Guerras no Streaming: Entenda Por que a Netflix Perderá para a Concorrência

Guerras no Streaming: Entenda Por que a Netflix Perderá para a Concorrência

Investing.com  | 25.09.2019 10:06

Quem se lembra da Blockbuster? Para os mais jovens que não reconhecem esse nome, a antiga rede de lojas de aluguel de vídeos, que chegou a ter suas ações negociadas na bolsa americana, brilhou na década de 1990 e início dos anos 2000. No seu auge, a Blockbuster chegou a ter mais de 900 lojas, dominando esse segmento da indústria de entretenimento. Durante certo tempo, ela parecia ser imbatível.

A partir de 1997, no entanto, a Netflix (NASDAQ:NFLX) silenciosamente começou a demolir o modelo de distribuição física da Blockbuster, oferecendo um serviço de aluguel de vídeos melhor. Desde então, a toda poderosa Blockbuster começou a ser liquidada e hoje possui apenas uma loja na cidade americana de Bend, no Oregon.

Desde que iniciou o streaming de vídeos em 2007, a Netflix não parou de crescer. Na última década, só deu ela no segmento. Depois de 2007, a Netflix acabou se tornando uma empresa de US$ 116 bilhões. Sua receita cresceu de US$ 1,2 bilhão naquele ano para US$ 15,7 bilhões em 2018, um salto de 1200%.

Netflix Mensal 2007-2019

Mas tirar a Blockbuster de jogo não foi tudo. Nos últimos anos, além do simples aluguel de vídeos, a Netflix passou a criar suas próprias produções – uma aposta de alto risco/retorno, acreditando que o conteúdo original atrairia novos assinantes e manteria o público atual engajado. O lado negativo? Os enormes custos envolvidos na produção desse conteúdo. Mesmo assim, todo esse esforço e investimento posicionaram a Netflix como líder do setor e a transformaram em uma potência imbatível no streaming... Até agora.

Mas a concorrência está aumentando, e a Netflix encontra-se muito mais vulnerável do que mostram os fundamentos superficiais.

O problema do endividamento crescente

O predomínio da Netflix no setor nunca foi impulsionado por seus lucros. A empresa se beneficiou do seu pioneirismo e investiu agressivamente para manter essa liderança. Além disso, a concorrência ficou esparsa por um bom tempo.

Embora a Netflix venha apresentado lucro há uma década, o ano de 2018 foi o primeiro em que ele superou US$ 1 bilhão. O foco principal da empresa sempre foi aumentar o número de usuários.

Os demonstrativos de fluxo de caixa da Netflix (NASDAQ:NFLX) contam a história verdadeira: nos últimos quatro anos, a empresa sediada na Califórnia já perdeu US$ 6,6 bilhões em operações. Isso está diretamente relacionado ao fato de que produzir, criar e licenciar conteúdo é um empreendimento caro. Requer tempo, perícia, equipamento e quadro funcional significativo, entre outros aspectos.

Por exemplo, estima-se que cada um dos seis episódios da temporada final de Game of Thrones tenha custado à HBO cerca de US$ 15 milhões. Adicione a isso o apetite insaciável dos consumidores por conteúdos cada vez mais novos e de alta qualidade, e o ciclo de gastos rapidamente se torna infinito, algo que fica patente nos relatórios financeiros da Netflix.

Mas como é que uma empresa que apresenta um prejuízo operacional de US$ 6,6 bilhões em quatro anos ainda continua de pé? A resposta é simples, mas muito arriscada: dívidas, muitas dívidas.

A Netflix conseguiu se endividar a uma taxa impressionante: ela aumentou sua dívida em US$ 9,5 bilhões nos últimos quatro anos para financiar sua operação. O problema, para deixar claro, não é a dívida em si. Alavancar ativos para fazer mais dinheiro é uma estratégia que as empresas usam para crescer. E Wall Street não se importa em financiar uma empresa que queime caixa, desde que ela continue crescendo. No entanto, quando os clientes começam a assinar outros serviços, é aí que os problemas da Netflix aparecem.

Guerras no streaming

No final de 2007, a Netflix tinha 7,5 milhões de assinantes. De acordo com seu último balanço, a empresa contava com 151 milhões de assinantes no segundo trimestre de 2019. Sem dúvida é possível dizer que a Netflix se saiu bem como único grande player no setor. Uma grande série de mudanças concorrenciais, no entanto, pode gerar os primeiros tremores de terra, sinalizando um abalo sísmico de grandes proporções que acabará com esse predomínio da empresa.

Primeiramente, no último trimestre a Netflix perdeu 130 mil assinantes nos EUA. Só isso já seria um sinal de alerta vermelho para qualquer empresa excessivamente endividada.

