Home Office Será um Empecilho para os FII de Laje Corporativa?

Home Office Será um Empecilho para os FII de Laje Corporativa?

Guilherme Carter  | 22.05.2020 16:49

Cenário Atual
 
Com a pandemia da COVID -19, grande parte dos trabalhadores foram impelidos a trabalhar em casa. Deste fato, surge o questionamento sobre como será o mundo corporativo pós COVID-19 e se haverá a necessidade de utilizarmos escritórios como no passado.
 
Essa não é uma pergunta trivial. Em poucos dias as maiores empresas brasileiras conseguiram enviar seus trabalhadores para casa de alguma maneira. A realidade, no entanto, é que nem todos possuem espaço para trabalhar de maneira constante em casa, boa parte das residências não foi desenhada para terem um escritório e a maioria das pessoas estão se adaptando do jeito que dá. Vale dizer, não estamos fazendo home office, no máximo o que estamos fazendo é: “Working from home”.
 
A velocidade da internet é menor, a segurança da informação é pior e não há métodos para mitigar queda de energia.
 
As relações humanas são muito importantes, nada substitui o contato ao vivo e as expressões corporais.
 
O que percebemos analisando a situação atual com a COVID-19 no Brasil, é que essa mudança das relações de trabalho não está sendo trivial e nos parece que há muito chão ainda para que isso se torne uma realidade permanente e de longo prazo.
 
Cenário futuro
 
A proposta antes era colocar mais gente no menor espaço possível, colocaremos menos gente no mesmo espaço.
 
Acreditamos que todos os dias em home office não será a nova realidade, mas muito provavelmente algo como uma ou duas vezes por semana. Além disso, acreditamos que haja uma adaptação no layout dos escritórios corporativos e, consequentemente, uma nova demanda de tipos de projetos, retrofits etc. O consumidor demandará espaços mais modernos com baias de trabalho do tipo “plug & play”, haverá adoção cada vez maior de notebooks ao invés de desktops, ou seja, um espaço com conceito mais dinâmico e menos fixo. Quem já teve a oportunidade de trabalhar em empresas que praticam o home office, sabe que a realidade é bem parecida com a descrita anteriormente.
 
FII de lajes corporativas
 
Atualmente, há 29 fundos imobiliários de lajes corporativas que representam 17,3% de participação no IFIX e um patrimônio de aproximadamente R$15 bilhões.
 
 
Com base em todas as dificuldades e desafios elencados, a nossa visão é que alguns projetos de expansão imobiliária devem ser revisados, mas não acreditamos em uma redução forte de demanda por espaços em lajes corporativas. As empresas entraram na crise com um tamanho de escritório alinhado com o seu tamanho atual. O que deve acontecer são revisões de expansões ao invés de redução de área.
 
Atualmente, temos vacância baixa, algo em torno de 5% nas principais regiões da cidade de São Paulo, o que dificulta a migração de uma empresa de um prédio para outro.
 
Estávamos em um momento muito positivo nos pós crise 2015/16, com fortes revisões de preço de aluguel, algo entre 30% a 40% acima da inflação e acreditamos que novos aumentos devem acontecer, porém em menor intensidade.
 
Conclusão
 
Em nossa visão, os imóveis de qualidade e localizados em regiões premium terão apreciação e/ou manterão seu valor, enquanto imóveis em regiões que estavam se desenvolvendo devem sofrer mais por dependerem da expansão das regiões mais premium que, como mencionado anteriormente, deve ser menor.
 
Autores: Artur Losnak, CFA e Guilherme Carter

Guilherme Carter

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Andre Silva
Andre Silva

O home office aumentará, mas continuará sendo uma exceção. Estamos vivendo uma condição de sobrevievencia e essa ideia mudará com a volta à normalidade.  ... (Leia Mais)

25.05.2020 21:59 GMT· Responder
Andre Silva
Andre Silva

Home Office vai ser mais uma modalidade, mas os escritórios físicos vão continuar. O momento que estamos vivendo é uma realidade bem específica onde a vida está em risco. Quando esse risco não existir a tendência é voltar a normalidade, mesmo que haja uma forma híbrida nas empresas de acordo com as especificidades das atividades, ou circunstâncias etc. o ser humano é um ser social e deve continuar sendo.  ... (Leia Mais)

