O Grande Investidor que Nunca Investiu

O Grande Investidor que Nunca Investiu

Felipe Miranda  | 22.05.2020 11:14

Dos interesses aleatórios que surgem quando se está em quarentena, decidi dedicar algumas horas para conhecer melhor a história de um caricato jogador de futebol dos anos 1980. O documentário me instigou porque eu nunca ouvira falar do tal jogador carioca, apesar de o trailer comprovar o quão popular ele era entre os colegas (Bebeto, Romário, Renato Gaúcho) e dirigentes da época, seja por suas histórias em campo ou pela vida boêmia.

Antes que coloque em xeque meu conhecimento sobre futebol, arrisco apostar que você também não o conhece. Mesmo tendo defendido os maiores times do Rio de Janeiro e passado por clubes da França, Estados Unidos e Argentina, entre outros.

Estou falando de Carlos “Kaiser” (nada a ver com Franz Beckenbauer), jogador que, apesar do extenso currículo e popularidade ­­— acredite se quiser —, nunca fez sequer um gol. Pior: mal entrou em campo durante seus mais de 20 anos de carreira. Como isso foi possível?

Eu explico. Quando era convocado para mostrar suas habilidades, Carlos Kaiser rapidamente simulava uma contusão, o que lhe garantia meses a salvo no departamento médico, numa época em que mal existiam exames de ressonância. Na luta por atestados médicos, apelava até para um amigo dentista. Caso fosse realmente inevitável entrar em campo, a tática era arrumar briga com adversários — ou até com a própria torcida — em troca de um bem-vindo cartão vermelho.

O que faltava de habilidade futebolística ao nosso herói sem nenhum caráter sobrava em influência e lábia para fechar bons contratos e encantar cartolas. A história é tão boa que virou o documentário “Kaiser: o maior jogador de futebol que nunca jogou futebol”.

E me levou à inevitável comparação com alguns influenciadores de finanças que tenho visto. Muito além do discurso, gostaria de saber se eles realmente investem (e onde). Será que são ganhadores de dinheiro? Como seus portfólios estão se comportando nesta crise?

Enquanto os torcedores da Fintwit, comunidade financeira do Twitter, repetem que é hora de comprar ações e interpretam qualquer melhora no humor como a volta do bull market, os gestores dos mais renomados multimercados brasileiros estão pessimistas (ou realistas?). Diante da deterioração estrutural do cenário econômico, a preocupação deles não é com preços, mas com o valor intrínseco dos ativos.

“Olhar nominalmente para a queda das Bolsas sem olhar para o cenário é um erro”, observou o sócio-gestor da Kapitalo Carlos Woelz, em uma live recente promovida pela Vitreo. Ele usou como exemplo as Bolsas de Nova York, que considera mais caras hoje, apesar de estarem em uma pontuação bem inferior à do início do ano. Isso porque ele põe na conta os efeitos da desorganização histórica do setor produtivo a que o mundo assiste.

Diante da falta de visibilidade, fica difícil para os gestores terem grande convicção em suas posições — enquanto o pessoal das redes sociais, que não entra em campo nem faz gol, está cheio de certezas.

Nesta semana, a Dynamo divulgou sua carta semestral (duas, na verdade), em que dedicou oito páginas para analisar em profundidade as informações mais recentes sobre o novo coronavírus e a evolução da pandemia. Tudo para concluir: vivemos hoje sob um nível extremo de incertezas. Por ora, o que dá para dizer é que caminhamos para um ambiente com mais dívida, menos globalizado e mais digital.

Sobre o Brasil, a gestora mostrou preocupação com a guinada na orientação das políticas do governo Bolsonaro, cada vez mais refém dos partidos do Centrão. Além do impacto direto de deterioração do fiscal, há receio sobre uma recaída do Congresso, onde volta-se a ouvir propostas populistas.

Neste contexto, Rogério Xavier, da SPX, descarta a chance de uma recuperação em V da economia brasileira — nem mesmo o “V do símbolo da Nike”, aquele que cai rápido e sobe devagar, como aventou outro dia o ministro da Economia, Paulo Guedes. Para o gestor, hoje há uma relação risco-retorno bem pior para se estar comprado em Bolsa.

Antes que fique chateado, longe de mim querer estragar sua sexta-feira trazendo essas análises aqui. Até porque, se é um dos três leitores do Felipe Miranda, percebeu que muitos dos temas que estão hoje na cabeça dos gestores já foram tratados neste espaço.

Minha intenção é que você reflita sobre quem tem influenciado suas decisões de investimento. Se prefere estar próximo (ou próxima) dos ganhadores de dinheiro da vida real, que, diferentemente dos influenciadores de internet, têm mostrado o resultado de suas estratégias.

Um abraço

Felipe Miranda

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Magno Azevedo
Magno Azevedo

Parabéns! Concordo plenamente.  ... (Leia Mais)

25.05.2020 03:03 GMT· Responder
Wagner David
Wagner David

minha carteira apesar do tombo no início da pandemia, dos 5 ativos que tenho 3 já estão se aproximando do preço antes da pandemia só que com a bolsa a 82 mil pontos, vou seguir em frente  ... (Leia Mais)

22.05.2020 23:28 GMT· Responder
marivaldo holanda
marivaldo holanda

quanto mais a bola vai e volta ...maior o ralo dos q ganham no vai e vem da corretoquinagem.fica mais dificil  ... (Leia Mais)

22.05.2020 19:26 GMT· Responder
Rubens Andrade
Rubens Andrade

Bla bla bla...quem faz analogia com futebol, não sabe se explicar de forma concisa e sintética. Pode falar o que quiser, sua imagem está marcada pelas palhaçadas no Empiricus.  ... (Leia Mais)

22.05.2020 18:26 GMT· Responder
Edigar Franco
Edigar Franco

Esses influenciadores e vendedores de curso é um processo que vem de um circulo vicioso propagada pela internet. O sujeito acredita nesses sujeitos e perde todo o dinheiro que tem na bolsa inclusive com preços caros de cursos de aprofundamento, sim porque o curso até então era gratis. Sem dinheiro pede emprestado, pede para amigos etc e perde tudo tambem....ai desesperados sem outra alternativa resta fazer o que todos os ostros picaretas estão fazendo vender cursos, como ele já estudou tudo e na internet tá cheio de material gratuito começa dar cursos tambem para ver se recupera parte do dinheiro perdido, e alguns conseguem até ganhar muito dinheiro com anuncios no youtube. Isso vai aumentando os picaretas vendendo cursos.  ... (Leia Mais)

22.05.2020 17:34 GMT· Responder
Washington Rocha
Washington Rocha

Sempre vale a pena ler os artigos do Felipe.   ... (Leia Mais)

22.05.2020 16:25 GMT· Responder
Julio Costa
Julio Costa

Como sempre um artigo muito pontual para o momento.  ... (Leia Mais)

22.05.2020 15:44 GMT· Responder
Julio Costa
Julio Costa

Como sempre um artigo muito pontual para o momento.  ... (Leia Mais)

22.05.2020 15:44 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.