Mercado Aciona Modo Risk-Off

Mercado Aciona Modo Risk-Off

Olivia Bulla  | 15.05.2018 08:27

O mercado financeiro não conseguiu manter por muito tempo um rali de alívio (relief rally) entre os ativos e o investidor parece mais disposto em sair do risco, acionando o modorisk-off. As preocupações em torno das questões comerciais, geopolíticas e em relação ao crescimento econômico global deprimem as bolsas, com os índices futuros das bolsas de Nova York no vermelho, ao mesmo tempo em que o juro projetado pelo título norte-americano de 10 anos (T-Note) volta a superar a marca de 3%, ao passo que o dólar avança. Tal movimento tende a pressionar ainda mais os ativos emergentes, diante dos receios crescentes envolvendo Argentina, Turquia, México - e também o Brasil.

O mercado doméstico não gostou nem um pouco dos números mais recentes sobre a corrida presidencial no Brasil. Além do principal candidato de esquerda, Ciro Gomes (PDT), ter crescido na pesquisa CNT/MDA, pesou o fato de o nome preferido do investidor, o tucano Geraldo Alckmin, seguir sem dar sinais de que irá decolar nas intenções de votos.

Para o investidor, o candidato do PSDB é o que mais apresenta um viés reformista, defensor de uma ampla agenda de reformas estruturais, e também fiscalista, intensificando o ajuste das contas públicas. Na liderança, permanece o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo preso. Em um cenário sem o líder petista, o deputado Jair Bolsonaro aparece na frente.

Mas não é somente o cenário eleitoral no país que está turvo. A piora nas previsões para o crescimento econômico e a taxa de câmbio neste ano mostra um tom mais pessimista, o que levou o mercado doméstico a desafiar o Banco Central na sua intenção de cortar a taxa básica de juros em mais 0,25 ponto, amanhã.

O investidor resolveu testar a disposição do BC na intervenção no câmbio, ao mesmo tempo em que questiona os próximos passos da autoridade monetária na condução da Selic. Com isso, o dólar flertou com a marca de R$ 3,64 durante a sessão de ontem, encerrando o dia no maior nível em mais de dois anos, ao passo que a chance de queda do juro básico caiu a 65%.

A reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) começa hoje e, após a sinalização do presidente do BC, Ilan Goldfajn, de que o repasse da pressão cambial à inflação tende a ser baixo, a perspectiva ainda é de que a Selic irá renovar o piso histórico a 6,25% ao ano. As expectativas de inflação ainda ancoradas e a inflação corrente ainda baixa justificam a queda.

Com isso, a expectativa do mercado financeiro reside na possível indicação do Comitê quanto à interrupção do ciclo de queda da taxa básica a partir do próximo encontro, em junho. A previsão é de que a Selic fique estável até o fim deste ano, sendo que em 2019 começa um processo de reversão de tendência, com o juro básico voltando a subir.

Já no exterior, a postura do presidente Donald Trump mostra certa disposição dos Estados Unidos em renegociar acordos, revendo decisões que podem ser prejudiciais à economia norte-americana. Ainda assim, a disputa comercial entre EUA e China, a violência no Oriente Médio e as preocupações com o crescimento global ajudam a consolidar o sentimento de risk-off no mercado financeiro.

Mas a onda vendedora (selloff) nos negócios hoje começou entre os bônus europeus, após comentários mais duros (“hawkish”) vindo de autoridades do Banco Central da zona do euro (BCE), o que acabou pressionando os negócios na Ásia e também em Wall Street. Um aumento no rendimento (yield) dos títulos combinado com um dólar mais forte e bolsas mais fracas estão se tornando uma mistura familiar e desconfortável aos investidores.

Como pano de fundo, estão os dados mistos sobre a atividade na China, que confirmam uma economia já em desaceleração gradual. A produção industrial chinesa cresceu 7% em abril, em relação a um ano antes, mais que a previsão de alta de 6,4% e ganhando ritmo frente ao aumento de 6% em março. Já as vendas no varejo do país desaceleram a 9,4%, crescendo menos que a estimativa de 10% e que a alta de 10,1% em março, ao passo que os investimentos em ativos fixos avançaram 7% no acumulado de 2018, ante projeção de +7,4%.

A agenda econômica do dia no exterior divide as atenções entre os dados de atividade nos EUA e na zona do euro. Logo cedo, sai o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) na região da moeda única no acumulado dos três primeiros meses de 2018. Também será conhecido o índice de sentimento econômico na Alemanha e em todos os 19 países do bloco comum.

Do outro lado do Atlântico Norte, destaque para os dados das vendas no varejo norte-americano em abril e para o índice regional da indústria em Nova York, ambos às 9h30. Depois, às 11h, é a vez dos estoques das empresas dos EUA em março e também do índice de confiança no setor da construção civil neste mês.

À tarde, às 17h, sai o fluxo de capital estrangeiro nos EUA em março. No fim do dia, o Japão divulga a leitura preliminar do PIB do país entre janeiro e março. Já no calendário doméstico desta terça-feira, destaque apenas para o desempenho do setor de serviços (9h), que deve ter seguido fraco em março, prejudicando o resultado do PIB brasileiro no início deste ano.

Olivia Bulla

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Marttinez Martins
Marttinez Martins

Parabéns Olívia ótima análise. Te desejo muito sucesso aqui no investing.  ... (Leia Mais)

15.05.2018 14:04 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+