25.05.2020 21:31 GMT· Responder
Rodolfo Roim
Rodolfo Roim

Ótimo texto, Guilherme. Mas devo discordar da sua visão, em dois aspectos 1) seu ponto de vista sobre o home-office. Você pode sim ter produtividade e segurança da informação trabalhando de casa. Aliás, temos evidências de que os funcionários são mais produtivos trabalhando de casa, em sua maioria. 2) tenho falado com diversos clientes sobre o “pós-covid” e a maioria está sim, considerando desmobilizar escritórios caros, por um modelo mais flexível como o que vc discutiu e isso deve, no curto prazo, causar impacto no índice de vacância das lajes corporativas. Um cliente está considerando desligar um escritório, na Faria Lima, gerando economia de BRL8M por ano.  ... (Leia Mais)

25.05.2020 14:34 GMT· Responder
Leonardo Lamounier
Leonardo Lamounier

Concordo com o texo  ... (Leia Mais)

25.05.2020 01:22 GMT· Responder
Gustavo Costa
Gustavo Costa

A empresa que trabalho alugava uma das mais caras lajes comerciais do sul do Brasil e esta de saída para uma (bem) menor e recem construida... e provavelmente devem ter conseguido uma carencia bem grande para mudar tao rapidamente. A exigencia por espaco corporativo vai despencar de um precipicio, seja por mudancas de habito seja pela maior crise economica da historia que se avizinha.  ... (Leia Mais)

24.05.2020 23:56 GMT· Responder
Fabiano Brasil
Fabiano Brasil

Pra mim os detentores de lajes corporativas terão que reinventar seus espaços físicos pois essa tendência do home office já existia com força no mundo todo. No Brasil que é novato nessa área foi acelerado por causa do covid. Aqui as empresas de controle familiar e/ou nacionais estão vivenciando algo novo que lá fora já é realidade. Menores custos fixos, produtividade maior e colaboradores mais felizes! Todos ganham, impossivel isso dar errado Só quem nao ganha são os FIIs de lajes. FIIs hoje em dia só se for de galpoes logisticos(e-commerce) e/ou fundos de papel. Talvez ainda de shoppings pelo fato desses espacos tambem servire, para lazer. Trabalho em empresa de TI que se adaptou muito bem nessa fase sem a necessidade de enfiar todo mundo dentro de um espaco apertado pela quantidade de funcionarios que tem. Hoje em dia só faz sentido alugar escritorios pequenos para receber clientes para apresentacao de seus produtos e/ou reunioes estrategicas.  ... (Leia Mais)

24.05.2020 00:49 GMT· 1 · Responder
Santiago Taffarel
Santiago Taffarel

Analise completamente distorcida da realidade. Home office vai ser a regra, não a exceção.  ... (Leia Mais)

24.05.2020 00:43 GMT· 1 · Responder
Rodolpho Sousa
Rodolpho Sousa

Eu pulei fora de Lajes corporativas. A minha empresa é uma multi e já anunciou que pretende rever a ocupação dela, reduzindo de 30% a 50% o espaço locado. Dependendo da empresa, mesmo pagando multa pela entrega antecipada, a redução do custo e despesas pode compensar muito. Acredito que haverá forte renegociação no setor e reduções de aluguéis como um todo. O Yield do setor atualmente está ainda alto pois as cotas caíram muito e estão negociando com P/VPA baixo. Acredito que o mercado esteja considerando o cenário oposto ao seu.  ... (Leia Mais)

23.05.2020 20:27 GMT· Responder
João Pinto da Fonseca Filho
João Pinto da Fonseca Filho

Será que as empresas não estão percebendo que conseguem entregar o mesmo que conseguiam e com um menor custo? venho conversando com muitas pessoas e a impressão é justamente o contrário do que você coloca. acho que a tendência é a empresa ter uma base porém com poucas posições pra que o funcionário à utilize qdo necessário.  ... (Leia Mais)

23.05.2020 20:07 GMT· Responder
Alexandre Mascarenhas
Alexandre Mascarenhas

Está completamente enganado!  ... (Leia Mais)

23.05.2020 17:52 GMT· Responder
Ginez Romero júnior
Ginez Romero júnior

fii de Office acabou  ... (Leia Mais)

23.05.2020 16:56 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.