Em seguida, basta considerar a avalanche de novas ofertas programas para o próximo ano, cada uma lutando pelos clientes da Netflix: o Disney+ (NYSE:DIS) deve ser lançado em novembro; o Apple TV (NASDAQ:AAPL) está programado para entrar em operação em novembro também; o serviço de streaming HBO Max, da WarnerMedia, pertencente à AT&T (NYSE:T), já está em fase de testes; e a NBC (NASDAQ:CMCSA) anunciou recentemente que está desenvolvendo o Peacock, seu próprio serviço de streaming.

Considere ainda o conjunto de serviços de streaming já existentes, como Hulu, HBO Go e Amazon Prime (NASDAQ:AMZN). Sem dúvida, alguém sairá perdendo nessa história por causa do ambiente competitivo. E isso acontecerá antes dos passos que alguns dos novos serviços estão dando para derrubar os concorrentes.

A assinatura padrão da Netflix custa US$ 12,99. A Disney definiu o preço da sua oferta em US$ 6,99, o que abalou o mercado inicialmente. Então a Apple lançou o Apple TV por US$ 4,99, mais barato que os mais baratos.

Pelo que sabemos do modelo de negócios da Netflix, esses preços não são lucrativos nem para a Disney nem para a Apple. A taxa de US$ 12,99 da Netflix foi definida depois que a empresa percebeu que preços menores eram insustentáveis, principalmente para uma empresa movida por dívidas, em vez das próprias operações.

É justamente a dívida operacional que explica por que a Netflix estará no lado perdedor das guerras do streaming. Tanto a Disney quanto a Apple estão nadando em dinheiro. Em 2018, a Disney apurou um lucro operacional de US$ 14 bilhões, enquanto a Apple fez impressionantes US$ 77 bilhões.

Com números como esses, ambas as empresas podem se dar ao luxo de operar com prejuízo no streaming, durante anos se quiserem. A Apple talvez possa fazer isso para sempre.

Por outro lado, a Netflix terá que reduzir drasticamente sua escala ou confiar mais uma vez no financiamento de Wall Street, mesmo com os investidores ficando cada vez mais pessimistas com a empresa a cada assinante que deixa seu serviço.

Os concorrentes também estão usando seus recursos financeiros para roubar programas consagrados na Netflix. Friends, a série mais popular da Netflix, mudará para o HBO Max em 2020. The Big Bang Theory, outro sucesso, também pode mudar para o HBO Max. The Office sairá em 2020 e será oferecido no serviço da NBC. Para responder a isso, a Netflix acaba de licenciar Seinfeld por US$ 500 milhões.

Mesmo assim, não importa o que fizer, a Netflix continuará de mãos atadas por causa das suas finanças, enquanto vários concorrentes não enfrentam esse problema. Isso fará toda a diferença para determinar quem finalmente vencerá essas guerras no streaming.

Investing.com

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Augusto Vargas
Augusto Vargas

acho que o artigo quis dizer que game of throner ficou muito caro, mas não é Netflix!!!   ... (Leia Mais)

26.09.2019 12:33 GMT· Responder
Thiago Nogueira
Thiago Nogueira

Netflix sangrará sem dúvida. Mas uma vez que isso aconteça eu comprarei e muito. Ela e diminuirá no início da concorrência, mas pelos programas originais acho que ela se manterá competitiva. Acho que a Apple tem mais chance de ser bem sucedida no Arcade do que na Apple TV. Se for para algum serviço de streaming morrer, creia que não será Netflix, nem Disney, nem Amazon. Os outros talvez... Mas creio que, em verdade, haverá grande chances de novas fusões nas próximas décadas.  ... (Leia Mais)

26.09.2019 11:15 GMT· 1 · Responder
Oberdan Campelo
Oberdan Campelo

do coorporativo para a vida pessoa física vejo profundas semelhanças kkkk  ... (Leia Mais)

26.09.2019 11:03 GMT· Responder
Maximiliano Alves
Maximiliano Alves

Eu particularmente gosto bastante do conteúdo original da Netflix, mas realmente talvez não esteja trazendo o retorno financeiro esperado pela empresa, que está perdendo assinantes. As últimas produções que me fizeram ficar na Netflix foi o filme Roma e a série Merli; de resto, o conteúdo está muito fraco realmente.  ... (Leia Mais)

26.09.2019 09:36 GMT· Responder
Andrey Lucas
Andrey Lucas

Vale ressaltar que a vantagem de usar Apple TV, de graça, é que ele é um hub dos demais serviços de streaming. O Apple TV+ tem 5 shows originais e bem medíocres. Por enquanto não é um concorrente.   ... (Leia Mais)

26.09.2019 03:01 GMT· Responder
Marcelo Rodrigues
Marcelo Rodrigues

"All That Is Solid Melts into Air" Marshall Berman  ... (Leia Mais)

26.09.2019 01:33 GMT· Responder
Marcelo Rodrigues
Marcelo Rodrigues

"All That Is Solid Melts into Air" Marshall Berman  ... (Leia Mais)

