Mercado Frenético Com Curto-Circuito Político

Mercado Frenético Com Curto-Circuito Político

Olivia Bulla  | 29.08.2018 09:12

Uma nova pesquisa eleitoral, a do DataPoder360, será divulgada antes da abertura do pregão, e tende a manter a volatilidade no mercado financeiro brasileiro, com a renovada cautela com a cena política colocando em segundo plano o ambiente mais calmo no exterior. À noite, é a vez de Geraldo Alckmin ser entrevistado no Jornal Nacional.

Ontem, na bancada da TV Globo, Jair Bolsonaro entrou em temas polêmicos, como homofobia, sem evitar controvérsias, seja quando falou sobre a desigualdade salarial de gênero ou quando defendeu a violência policial. O deputado também voltou a defender a retirada de (mais) direitos trabalhistas como forma de garantir empregos.

Ainda assim, a exposição dos candidatos na tela da TV tem ajudado pouco sobre as propostas de governo a partir de 2019. Por isso, o foco dos investidores está no início do horário político, apostando que a campanha eleitoral gratuita em cadeia nacional pode alterar a atual composição dos candidatos na disputa pela Presidência.

O levantamento feito pelo site Poder360 ainda não deve trazer novidades, repetindo o cenário anterior, com o candidato do PSL à frente, seguido por Ciro Gomes, Alckmin, Marina Silva e Fernando Haddad. Apesar de ter a candidatura registrada na Justiça Eleitoral (TSE), a pesquisa não apresenta o ex-presidente Lula como candidato e é aplicada por telefone.

Sem mudanças no quadro eleitoral, o sobe-e-desce no mercado financeiro brasileiro tende a continuar, com os negócios locais semelhantes a um “termômetro frenético”, em meio ao curto-circuito político no país. A expectativa é de que as incertezas sobre as eleições comecem a se dissipar com a campanha na TV.

Por ora, é interessante notar que a ausência de novidades sobre a corrida presidencial e a disputa totalmente em aberto têm reduzido o volume negociado no mercado financeiro brasileiro, com os investidores sustentando suas posições e diminuindo a exposição ao risco. Ou seja, a cautela com o cenário eleitoral tem influenciado em um nível de liquidez menor, o que contribui para maiores distorções nos ativos.

Esse mote deve persistir até que surjam novidades sobre a campanha. A expectativa é em relação às próximas pesquisas eleitorais que serão divulgadas após o início do horário eleitoral gratuito na TV, a partir de sábado para os candidatos presidenciáveis.

Alckmin ainda é tido como o preferido do mercado, mas não conseguiu até o momento decolar entre as intenções de voto. Ao mesmo tempo, a possibilidade de um segundo turno entre “candidatos extremos”, do PT e do PSL, sustentam o dólar acima de R$ 4,00 bem como a chance de alta na taxa básica de juros em setembro.

Aliás, hoje, a moeda norte-americana pode ter algum alívio, um dia após fechar no segundo maior valor desde o início do Plano Real, atrás apenas da cotação recorde apurada em 21 de janeiro de 2016. O Banco Central anunciou ontem à noite que ofertará até US$ 2,15 bilhões em uma operação de venda com compromisso de recompra (leilão de linha), a fim de segurar a alta da moeda.

A ideia do BC é rolar os contratos futuros em dólar que vencem em setembro para 5 de novembro e 4 de dezembro deste ano. Lá fora, a moeda norte-americana está estável em relação aos rivais, medindo forças frente ao euro e a libra esterlina, enquanto o iene recua. Já o dólar canadense sobe, com relatos sobre um acordo comercial com os Estados Unidos, enquanto o dólar australiano cai, em meio à frustração quanto a um aperto dos juros no país.

Entre as bolsas, as praças europeias tentam seguir o sinal marginalmente positivo vindo de Nova York, mas são penalizadas pelas perdas em Londres, diante do impasse em relação à saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Os bônus europeus são pressionados por relatos de que a Itália pode ter de pedir ajuda financeira. Na Ásia, a sessão foi mista, com os investidores à espera do próximo passo da China na guerra comercial.

O grande destaque da agenda econômica desta quarta-feira fica com a leitura revisada do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no segundo trimestre deste ano. A previsão é de que seja repetida a taxa de expansão de 4,1%, em termos anualizados, mostrando todo o vigor da economia norte-americana até meados de 2018.

Ainda assim, não se tratam de sinais de superaquecimento, o que tende a manter o plano de voo do Federal Reserve, de elevar a taxa de juros mais duas vezes neste ano. Os números atualizados do PIB saem às 9h30. Depois, têm as vendas pendentes de imóveis residenciais em julho (11h) e os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (11h30).

No Brasil, o calendário está carregado, porém, sem destaques. Pela manhã, saem a confiança do setor de serviços em agosto (8h) e o índice de preços ao produtor em julho (9h). Depois, é a vez dos dados do Banco Central sobre as operações de crédito no mês passado (10h30) e sobre a entrada e saída de dólares do país até a sexta-feira passada (12h30).

Olivia Bulla

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App