O Fim do Ciclo, e Agora?

O Fim do Ciclo, e Agora?

Rafael Bevilacqua  | 16.05.2018 12:17

No final do dia de hoje, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) vai decidir o futuro da taxa Selic. Minha expectativa é de um corte de mais 0,25%, acompanhado de um comunicado que encerre o ciclo de afrouxo monetário. Ou seja: Selic em 6,25%, a menor taxa de juros da história. Mas qual a importância dessa redução na economia?

O efeito da redução de 0,25% na Selic é pouco relevante para economia nesse momento. O grande feito do Banco Central foi quando a Selic passou de 14,25% para um nível de juros mais civilizado, abaixo dos dois dígitos, em julho de 2017.

Selic

Taxa Selic

O fato é que a economia já está em curso de retomada. Apesar de alguns dados antecedentes terem decepcionado em março, tudo indica para um crescimento do PIB por volta de 3% em 2018. A geração de emprego está positiva, e a indústria e o varejo estão crescendo. E se do lado da atividade as coisas estão melhorando, a inflação tem recorrentemente surpreendendo e se mantendo abaixo do 3%. Portanto, os benefícios de um corte adicional de 0,25% na Selic são baixos, ainda mais quando colocamos na mesa o cenário em que os juros futuros estão com um grande prêmio em relação ao atual.

Bom, como eu já disse algumas vezes, o que importa para a economia é o juro real, que é diferença entre o juro nominal e a inflação. Essa é a taxa que deve ser observada. Não faz o menor sentido reduzirmos a Selic para 6,25% enquanto juro real de longo prazo (medido pelas NTN-Bs) estão acima de 5,5%. Afinal, o custo de oportunidade da economia é juro real. Ou seja, a decisão de investir na economia real não é comparada com a rentabilidade da Selic, mas sim com as NTN-Bs, que pagam taxas acima de 5,5% e acrescidas da inflação.

O ponto principal da discussão do Banco Central não pode mais ser a redução da Selic, e creio que hoje ela deva ser encerrada com o comunicado que acompanha a decisão.

Nesse cenário em que as taxas dos títulos não refletem as melhoras estruturais e institucionais que o Brasil passou, ainda temos uma grande oportunidade de investir em taxas atrativas.

Quer saber mais, sou Rafael Bevilacqua, Estrategista-chefe da Levante e faço gestão ativa da renda fixa através da série Tesouro Direto.

Rafael Bevilacqua

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

A Fusion Media não aceitará qualquer responsabilidade por perdas e/ou danos resultantes do uso de informações contidas neste site, incluindo dados, cotações, gráficos e sinais de compra/venda. Por favor, informe-se sobre os riscos e custos associados à realização de operações nos mercados financeiros, pois esta é uma das formas de investimento mais arriscadas que existem. As operações de compra e venda de divisas com margem são de alto risco e não são adequadas para todos os investidores. Negociar ou investir em criptomoedas traz consigo riscos potenciais. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. As criptomoedas não são adequadas para todos os investidores. Antes de decidir negociar moedas estrangeiras ou qualquer outro instrumento financeiro ou até criptomoedas considere cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite a risco.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Todos preços de CFDs (ações, índices, futuros), divisas e criptomoedas não são fornecidos por bolsas de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços de mercado o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. Por esse motivo, a Fusion Media não é responsável por quaisquer perdas em financeiras ou em negociações sofridas como resultado da utilização desses dados.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no website, com base na sua interação com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.
A versão em inglês deste acordo é a versão principal, a qual prevalece sempre que houver alguma discrepância entre a versão em inglês e a versão em português.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+