26.09.2019 01:33 GMT· Responder
Fabao Bueno
Fabao Bueno

Haverá "expurgo" para diversos streamings, natural e saudável, é possível que a Netflix tenha que rever seu modelo e se reinventar.  ... (Leia Mais)

26.09.2019 01:30 GMT· Responder
Fabao Bueno
Fabao Bueno

Haverá "expurgo" para diversos streamings, natural e saudável, é possível que a Netflix tenha que rever seu modelo e se reinventar.  ... (Leia Mais)

26.09.2019 01:30 GMT· Responder
Vinicius Laruccia
Vinicius Laruccia

parei de ler a hora que falou que GOT é da Netflix... só pra informar que é da HBO viu? ai o artigo perdeu totalmente a credibilidade pra mim... apesar de a Netflix estar sim numa sinuca de bico e a guerra de conteúdo com Amazon, HBO e Disney+ será cruel... veremos  ... (Leia Mais)

26.09.2019 01:12 GMT· Responder
Ka Karika
Ka Karika

Ficar dando exemplo aleatório, de custo de outras empresas em uma reportagem direcionada a uma empresa específica, não vira!   ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:28 GMT· Responder
Francisco Schmidt
Francisco Schmidt

Friends tem no catálogo. As outras duas acho que não.  ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:28 GMT· Responder
Ka Karika
Ka Karika

Friends , The Big Bang Theory, Game of Throne não são da NetFlix.   ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:24 GMT· 1 · Responder
Gabriel Silva
Gabriel Silva

Eu divido uma assinatura da Netflix, funciona, mas não tem a maioria do conteúdo que eu gostaria de ver, confesso que só tenho interesse, atualmente, em Black mirror, sempre que procuro algo, nunca tem na Netflix. O último caso foi o filme "o lobo do wallstreet", que já teve no passado...  ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:15 GMT· Responder
Dyarle De Oliveira Costa
Dyarle De Oliveira Costa

sim, mas como ela não tem sua própria plataforma, ela cede os direitos para a Netflix, acredito que guando ela for independente vai querer ter exclusividade ou monopólio de sua produção  ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:15 GMT· Responder
Thiago Correia
Thiago Correia

Argumentos fracos! O conteúdo de algumas empresas concorrentes nem foi lançado ainda e já está julgando que é melhor que a Netflix. Preços ainda acessíveis para os clienres possuirem mais de uma assinatura. E essa pérola: "Com números como esses, ambas as empresas podem se dar ao luxo de operar com prejuízo no streaming, durante anos se quiserem. A Apple talvez possa fazer isso para sempre."   ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:09 GMT· Responder
Gildeilson Almeida
Gildeilson Almeida

parabéns, artigo muito bem escrito. Esclarecedor.  ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:06 GMT· Responder
Antonio Carlos Amorim
Antonio Carlos Amorim

Game of Thrones é da HBO. Não tem nada a ver com a Netflix!  ... (Leia Mais)

26.09.2019 00:01 GMT· 2 · Responder
Patrick Viana
Patrick Viana

Eu tinha cancelado a NetFlix por ela boicotar uma cidade,em q gravava e gerava renda local,pq a cidade aprovou uma lei dificultando o aborto...q ela é a favor.Hj estou com o Amazon Prime,pago 8 conto e posso ver em varias telas ao msm tempo,coisa q no Netflix era bem mais caro.  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:42 GMT· 2 · Responder
EDG Gomes
EDG Gomes

Não foi informado que Game of Trones era da Netflix. . . . E sim como uma exemplo que, atualmente: produzir, criar e licenciar conteúdo é um empreendimento caro. . . . Explicando as causas do endividamento da Netflix e como, segundo o artigo, ela perderá a "guerra dos streaming", pois como já encontra-se endividada, não conseguirá produzir vultuosas produções, que parecem ser a tendência, ou licenciar os sucessos mundiais.  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:33 GMT· 1 · Responder
André Barbosa
André Barbosa

bom é que ao invés de termos uns 2 serviços de streaming com várias excelentes opções teremos 7-8 para poder assistir o que era fácil e bom. cada streaming custando por baixo 15,00 ou vintão é um chuveiro no bolso...  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:18 GMT· Responder
André Barbosa
André Barbosa

bom é que ao invés de termos uns 2 serviços de streaming com várias excelentes opções teremos 7-8 para poder assistir o que era fácil e bom. cada streaming custando por baixo 15,00 ou vintão é um chuveiro no bolso...  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:18 GMT· Responder
Sandro Souza
Sandro Souza

Ficou estranho citar Game of Thrones já que quem produziu foi a HBO  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:10 GMT· 1 · Responder
Fernando Ferreira
Fernando Ferreira

Boa analise. Com 4 telas simultâneas eu mesmo, uso no racha ...Menos 3 clientes rsrs ...  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:10 GMT· Responder
Sandro Souza
Sandro Souza

Ficou estranho citar Game of Thrones já que quem produziu foi a HBO  ... (Leia Mais)

25.09.2019 23:09 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App