Fique de Olho: Brasil Pharma Perde R$ 1 bi e Sairá do Novo Mercado

Fique de Olho: Brasil Pharma Perde R$ 1 bi e Sairá do Novo Mercado

Angelo Pavini  | 17.11.2017 11:00

Fique de olho: Brasil Pharma (SA:BPHA3) perde R$ 1 bi e sairá do Novo Mercado; locadoras lançam debêntures; Oi (SA:OIBR4) melhora receita

Após prejuízo de R$ 1 bi, Brasil Pharma vai deixar o Novo Mercado

Em meio ao anúncio de um prejuízo de R$ 1,075 bilhão no terceiro trimestre deste ano, a Brasil Pharma, dona das marcas FarMais, BigBen, Drogaria Rosário e Farmácia Santana, comunicou ao mercado que a sua controladora, a americana Lyon Capital, vai promover a saída da empresa do Novo Mercado da B3 (SA:BVMF3), já que não foi possível atender ao patamar mínimo de ações em circulação no mercado. O regulamento prevê que pelo menos 25% das ações da empresa estejam em circulação na bolsa após alguns anos depois da abertura de capital. A Brasil Pharma ainda não divulgou a data da assembleia geral extraordinária para deliberar sobre a saída da empresa do Novo Mercado e os termos do Oferta Pública de Ações (OPA). O Novo Mercado, porém, é o menor dos problemas da Brasil Pharma. A empresa, que registrou prejuízo de R$ 1,456 bilhão nos primeiros nove meses do ano, está com um patrimônio líquido negativo de R$ 1,152 bilhões, reflexo das baixas contábeis dos ativos das redes BigBen e Santana, de R$ 850 milhões. A Brasil Pharma anunciou ainda que foi procurada “por terceiros potencialmente interessados” na compra de seus ativos, mas disse que não há nenhum contrato ou acordo assinado. A empresa cita queda nas vendas, piora nos níveis de capital de giro e perda de crédito junto a fornecedores, e diz que buscará novos créditos com bancos, ou renegociação de créditos com credores, eventuais novos investidores ou vendas de ativos.

SBF/Centauro prepara abertura de capital no Novo Mercado

A SBF, dona das redes de lojas de calçados Centauro e By Tennis, pediu na CVM o registro para uma oferta inicial de ações. Segundo o documento, o pedido de abertura de capital (IPO) envolve permissão para uma venda primária de papéis, de ações novas, cujos recursos iriam para o caixa da empresa. A SBF pretende ter suas ações listadas no Novo Mercado da B3.

Subsidiária da Santos Brasil prorroga concessão

A Convicon, controlada da Santos Brasil, que opera o terminal de contêineres da Vila do Conde, celebrou termo aditivo de contrato de arrendamento com a União, cujo objetivo é a prorrogação antecipada do contrato até 2033. Em contrapartida, a empresa terá que realizar investimentos necessários à ampliação e recuperação do pátio de armazenagem, à reposição e aquisição de equipamentos e à construção de edificações administrativas onde as estimativas totalizam R$ 129,0 milhões de investimentos para a Santos Brasil. A corretora Coinvalores diz que vê com bons olhos a prorrogação antecipada da concessão por meio de investimentos que aumentarão a capacidade operacional da Vila do Conde e deverão proporcionar melhores retornos mais adiante para a companhia.

Locadoras preparam captações de R$ 1,450 bilhão

As empresas de locação de veículos com ações em bolsa Localiza (SA:RENT3), Movida (SA:MOVI3) e Locamérica anunciaram que vão lançar papéis no mercado para investimentos operacionais na expectativa de continuidade do crescimento da demanda no setor em 2018. A Localiza pretende emitir debêntures no montante total de R$ 1,2 bilhão com vencimento final em 2025. A Movida quer levantar R$ 150 milhões por meio de notas promissórias com prazo de dois anos. E a Locamerica (SA:LCAM3) fará a oferta de debêntures em busca de captar R$ 100 milhões com prazo de vencimento em cinco anos. Para a corretora Coinvalores, o contexto atual do setor é favorável para essas captações, pois as empresas têm conseguido crescer suas operações e entregar maior geração de caixa e rentabilidade, além de verem o custo de suas dívidas se reduzirem cada vez mais.

Cemig (SA:CMIG4) diz estar perto de acordo com bancos

Em teleconferência com analistas e investidores, a Cemig anunciou ontem que está perto de concluir uma renegociação com bancos para mudar o perfil de sua dívida, que concentra vencimentos principalmente em 2017, 2018 e 2019, e que a venda de ativos em negociação está próxima de ser fechada. A empresa encerrou setembro com dívida líquida de R$ 12,8 bilhões, equivalente a 6,20 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), contra 3,98 vezes de junho, o que se apresenta como uma situação nada confortável, avalia a Magliano Corretora. O seu plano de desinvestimento prevê a venda de uma fatia na transmissora de energia Taesa (SA:TAEE11) e a conclusão de negociações para a venda da participação da companhia na hidrelétrica de Santo Antônio e na Light (SA:LIGT3). Já na Renova já existe uma proposta vinculante de um aumento de capital da Brookfield, no montante de R$ 1,4 bilhão, que faz com que a Cemig receba um crédito R$ 350 milhões. Os gestores da empresa aguardam que com estas medidas a empresa consiga reduzir o endividamento e voltar para a relação de 2,5 vezes já no ano que vem. A empresa disse que pretende prosseguir com a oferta de subscrição de ações, cujo preço já está no mesmo patamar da B3.

CCR (SA:CCRO3) nega negociação para compra da Invepar

A Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) negou que esteja negociando a compra da Invepar, companhia que detém participações no Metrô do Rio e no aeroporto de Guarulhos, afirmando que as notícias a respeito “não passam de especulação”.

Oi tem geração de caixa maior

As empresas do Grupo Oi, que estão em recuperação judicial com uma dívida de R$ 64,5 bilhões, registraram uma geração de caixa operacional líquida de R$ 182 milhões em setembro, praticamente o triplo do registrado em agosto, quando estas companhias geraram R$ 61 milhões. Segundo as informações divulgadas pelo escritório de advocacia Arnoldo Wald, administrador judicial do processo de recuperação, essa melhora é resultante principalmente da queda dos investimentos em setembro.

Angelo Pavini

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.