Moedas Digitais Emitidas por Estados: Modernização em Troca da Sua Liberdade

Moedas Digitais Emitidas por Estados: Modernização em Troca da Sua Liberdade

Paulo Fiorio  | 08.11.2019 09:34

A corrida pela emissão de moedas digitais por bancos centrais (CBDC) vem ganhando destaque nos últimos anos e já aponta um vencedor — várias destas instituições ao redor do mundo estão desenvolvendo projetos com o intuito de criar a versão digital de suas moedas nacionais. Neles são medidos os impactos que essa inovação pode causar no sistema financeiro tradicional e, conforme os esforços evoluem, fica cada vez mais evidente que os primeiros resultados serão uma realidade em um futuro próximo. Os indícios são numerosos.

Confirmando a estratégia chinesa para buscar a digitalização e internacionalização de sua moeda, Huang Qifan, vice-diretor do Centro de Intercâmbio Econômico Internacional do país, afirmou na semana passada que o RMBD digital deve ser lançado em breve. Essa declaração se soma aos recentes apelos do Bankenverband — associação de 200 bancos alemães — para que o Banco Central Europeu considere a emissão de Euro também em forma digital.

Além desses casos, outros bancos centrais estão desenvolvendo suas moedas digitais: no Uruguai, a instituição se dedica ao projeto desde 2017; no Reino Unido, o Banco da Inglaterra também trabalha na versão digital da Libra Esterlina; já na Suécia, o Riksbank estuda o lançamento da E-krona há vários anos.

Por que este movimento tem ganhado força? De modo geral, os BCs do mundo todo são obrigados a inovar para se manter no controle econômico em um cenário que apresenta ameaças. Alguns exemplos são as moedas privadas (como a Libra, do Facebook), as criptomoedas, a internacionalização das moedas antes vistas como apenas nacionais (sob o efeito de dolarização da economia), as facilidades na fuga de capitais e as guerras cambiais.

No entanto, em muitos casos, a emissão de moedas nacionais digitais significaria a restrição da liberdade dos cidadãos: o poder socioeconômico que os BCs teriam é alarmante e digno de ficção científica. Em um sistema fechado, com poucos intermediários e com o total domínio sobre o dinheiro, o governo teria dados que acabariam com a privacidade dos indivíduos. Seria possível, por exemplo, verificar hábitos de consumo de seus cidadãos — o que representa quebra de anonimato —, forçar o pagamento de impostos por uma espécie de débito automático na carteira virtual, bloquear o consumo de determinado produto ou serviço para algum cidadão e, ainda, excluir pessoas da economia popular, bloqueando carteiras virtuais de dissidentes políticos e críticos ao governo.

Evidentemente, as vantagens de uma moeda virtual garantida pelo Estado também existem. A principal delas seria a inclusão financeira de milhões de desbancarizados à economia, somada a benefícios como mais dinâmica e rapidez para transferências de valores e a redução da burocracias e taxas. No entanto, estes me parecem ganhos pequenos se comparados ao custo da perda de liberdade individual.

Vários países vêm discutindo e aprovando leis que proíbem o uso de dinheiro em espécie para transações de médio valor (Brasil, França e Austrália são exemplos). Fica cada vez mais claro, portanto, que o dinheiro virtual emitido por bancos centrais é o próximo passo na guerra pelo controle socioeconômico sobre a população.

Basta que a China ou outro país de grande poder econômico lance uma moeda digital para que todas as outras potências façam o mesmo. E, pelas recentes declarações de oficiais do governo chinês, essa tendência não deve demorar muito para se concretizar.

Qual sua opinião sobre moedas digitais emitidas por Estados?

Paulo Fiorio

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Julival Reis Junior
Julival Reis Junior

o processo começa centralizado, para depois descentrlizar. o sistema bancário está completamente defasado. as criptomoedas são a salvação, de quem deseja está fora disso tudo.   ... (Leia Mais)

09.11.2019 00:48 GMT· Responder
Jarede Almeida
Jarede Almeida

O estado como sempre, querendo ter o controle de tudo, espero que isso não venha a tona, assim todos perdemos. Menos estados, e por mais cidadãos no controle de suas vidas.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 19:13 GMT· Responder
Gabriel Bonfim
Gabriel Bonfim

A esperança é que no meio desse processo de migração para uma moeda digital, as pessoas se deem conta de que algo verdadeiramente descentralizado como o Bitcoin é uma melhor alternativa do que a moeda estatal.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 18:56 GMT· Responder
João Paulo Pereira
João Paulo Pereira

Partiu BTC então!  ... (Leia Mais)

08.11.2019 18:15 GMT· Responder
Leo Garcia
Leo Garcia

o problema maior para os direitos individuais e a liberdade do cidadão em geral não é a virtualização das moedas, mas o quão democráticas e liberais são as instituições politicas do país e o quão atentos são oa cidadãos para mantê-las abertas e livres.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 17:49 GMT· Responder
Clóvis José Perinazzo
Clóvis José Perinazzo

Vai vingar, cada vez +, papel em baixa SUZANO e KLABIN que ajustem o portfólio.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:53 GMT· Responder
Luís Fernando Baptista
Luís Fernando Baptista

É Bíblico...e olha que estou LONGE de ser um fanático religioso.   ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:44 GMT· Responder
Herbert Costa
Herbert Costa

Engracado, vejo mais liberdade, comercio sem fronteiras, sem taxas desnecessarias enfim, tudo de bom  ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:42 GMT· 1 · Responder
Samila Furlanetti
Samila Furlanetti

tensissimo!  ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:38 GMT· Responder
Luís Mansur
Luís Mansur

O mundo caminhando para um ditadura global.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:35 GMT· Responder
Candle
Candle

Sinceramente ta mais que na hora do povo pedir um ESTADO menor, só cego e tolo que não vê a situação que estes "poderosos" governos nos colocam! Estado menor da poder ao mercado, ou seja descentraliza o poder! Para sempre Bitcoin!  ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:34 GMT· 4 · Responder
fernando vinha
fernando vinha

é igual você ir na boate e pagará para   ... (Leia Mais)

08.11.2019 16:34 GMT· Responder
Antônio Jr
Antônio Jr

Tô fora. Bitcoin também promove inclusão financeira e transações a baixo custo, mas não pede minha liberdade em troca.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 14:00 GMT· Responder
Leonardo Vieira
Leonardo Vieira

Excelente reflexão.. . . É assustador como o estado coloca energia em sufocar as diversas faces dos cidadões.. . . Continue com o seu trabalho em defesa da popularização do Bitcoin, não tenho dúvidas que é e será um dos únicos caminhos para a liberdade do cidadão de bem.. . . Parabéns pelo ótimo texto.  ... (Leia Mais)

08.11.2019 14:00 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';