da crise, atualmente, a taxa está entre 5% e 6%, abaixo do pico em março de 7% no começo da pandemia, o que presume uma inadimplência controlada.

Isso é resultado de uma metodologia eficaz de seleção de empresas que diminui os riscos de o investidor colocar seu dinheiro em uma empresa que pode ter problemas futuros de pagar os empréstimos. O processo é dividido em duas etapas.

Ainda antes da primeira parte do processo, são excluídas empresas negativadas, como também companhias inseridas nos setores esportivos, religiosos e de petróleo são imediatamente bloqueadas pelo algoritmo desenvolvido e constantemente atualizado pela Peak Invest.

O primeiro filtro de seleção ocorre quando o algoritmo realiza pesquisa na Receita Federal, por tipo de atividade e de faturamento das empresas que se habilitam a solicitar o crédito. São elegíveis, desta forma, empresas com no mínimo 2 anos de atividade e um faturamento mínimo de R$ 600 mil por ano.

São bloqueadas nessa segunda etapa aproximadamente 70% das solicitações. Os 30% restantes vão para a terceira etapa, em que analistas da Peak Invest fazem uma varredura completa na empresa, com avaliação de extratos bancários, balanço, Imposto de Renda, mídias sociais e reclamações no Reclame Aqui, além de realizar cruzamento de dados do Sisbacen a partir da parceria com o Banco Topázio. Em resumo de 100% das empresas que solicitam crédito, apenas 4% seguem para etapa de captação de investimentos na plataforma.

Mesmo assim, em caso de inadimplência, a responsabilidade de cobrança é da Peak Invest, possibilitada pela figura do avalista na hora da contratação do empréstimo, a principal garantia pessoal do pagamento de um título de crédito. Assim, é mais uma segurança para o pagamento futuro, pois, caso a empresa não honre seus compromissos, o avalista assume os empréstimos. Os avalistas geralmente são os próprios sócios da empresa ou pessoas próximas, com patrimônio imobiliário declarado.

Diversificação é chave

Aos investidores interessados nessa nova modalidade de investimentos, a Peak Invest recomenda como estratégia mais adequada o aporte em várias empresas para diluir o risco, assim evita de ficar exposto a uma ou algumas empresas e perder o investimento, aumentando as chances de obter o retorno acima de 450% do CDI.

A lógica da estratégia é semelhante ao investimento em ações e em fundo imobiliário. A recomendação dos especialistas financeiros é sempre a diversificação entre diferentes tipos de investimentos, com a constituição de uma carteira com ações de várias empresas, fundos imobiliários, títulos públicos e privados e, agora, P2P Lending.

Além disso, o investimento em P2P também tem exposição setorial, ou seja, os recursos são direcionados a diferentes setores e segmentos da economia, como na alocação de recursos em ações e em fundos imobiliários. Na Peak Invest, os setores com maior número de operações são serviços, varejo e indústria, com o setor industrial entre as empresas com maior faturamento que solicitam empréstimos.

Carteira P2P ideal

A carteira de empresas deve ser composta por no mínimo de 20 empresas, com um investimento médio no valor do aporte inicial por empresa em cada rodada de investimento (de R$ 1.500 a R$ 2.500).

Aos investidores que não tem recursos para construir uma carteira com muitas empresas para diluir o risco e não ficar de fora dessa tendência, a Peak Invest criou duas funcionalidades de investimentos com aporte inicial menor: o Multipeak e o Multipeak PRO

Veja como é simples: no Multipeak, você transfere R$ 10 mil para sua conta na Peak Invest para ter 20 fichas para fazer aportes de R$ 500 cada em até 20 empresas diferentes. Enquanto no Multipeak PRO a transferência é de R$ 20 mil para a conta na Peak e a possibilidade de aportar R$ 500 cada em até 40 empresas.

Vale ressaltar que as duas opções não significam um pacote de diversificação automático. Ela possibilita os investidores a investir R$ 500 por empresa na Peak Invest e, assim, facilitar a construção de uma carteira diversificada para minimizar os riscos e aumentar as chances de retorno.

Não fique de fora!

Aos investidores interessados em P2P, é preciso realizar o cadastro no site da Peak Invest. A plataforma não indica quais empresas o investidor deve destinar seus recursos, mas envia notificações sobre realização de rodadas de investimentos, nas quais são apresentadas as empresas habilitadas a receber recursos.

Faça seu cadastro no site da Peak Invest ou pelo http://bit.ly/CadastroPeak

Peak Invest

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Gilbert Silva
Gilbert Silva

Interessante!!!  ... (Leia Mais)

25.10.2020 12:00 GMT· 1 · Responder
Edson Teixeira
Edson Teixeira

mercado não muito confiável, não acredito. Parece muito com agiotagem .  ... (Leia Mais)

25.10.2020 10:26 GMT· 2 · Responder
Jonathan Dos Reis
Jonathan Dos Reis

Opa, gostei, vou ficar de olho nessa opção...   ... (Leia Mais)

23.10.2020 19:34 GMT· 3 · Responder
Jonathan Dos Reis
Jonathan Dos Reis

Opa, gostei, vou ficar de olho nessa opção...   ... (Leia Mais)

23.10.2020 19:34 GMT· Responder
André Lutgens
André Lutgens

Marketing. Imparcialidade seria bom  ... (Leia Mais)

23.10.2020 16:24 GMT· 1 · Responder
José Donizeti Costa
José Donizeti Costa

muito boa matéria, opção interessante  ... (Leia Mais)

23.10.2020 13:30 GMT· 1 · Responder
Herve Stangller Irion
Herve Stangller Irion

Gostei...também vou estudar mais.  ... (Leia Mais)

23.10.2020 12:18 GMT· 1 · Responder
Carlos Santana
Carlos Santana

Vou estudar mais sobre o assunto.  ... (Leia Mais)

23.10.2020 09:50 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';