O Dia Seguinte aos BCs

O Dia Seguinte aos BCs

Olivia Bulla  | 27.07.2017 08:49

A quinta-feira é dedicada aos ajustes nos ativos após as decisões dos bancos centrais do Brasil (Copom) e dos Estados Unidos (Fed) em relação à taxa de juros. Os sinais suaves ("dovish") emitidos pelas autoridades monetárias elevam o apetite dos investidores por risco, diante das chances de o custo do empréstimo norte-americano não subir mais neste ano, o que derruba o dólar, e de o brasileiro cair abaixo de 8% em dezembro.

Ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa básica de juros em um ponto porcentual (pp), para 9,25%, conforme esperado, e deixou a porta aberta em relação à próxima reunião, em setembro, dando a entender que pode manter o ritmo de corte na Selic. Segundo o BC, "a manutenção depende da permanência das condições no cenário básico".

Até o fim do ano, o Copom tem ainda outras três reuniões e as pistas deixadas no comunicado servirão para precificar, com maior precisão, se haverá mesmo uma desaceleração no ritmo de cortes. Apesar do espaço aberto deixado pelo BC para outra redução de 1 ponto, as próximas quedas de juros somente tendem a surtir efeito em 2018.

Com a redução de ontem, o Brasil caiu mais uma posição no ranking global dos maiores pagadores de juros reais do mundo e é agora o terceiro colocado, com taxa de 3,71%, atrás de Rússia (4,59%) e Turquia (3,93%). Ainda assim, os ativos domésticos continuam atrativos em termos de rendimento, ainda mais após a chance menor de juros mais elevados nos EUA, o que tende a manter os recursos hoje aplicados em outras praças financeiras.

Também ontem, o Federal Reserve manteve a taxa de juros da maior economia do mundo entre 1% e 1,25%, em mais uma decisão amplamente esperada, e afirmou que vai começar a reduzir o balanço patrimonial “relativamente em breve”, o que foi a novidade. Ainda assim, o processo de normalização das condições monetárias deve seguir em ritmo gradual, condicionando aos dados econômicos a chance de uma nova alta da taxa ainda neste ano.

Os mercados internacionais ainda reagem à decisão da tarde de ontem do Fed. O dólar derrete e o rendimento (yield) dos títulos norte-americanos (Treasuries) avançam, em um forte sinal de apetite por risco. O movimento ocorre diante da indicação de que a inflação acumulada em 12 meses nos EUA está desacelerando e continua abaixo do alvo de 2%, o que tende a adiar um novo aumento do juros no país para além de dezembro.

Apesar da inflação permanecer baixa, a economia norte-americana está ganhando tração, o que mantém o otimismo dos investidores em relação ao crescimento econômico global. Somada a essa percepção, a safra de balanços mantém o sentimento positivo nos negócios, o que garantiu ganhos nas bolsas asiáticas e deve embalar o pregão em Wall Street.

Na Europa, porém, algumas praças começam a mostrar sinais de cansaço. A Bolsa de Frankfurt é pressionada pelo resultado decepcionante do maior banco europeu, o Deutsche Bank (DE:DBKGn), ao passo que a Nestlé (SIX:NESN) alertou que as vendas neste ano terão o menor crescimento em duas décadas. No Oriente, a Samsung superou as expectativas diante do sucesso de vendas com o Galaxy S8, enquanto a Nintendo surpreendeu com um salto no lucro líquido.

A agenda econômica desta quinta-feira está carregada. No Brasil, saem o índice de confiança da indústria em julho (8h), o índice de preços ao produtor em junho (9h), a nota de crédito do Banco Central referente ao mês passado (10h30) e a sondagem da CNI sobre construção civil (14h30).

Na safra de balanços, merecem atenção os balanços das gigantes Bradesco (SA:BBDC4), Vale (SA:VALE5) e Ambev (SA:ABEV3), antes da abertura do mercado. Para a mineradora, a expectativa é de resultado robusto, inflado pela produção recorde de minério de ferro. Porém, os preços mais baixos da commodity metálica em relação ao ano passado podem pesar.

No caso do banco, o lucro líquido deve alcançar a cifra de R$ 4,6 bilhões em apenas três meses, com um aumento de 10% em relação ao apurado no segundo trimestre de 2016. Já a empresa do setor de bebidas deve ser impactada pela demanda mais fraca no Brasil.

Na temporada norte-americana, hoje serão conhecidos os resultados trimestrais de P&G, Amazon e Intel. Entre os indicadores econômicos, destaque para os dados dos EUA a serem conhecidos às 9h30: os pedidos semanais de auxílio-desemprego; as encomendas de bens duráveis e o índice de atividade em Chicago, ambos referentes ao mês de junho. Logo cedo, sai o índice de confiança do consumidor alemão em agosto.

Olivia Bulla

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';