O Fim Do Mundo Está Próximo!

O Fim Do Mundo Está Próximo!

Alexandre Amorim  | 07.08.2012 10:45

O fim do mundo está próximo! E não, não estou falando da profecia Maia de que o ano acabaria em 2012, são palavras de Daniel Schneider, Sócio da SPX Capital e um dos gestores que estão conseguindo se apropriar deste cenário para buscar ganhos financeiros. Claro que ele está usando uma figura de linguagem exagerada, mas o fato é que a Europa continua em uma situação extremamente delicada, alimentada por um imbróglio político que faz a economia andar a beira do precipício, trabalhando em medidas que são muito mais para evitar a queda do que para levar ao afastamento do perigo.

A tal ‘queda no precipício’ seria uma eventual ruptura, com a saída de algum país da zona do Euro e que provavelmente levaria a um efeito dominó. Este seria o cenário de ‘fim de mundo’, pois levaria (ainda mais) pânico aos mercados, agravando o problema de liquidez e tendo consequências inimagináveis à economia mundial.

Um segundo cenário e o mais provável na opinião do sócio da Quest Investimentos e ex-ministro, Sr. Luiz Carlos Mendonça de Barros, é a prolongação dessa situação de ‘sobrevida’ do euro. Este também não é nenhum cenário animador. Na opinião dele, e corroborado pela maioria dos gestores, a Europa está próxima de ter uma ‘década perdida’ tal e qual a América Latina nos ano 80 ou o Japão, também recentemente.

Esta crise já vem sendo anunciada desde 2008, sendo precificada nos mercados de bolsa de valores e fazendo parte do noticiário de economia. Mas foi nos últimos meses que ela chegou de fato ao mundo real, traduzindo-se em números e contaminando o crescimento global, com o próprio FMI revisando as projeções de PIB para baixo e obrigando os governos a achatarem ainda mais as taxas de juros.

Com o crescimento dos países de ‘primeiro mundo’ comprometido, a responsabilidade de ancorar o crescimento global tem sobrado para os ‘países em desenvolvimento’. E quando falamos nisso, falamos obviamente na China. Por lá, com um mundo recessivo, as exportações foram afetadas e a economia, antes voltada ao investimento público, começa agora a se voltar para o consumo interno. Também juros foram cortados e os números de crescimento revisados para baixo. Os EUA continuam sem grandes novidades, no estilo ‘devagar e sempre’, a expectativa gira em torno das eleições no fim do ano e de um possível QE3, uma medida de política monetária com objetivo de injetar dinheiro na economia e dar liquidez aos mercados.

O Brasil também não ficou de fora disto. Para nós, a grande novidade ficou por conta da taxa de juros SELIC que foi reduzida para 8% ao ano, atingindo o menor patamar da história. Com a inflação contida, a expectativa é que possa cair mais ainda, com apostas girando em torno de 7%. Falando em apostas, a atual diretoria do Banco Central (BC), ao contrário do que acontecia anteriormente quando era extremamente conservador, vem fazendo apostas (até então acertadas) e aproveitando muito bem esta janela de oportunidade para quebrar um paradigma e levar a uma mudança consistente de patamar de juros.

Outro indicador que parece ter mudado definitivamente de patamar é o dólar. Ao que tudo indica não veremos mais o dólar muito abaixo dos R$2,00. O que vimos nos últimos tempos foi um câmbio travado entre R$2,00 e R$2,10 e, considerando toda a conjuntura econômica mundial, acredita-se que, caso haja um rompimento desses patamares, o mais provável é que seja para cima. Com essa indefinição na economia (que reflete principalmente nos mercados de bolsa de valores) e com as taxas de juros em patamares historicamente baixos, as oportunidades de ganhos em investimentos se voltam especialmente aos fundos multimercados não correlacionados com qualquer índice e que buscam gerar retorno em qualquer situação. Boa parte deles vem performando e entregando resultados como se nada estivesse acontecendo no mundo. O ônus fica por conta do investidor que, mais do que nunca, deve repensar sua forma de investir escolher meticulosamente produtos e gestores capacitados à operar no meio dessa turbulência. Parafraseando um dos maiores gestores de recursos do Brasil – Luis Stuhlberger – há oportunidades de ganhar dinheiro independente de “um fim horroroso ou de um horror sem fim”.

Alexandre Amorim

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+