Entenda Por Que o Coronavírus Pode Provocar uma Queda de US$ 3 no Petróleo

Entenda Por Que o Coronavírus Pode Provocar uma Queda de US$ 3 no Petróleo

Investing.com  | 22.01.2020 10:30

Em qualquer crise, é sempre bom ter à mão o máximo possível de fatos para traçar um plano de contingência. Por isso, é importante saber que o Goldman Sachs profetizou que o barril de petróleo pode ter uma desvalorização de US$ 3 por causa do novo coronavírus, que finalmente chegou aos Estados Unidos.

A análise do Goldman sobre o impacto do 2019-nCoV – nome científico do vírus – se baseia no estudo da queda do petróleo provocada pela epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), doença que começou na Ásia e chocou o resto do mundo em 2003.

Um exemplo de 17 anos atrás para a crise atual? Sim, porque é a única disponível e a mais relevante, segundo o Goldman, que tem mais “pedigree” no petróleo do qualquer outro banco de Wall Street.

“Embora as estimativas neste momento sejam bastante incertas, citamos a epidemia da SARS para ilustrar o potencial impacto sobre a demanda de petróleo”, explicou o banco.

É possível haver uma queda ainda maior

O Goldman Sachs disse ainda:

“Esse impacto na demanda (sem uma resposta da Opep na oferta) poderia significar uma queda de US$ 3 por barril de petróleo, embora a grande incerteza inicial possa provocar uma queda ainda maior, como aconteceu em março de 2003.”

Interessante. Isso significa que o barril de petróleo ainda pode cair US$ 6 – como aconteceu no auge da epidemia de SARS em 2003, com base nos dados históricos do Investing.com –, antes que a Opep faça algo drástico para fazer o mercado voltar a subir.

Preço do WTI Semanal 2001-2005

O ano da SARS foi bastante volátil para o petróleo, embora os preços não tenham ido acima de US$ 40 ou abaixo de US$ 25 por barril de West Texas Intermediate, que à época era a referência mundial do petróleo, antes do predomínio do Brent em 2010.

Um gráfico da Bloomberg de 2003, compartilhado entre as mesas de negociação de petróleo na terça-feira, quando veio à tona o primeiro caso de 2019-nCoV nos EUA, ressaltou o mesmo ponto sobre o declínio de quase 40% no WTI naquele ano.

O pior impacto da SARS no petróleo foi uma desvalorização de 17% em um mês

Os dados do Investing.com mostram que os meses de março e abril foram os piores para o WTI em 2003, quando houve uma queda de 15% e 17%, respectivamente. Apesar da volatilidade, o mercado acabou encerrando o ano com uma alta de 4%, a US$ 32,52, contra o fechamento de 2002 a US$ 31,20.

“Analisando a epidemia de SARS, essa incerteza de fato fez com que os mercados e analistas precificassem um impacto muito maior do que o que realmente ocorreu, com o petróleo caindo quase 20% até o fundo”, afirmou o Goldman.

“Esse elevado nível de temor acabou arrefecendo com a desaceleração do ritmo de novos casos registrados, quando a duração total da disseminação foi de 5 meses, antes de rápida recuperação na atividade regional”.

Analisando o potencial impacto do 2019-nCoV, o Goldman antecipou um choque negativo de 260.000 barris por dia (bpd) em média na demanda mundial, incluindo uma perda de 170.000 bpd de demanda de combustível de aviação.

O combustível de aviação é o mais vulnerável

O Goldman afirmou que o maior impacto na demanda de energia pode ocorrer no combustível de aviação, em razão da queda das viagens. Foi isso o que aconteceu em 2003, quando houve um declínio na força relativa dos preços do combustível de aviação em relação ao diesel durante o mês de março de 2003, de acordo com o banco de Wall Street, que afirmou ainda:

“Podemos esperar uma resposta similar dos preços desta vez, pois já houve uma queda em frações de combustíveis de aviação na terça-feira. A pressão sobre o combustível de aviação pode ser exacerbada pelo alto nível de produtividade do refino, por seu melhor desempenho relativo em relação aos destilados nos EUA e na Europa e pelos acúmulos de estoque acima da média sazonal até agora no ano."

Os temores de que o 2019-nCoV originado na China, em conjunto com a desaceleração do crescimento mundial, pudesse prejudicar o setor de viagens e o comércio acabaram impactando os mercados globais de risco na terça-feira.

WTI semanal

As ações na Ásia caíram forte, assim como os preços do petróleo e do cobre, à medida que os investidores corriam para ativos de segurança, como os títulos do Tesouro americano e alemão.

Até agora houve nove mortes e mais de quatrocentos casos documentados, em sua maioria na província chinesa de Hubei, onde está localizado Wuhan, epicentro da crise.

Visões variadas sobre o impacto

Alguns analistas disseram que, embora seja cedo demais para dizer, o vírus não parece ser tão letal quanto o SRAG, que matou cerca de 10% dos pacientes.

“Por enquanto, estamos mantendo nossas previsões econômicas inalteradas, mas a disseminação do vírus claramente representa o maior risco de queda e continuamos monitorando de perto a situação”, declarou Gareth Leather, economista sênior da Capital Economics, em uma entrevista à CNBC.

Outros analistas, como o lendário gestor de hedge fund Paul Tudor, discordam.

“Temos um fator inesperado com esse coronavírus. Acho que é algo grave. Se você olhar o que aconteceu em 2003, as estimativas variam de 0,5% a 2% no PIB da China, meio por cento para o Sudeste Asiático", afirmou Jones ao programa Squawk Box, da CNBC, no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça.

“Os mercados acionários caíram dois dígitos. Se você olhar a escalada dos casos registrados, as similaridades são muito grandes”.

Investing.com

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Carlos Vena
Carlos Vena

Já caiu mais de US$4, então o cervejavirus já está mais do que precificado.  ... (Leia Mais)

24.01.2020 12:48 GMT· Responder
Bruno Reis
Bruno Reis

Excelente análise   ... (Leia Mais)

24.01.2020 01:24 GMT· Responder
Bruno Reis
Bruno Reis

Excelente análise   ... (Leia Mais)

24.01.2020 01:24 GMT· Responder
Wilson Arrivabene
Wilson Arrivabene

Boa materia   ... (Leia Mais)

23.01.2020 13:55 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+