Entre a Economia e a Saúde Existem Riscos e Incertezas Relevantes a Considerar!

Entre a Economia e a Saúde Existem Riscos e Incertezas Relevantes a Considerar!

Sidnei Nehme  | 08.07.2020 07:37

O Brasil ainda não saiu dos embaraços da crise da pandemia do coronavírus e não adianta as autoridades e até parte do mercado financeiro, demonstrar otimismo excessivo mitigando ou ignorando os riscos presentes decorrentes do vírus ainda em expansão no país, e fortalecendo convicções positivas frágeis em detrimento de incertezas consistentes.

Figurativamente, o Brasil é um país “ainda na UTI e que revela sinais vitais em recuperação, mas que não lhe permitem colocar-se em pé e andar”, então algumas melhoras decorrem simplesmente da mudança do estado preocupante para outro que fomenta esperanças de superação, sem prazo definido, de vez que ainda não se sabe a grandiosidade das sequelas a serem superadas.

Mas, os riscos de recidiva do mal e as incertezas decorrentes não vêm sendo colocadas no radar pelo Banco Central do Brasil, segundo seus próprios diretores, e este é um ponto relevante que fomenta a insegurança e poderá surpreender todo o cenário que vem sendo construído somente com otimismo e sem precaução.

Então, neste estágio, números que sejam revelados pela atividade econômica são mais representativos de reposição de estoques mínimos deteriorados no período mais agudo da crise, mas ainda que expressivos devam ser considerados com a devida cautela.

Naturalmente, há forte ansiedade para que tudo “volte a ser como era”, mas todos sabem que isto não será possível, a crise deixará como legado inúmeras mudanças estruturais e de costumes em todos os campos no país.

As autoridades governamentais cumprem seus papéis gerando mensagens otimistas como privatizações no curto prazo, retomada das reformas imprescindíveis, recuperação da atratividade do país aos investidores estrangeiros, etc..., sem avaliar o espólio que a crise entregará ao país como desemprego, perda de renda, desalento, etc...

Na realidade há muita colocação puramente retórica, basta atentarmos para o “anúncio” do Ministro da Economia sobre “4 ou 5 privatizações ainda este ano” e o desanúncio sequente pelo Presidente da Câmara de que neste ano poderá haver tão somente uma privatização. “Lato sensu” podemos colocar na mesma situação a questão das reformas.

A dicotomia entre economia e saúde persiste sem predominância de convergências e esta realidade coloca em dúvida a assertiva das decisões tomadas neste sentido visando redinamizar a atividade econômica, deixando na margem o risco de possível retrocesso, mas há extrema necessidade desta tentativa visto que o governo federal não dispõe de recursos “ad infinitum” para suprir as necessidades da população menos assistida.

A crise fiscal do governo central é o grande desafio do país, pois afeta a atratividade do mesmo ao capital estrangeiro e pode prejudicar as ambições brasileiras no que tange a atratividade de capitais externos para o programa de privatizações e infraestrutura.

Este ambiente brasileiro não permite que haja tendências, mas sim movimentos sistêmicos e repetitivos por falta de lastro fundamentalista e o que vemos cotidianamente são mutações de comportamento seja da Bovespa, seja do dólar, confirmando a impropriedade de se atestar esta ou aquela tendência.

A percepção é de que tanto câmbio quanto Bovespa vem tendo seus movimentos fomentados por operações puramente de “day trade”, com baixo volume efetivo de negócios.

Mas, entendemos que há uma anomalia relevante no câmbio que precisa de intervenção mais assertiva por parte do Banco Central do Brasil que é a excessiva volatilidade, e, na margem também é preocupante que a autoridade monetária não demonstre no seu radar foco previdente num possível reagravamento da crise do coronavírus, não desejável é verdade, mas nem por isto devendo ser desconsiderado.

Continuamos mantendo a nossa convicção que o dólar tem um intervalo definido de suporte de flutuação no Brasil, qual seja entre a mínima de R$ 5,00 e a máxima de R$ 5,50, dependendo de o ambiente ter sinais benignos ou adversos.

Sidnei Nehme

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Anderson Francisco
Anderson Francisco

A SEGUNDA ONDA ESTÁ CHEGANDO BEM DE LEVE ,O MUNDO ESTÁ QUEBRANDO ,CADA DIA QUE PASSA EMPRESAS E MAIS EMPRESAS FECHAM AS PORTAS,MILHÕES DE PESSOAS MORRENDO PELO VIRUS MORTAL ,500 MILHÕES DE DESEMPREGADOS E POR AI VAI ,NÃO VEJO NADA DE OTIMISMO ,TÁ NA HORA DO SP500 CAIR -99% ,PRA DEPOIS SIM ENTRARMOS COMPRANDO  ... (Leia Mais)

08.07.2020 11:52 GMT· 6 · Responder
Julio Miclos
Julio Miclos

Uma análise médica para a questão econômica! Do ponto de vista da saúde apesar de ser ainda uma incerteza a cura, alguns protocolos de tratamento tem se mostrado bastante efetivos, o que corrobora a diminuição de tempo de internação e a desativação de hospitais de campanha. A disseminação da doença pode ser controlada com boas práticas de higiene e distanciamento social, que na verdade é a grande luta das empresas que tentam manter e ou voltar as suas operações (fábricas, comércios etc). Se ainda há um longo caminho a correr, figurativamente o importante é ver que a subida deste morro está terminando e a tendencia é termos superfícies planas...e o mercado reage a tendências antes dos fatos...  ... (Leia Mais)

08.07.2020 11:25 GMT· Responder
Alexandre Esteves
Alexandre Esteves

PARABÉNS PELA ANÁLISE, OBJETIVA, CLARA, REALISTA E SEM DISTORÇÃO DOS FATOS. INCLUSIVE, ESSE TIPO DE ANÁLISE É RARO SE VER POR AQUI.  ... (Leia Mais)

08.07.2020 11:16 GMT· Responder
Otavio VG
Otavio VG

ta vendido esse  ... (Leia Mais)

08.07.2020 11:16 GMT· Responder
João Carlos Marques de Caires
João Carlos Marques de Caires

Análise muito lúcida. Parabéns !  ... (Leia Mais)

08.07.2020 11:14 GMT· Responder
Rodrig Dantas de Lucas
Rodrig Dantas de Lucas

Finalmente uma análise bem racional.  ... (Leia Mais)

08.07.2020 11:06 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.