Entendendo o Ecossistema Inovador da China

Entendendo o Ecossistema Inovador da China

Tiago Reis  | 25.06.2020 08:47

Até pouco tempo atrás, o mundo dos negócios menosprezava as empresas de tecnologia chinesas, que eram consideradas “cópias baratas” das empresas americanas. De uns tempos para cá, a potência asiática não só se igualou à norte-americana como, aos poucos, está superando-a, por conta da intensa inovação tecnológica ocorrendo no país. Entender o que acontece em outros países é útil tanto para quem pensa em começar a investir no exterior como para estudar melhor a dinâmica das empresas.

Para se ter uma ideia, atualmente a China possui o supercomputador mais rápido do mundo, um mercado de pagamentos digitais 50 vezes maior do que o dos EUA, quatro das dez startups mais valiosas do mundo e é líder na emissão de patentes internacionais, tecnologia 5G, inteligência artificial e Big Data.

Mas como podemos explicar esse boom de tecnologia chinesa? Recentemente, assisti a uma palestra de Keyu Jin sobre inovação na China, na qual ela afirma que, tradicionalmente, existem dois grandes mitos que explicam o crescimento tecnológico chinês: o protecionismo do governo e o grande mercado de trabalho com baixos salários.

Para Keyu, por mais que tais fatores possam ter contribuído, eles não foram os principais motivos. Em vez disso, há três outros grandes fatores. O primeiro deles é a intensa competição, que obriga as empresas a se reinventarem constantemente e os empreendedores a serem resilientes. Para se ter uma ideia, existem mais de 5.000 companhias de compras em grupo, 12.000 plataformas de e-commerce e 6.000 plataformas online de empréstimos peer-to-peer. Imagine a solidez, a qualidade e a vantagem competitiva do modelo de negócio das empresas que prosperam em tal ambiente.

O segundo driver principal foi o fato de a China não carregar nenhum fardo de tradições. Ou seja, por ter estado atrasada, conseguiu ir diretamente para o futuro, sem a necessidade de construir o presente.

Pense assim: em 1990 o aeroporto de Pequim era extremamente ultrapassado. Hoje, a capital se gaba de uma das infraestruturas mais tecnológicas existentes. Agora pense no Aeroporto Internacional John F. Kennedy, em Nova York. Em 1990, era o sinônimo de inovação e, hoje, está atrás de muitos outros.

Esse fenômeno acontece porque, quando você não precisa destruir as coisas antes de construir uma nova, esse processo se torna muito mais fácil. A reestruturação é mais cara e complicada. Pense no próprio ciclo de vida das empresas de capital aberto, que constantemente acabam por conta do surgimento de um novo player tecnológico, mais inovador e focado no consumidor, que a empresa da “velha economia” não possui a capacidade e a cultura para conseguir competir.

Na China, a maioria das pessoas não tiveram acesso ao sistema bancário tradicional. Qual a solução então? Construir um monopólio de grandes bancos ineficientes que cobram grandes taxas de seus consumidores, igual ao Brasil? Obviamente, não. A solução é o futuro! A população chinesa foi direto para o sistema bancário online.

Por fim, o terceiro principal driver para o sucesso chinês é a sua imensa escalabilidade. Estamos falando de 1,4 bilhão de habitantes, cerca de 18% da população mundial. Desses, 904 milhões já possuem acesso à internet, uma taxa de penetração de 64,5%.

Todos esses fatores permitem a ascensão de novos modelos de negócios na China, e que provavelmente serão copiados, posteriormente, pelos americanos.

Um bom exemplo é o WeChat, um super app, que é a combinação de Skype, Whatsapp, PayPal, Facebook, Twitter e jogos para celular. Tudo em uma única plataforma.

Outro exemplo é a Xiaomi (HK:1810), que optou por não focar seus esforços de inovação no hardware, e sim em construir um ecossistema de software e em estratégias de vendas, marketing e delivery novas, mais baratas e eficientes.

Com isso, a empresa chinesa conseguiu construir, por muito tempo, um dos melhores celulares do mundo, com preço menor do que os competidores.

Uma estratégia que acabou não dando muito certo para a empresa foi a tentativa de vender uma série de produtos, fora do setor de smartphones. Foi uma tentativa de prender o consumidor, com os hardwares em sua casa, ao criar custos de troca e oferecer um ecossistema conectado de produtos via Internet das Coisas (IoT).

Para finalizar, as duas imagens abaixo são muito interessantes. A primeira mostra que existem, atualmente, dois polos de tecnologia, que funcionam como se fossem dois mundos diferentes, cada um utilizando suas próprias soluções.

A última, por sua vez, mostra a trajetória das empresas de tecnologia chinesa. Muitas delas começaram como cópias baratas de empresas americanas. Depois, passaram ao estágio de “inspiradas por companhias do Vale do Silício”. Em seguida, podemos ver companhias com inovações próprias e, agora, há aquelas que começam a ser copiadas pelas empresas dos Estados Unidos e do mundo.

.

.

Muitos empreendedores brasileiros buscam soluções americanas para que possam copiá-las e adaptá-las para o Brasil. Sugiro também que busque modelos de negócios chineses, visto que o país é muito mais parecido com o Brasil em relação aos problemas enfrentados e às características da população do que os Estados Unidos.

Warren Buffett possui uma frase com a qual concordo muito: “Não aposte contra a os Estados Unidos”. No entanto, desta vez, prefiro ficar com a de Ray Dalio, que diz que os investidores que desejam estar diversificados nesta corrida – que vale o prêmio de maior potência econômica mundial - devem apostar em ambos os cavalos (Estados Unidos e China).

Tiago Reis

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Edison de Paula Santoro
Edison de Paula Santoro

Concordo plenamente com Tiago Reis sobre a China, passarão o EUA e serão a maior potência econômica em um tempo muito curto. Estão voando na tecnologia. Quem viver verá!!!.edi.   ... (Leia Mais)

26.01.2021 08:40 GMT· Responder
Renan Cesar
Renan Cesar

"Malditos chineses"  ... (Leia Mais)

26.06.2020 12:17 GMT· Responder
George Roubaud
George Roubaud

O preço é que tudo é regulado pelo governo. Podem proibir palavras contrárias ao que o partido comunista chinês quer, bloquear chamadas e até impedir compras online de pessoas com score baixo. Sim, existe um sistema de pontuação de cidadãos na China. Fala mal do governo? Score baixo, fica bloqueado em tudo que o governo regula. Só que o governo regula tudo. Eles tem mais de 1 milhão de Uigurs em campos de trabalho forçado... Enfim, eu amo investimento, dinheiro e etc, mas tem coisas que o dinheiro não compra, como liberdade e paz na consciência. Espero que o mundo se una contra essa ditadura sanguinária.  ... (Leia Mais)

25.06.2020 17:13 GMT· 1 · Responder
Miguel Matias
Miguel Matias

Mais uma aula Tiago! :) Já agora... Xiaomi não é de todo apenas smartphones... Aliás aqui na Europa cresce como empresa de Tech gadgets a uma velocidade incrível. Eu próprio sou um utilizador e "fan boy" da marca. Abraço  ... (Leia Mais)

25.06.2020 15:06 GMT· Responder
Rodrigo Ribeiro
Rodrigo Ribeiro

Obrigado pelo análise Tiago. Reveladora, valeu!  ... (Leia Mais)

25.06.2020 14:46 GMT· Responder
Everton Martins
Everton Martins

Bela análise meu caro.  ... (Leia Mais)

25.06.2020 14:36 GMT· Responder
gabriela holanda
gabriela holanda

👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻  ... (Leia Mais)

25.06.2020 13:26 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.