Entenda Por Que as Ações de Grandes Petrolíferas Ainda Estão em Perigo

Entenda Por Que as Ações de Grandes Petrolíferas Ainda Estão em Perigo

Investing.com  | 08.07.2020 09:40

Depois da forte recuperação dos mercados financeiros desde a mínima de março, os investidores não têm muitas opções para apostar em um grande movimento de alta. Mas existe um setor que continua para trás, e é o de energia.

VDE Semanal

O fundo de índice Vanguard Energy (NYSE:VDE) – que possui, entre suas 10 principais participações, a Exxon Mobil (NYSE:XOM), a Chevron (NYSE:CVX) e a Phillips 66 (NYSE:PSX) – ainda registra queda de 40% no ano, mesmo após o S&P 500 já ter recuperado praticamente todas as perdas desde a liquidação de março.

A última tendência nos mercados de petróleo sugere que as ações de energia já devem ter passado pelo pior da pandemia, uma vez que a demanda petrolífera está aumentando lentamente, impulsionada pelos cortes de produção da Opep+ e a reabertura das economias de diversos países após as medidas de confinamento geradas pela Covid-19, reativando a produção industrial e trazendo de volta os carros para as ruas.

De acordo com uma reportagem recente, a demanda petrolífera na China já voltou para os níveis vistos antes de Pequim impor o lockdown nacional para combater o surto inicial de coronavírus. Como a China é a segunda maior consumidora mundial de petróleo, atrás apenas dos EUA, a rápida recuperação do país ajudou a restringir a oferta no mercado petrolífero mais cedo do que se esperava.

O barril de West Texas Intermediate, que chegou a entrar em território negativo em abril, estava sendo cotado pouco acima de US$40 recentemente.

Recuperação desigual

Apesar do repique nos mercados de petróleo, existem duas razões possíveis para os investidores continuarem receosos com o setor. A primeira é que o mercado de energia ainda não está totalmente fora de perigo. Em muitos países, a primeira onda da pandemia continua acelerando. Os casos de coronavírus estão subindo em partes do Sul e do Oeste dos EUA, mesmo com alguns estados aumentando as restrições. Na Índia, o número de mortes ultrapassou 20.000, enquanto o subcontinente luta para conter a pandemia.

Também há a ameaça do surgimento de uma segunda onda viral, além dos danos registrados no crescimento econômico, o que acabou gerando essa recuperação desigual nos mercados petrolíferos. A demanda de gasolina conduziu esse repique, à medida que as pessoas optaram por dirigir seus carros próprios para evitar o transporte público, mas a demanda dos setores industrial e de aviação ainda está baixa.

O diesel, combustível mais ligado aos ciclos dos negócios, já que abastece a atividade da indústria e o transporte de frete, apresenta demanda fraca, na medida em que a economia mundial continua enfrentando pressões recessivas. E a demanda por combustível de aviação também continua tão deprimida quanto estava durante o pico da pandemia de coronavírus.

Dividendos em perigo

Se a incerteza econômica não fosse razão suficiente para ficar de fora das ações de energia, existe um perigo adicional para os investidores de longo prazo: a incerteza em relação à sustentabilidade dos dividendos do setor. A forte queda dos preços do petróleo no primeiro trimestre obrigou os maiores produtores de óleo e gás nos EUA a congelar ou reduzir seus proventos.

Em abril, a Royal Dutch Shell (NYSE:RDSa) cortou seus dividendos trimestrais pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, reduzindo-os em 66% para US$ 0,32 por ação. Ao mesmo tempo, a prestadora de serviços a campos petrolíferos Schlumberger (NYSE:SLB) reduziu seus dividendos em 75%, seu primeiro corte em pelo menos quatro décadas. A empresa de serviços de óleo e gás Halliburton (NYSE:HAL) deixou claro que, por enquanto, evitaria cortar seus proventos, mas afirmou que não hesitaria em fazê-lo caso necessário.

XOM Semanal TTM

A Exxon e a Chevron estão entre as grandes empresas de energia que até agora evitaram cortar seus proventos, mas essa situação pode mudar se o mundo enfrentar outra queda de demanda ou se a restrição de oferta promovida pela Opep+ não for suficiente.

A Exxon alertou os investidores na semana passada que deve registrar o segundo prejuízo trimestral seguido quando divulgar seus resultados para o 2T2020 na sexta-feira, 31 de julho, antes da abertura.

A queda dos preços no setor de óleo e gás deve afetar os lucros de produção em cerca de US$ 2,5 a 3,1 bilhões em comparação com o primeiro trimestre, declarou a produtora em um informe regulatório. Essa unidade apurou lucrou de US$ 536 milhões no primeiro trimestre.

A Exxon espera que as margens mais apertadas na produção de combustíveis, como gasolina e diesel, bem como os custos mais elevados de transporte do petróleo bruto ao redor da América do Norte, reduzirão os lucros da atividade de refino em cerca de US$ 800 milhões, para US$ 1,2 bilhão, em relação ao trimestre anterior. A unidade de refino reportou um prejuízo de US$ 611 milhões no primeiro trimestre. As ações da Exxon fecharam o pregão de terça-feira cotadas a US$ 43,24, uma queda de 2,59% no dia.

Resumo

As ações do setor de petróleo, em nossa visão, não oferecem qualquer atrativo no atual ambiente econômico. Seus lucros estão caindo e seus dividendos estão sob ameaça.

Essas empresas estão mais expostas a eventos negativos, como a sobreoferta de petróleo, gás natural e gás natural liquefeito. Tal situação não deve mudar enquanto a pandemia continuar acelerando e o sentimento não mudar em relação aos combustíveis fósseis.

Investing.com

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Carlos Eduardo
Carlos Eduardo

Fico pensando se a demanda geral por petróleo não pode ser afetada no longo prazo pela mudança de comportamento dos consumidores, com menos viagens de avião, menos reuniões presenciais, mais home office e menos deslocamentos físicos. Outro fator para avaliar é se, com o aumento dos custos do refino, a estratégia da Petrobrás não foi premiada, sendo menos impactada que suas concorrentes.  ... (Leia Mais)

08.07.2020 21:17 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.