Títulos Soberanos Verdes da Europa Ganham Força Apesar da Covid (ou Graças a Ela)

Títulos Soberanos Verdes da Europa Ganham Força Apesar da Covid (ou Graças a Ela)

Investing.com  | 17.11.2020 10:21

Os governos europeus emitirão um volume enorme de títulos verdes nos próximos meses, enquanto os investidores – inclusive bancos centrais – clamam por oportunidades de investimento sustentável.

A UE planeja vender €225 bilhões em títulos verdes nos próximos quatro anos. O Ministro da Economia do Reino Unido, Rishi Sunak, anunciou na semana passada que planeja emitir os primeiros gilts verdes, a fim de manter o status de Londres como centro financeiro de crédito.

O Reino Unido realizará a conferência de mudança climática COP26 no ano que vem, em Glasgow, por isso, fazer com que a cidade se torne um centro de finanças verdes é parte do plano do ministro.

França, Alemanha, Holanda, Hungria, Polônia e Suécia estão entre os 16 países que já emitiram títulos dedicados a projetos de infraestrutura com baixa emissão de carbono ou outros objetivos ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês). A Itália afirma que emitirá seu primeiro título verde no ano que vem.

Ressurgimento da Covid estimula iniciativas sustentáveis?

A emissão de títulos verdes soberanos na Europa totalizou o equivalente a US$ 10,3 bilhões nos primeiros nove meses do ano, de acordo com a Iniciativa de Títulos Climáticos.

O ressurgimento da Covid-19 na Europa pode estar ajudando o mercado de títulos verdes como um moralizante lembrete de que os países precisam investir em sustentabilidade.

A UE leva a sério a parte “verde” dos investimentos verdes e elaborou uma taxonomia do que pode ser considerado nessa categoria, a fim de evitar a tão temida “lavagem verde” entre os fundos e outros emissores que querem bajular os investidores.

A Regulamentação de Taxonomia, proposta inicialmente em 2018, entrou em vigor em julho. Não aborda diretamente os títulos governamentais, mas os governos tendem a seguir os critérios da UE enquanto desenvolvem suas próprias estruturas normativas para títulos verdes.

O título geralmente deve financiar a mitigação da mudança climática ou o uso sustentável da água e recursos marinhos, a promoção de uma economia circular, prevenção ou controle da poluição, ou proteção e restauração da biodiversidade e ecossistemas.

Um problema inicial tem sido a liquidez. A Alemanha, por exemplo, associa sua emissão de títulos verdes aos títulos convencionais, com o mesmo cupom e vencimento. Sua primeira emissão de títulos verdes, de € 6,5 bilhões com vencimento de 10 anos, atraiu € 33 bilhões em ofertas de compra em agosto, permitindo que Berlim reduzisse em um ponto-base o rendimento do seu título convencional (uma economia que os investidores chamaram de “greenium”, ou “prêmio verde”).

Bobl de 5 anos da Alemanha - 300 min.

A Alemanha levantou € 5 bilhões em sua segunda emissão de títulos verdes em 4 de novembro, em um momento não muito favorável, já que os rendimentos dos seus bunds convencionais mergulhavam com as incertezas sobre os resultados eleitorais nos EUA. O Bobl de cinco anos, como são conhecidos os títulos de médio prazo, apresentavam um cupom de 0 e estavam precificados um pouco acima de 104, rendendo -0,83%, quase não encontrando demanda.

Os investidores também criticaram a Alemanha por levantar novos fundos para pagar gastos passados, em vez destiná-los a projetos atuais ou futuros. Berlim deseja estabelecer uma curva de juros completa para seus títulos verdes, e Sunak declarou o mesmo objetivo para o Reino Unido.

A Dinamarca está inovando com um título verde que permite trocá-lo por um título convencional (basicamente um cupom zero com vencimento zero), enquanto o governo continua gastando os recursos com projetos ESG. Com isso, busca manter a liquidez dos títulos de países menores, com menores níveis de endividamento (e um número limitado de projetos ESG).

A França esbanja o título de país com o maior volume de títulos verdes emitidos até agora. Seu papel de 22 anos arrecadou € 7 bilhões em janeiro de 2017. Desde então, vem aumentando suas ofertas, até alcançar € 27,4 bilhões em agosto deste ano.

Não é possível saber se o novo governo americano também fará uso dos títulos verdes, já que os treasuries representam os títulos governamentais mais líquidos da atualidade, apesar do impressionante nível de endividamento de US$ 20 trilhões.

Se o presidente eleito Joseph Biden reingressar no Acordo de Paris, como prometeu, e levar a cabo o plano de gastar US$ 2 trilhões em infraestrutura verde, o mercado de títulos verdes da Europa pode ganhar força.

 

Investing.com

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.