O Índice Campani e o Sobe-e-Desce da Bolsa em 2020

O Índice Campani e o Sobe-e-Desce da Bolsa em 2020

Carlos Heitor Campani  | 22.05.2020 07:05

Na coluna da semana passada, apresentei o índice Campani (IC), uma métrica que mede e ordena performances de fundos e ativos em geral. O IC deve ser utilizado no lugar do famoso índice Sharpe (ou mesmo do índice Sortino), pois representa uma evolução destes, corrigindo problemas existentes nas métricas utilizadas e incorporando conceitos de finanças comportamentais. Em outras palavras, Sharpe e Sortino representam medidas de performance que podem beneficiar maus gestores (que entregam mais risco do que deveriam) e prejudicar bons gestores (que entregam menos risco com retornos atraentes).

Se examinarmos a fórmula apresentada na semana passada com preceitos teóricos de probabilidade condicional, observamos que o índice Campani pode ser reescrito como:

Índice

Note que, se utilizado para performances passadas, as expectativas (E) tornam-se médias históricas e a razão acima tem “a mesma cara” de Sharpe e de Sortino, mas com métricas eficazes. No numerador, temos um prêmio de risco: diferença entre a média de retornos e o CDI (taxa livre de risco), mas esta diferença só é contabilizada caso seja benéfica para o investidor, ou seja, positiva (caso contrário, é zero). Isto pois o numerador não pode ser impactado por prêmios de risco negativos, já que ele mede a expectativa satisfatória do investimento. No denominador, temos o risco histórico da carteira, mas medido apenas na cauda negativa (pois o risco bom, da cauda positiva, não pode penalizar o gestor) e sem a necessidade de se elevar ao quadrado para depois se tirar a raiz quadrada, como em Sortino. Perceba como os três índices (Sharpe, Sortino e Campani) são conceitualmente semelhantes, mas ressalto que o IC utiliza métricas eficazes no sentido de serem totalmente alinhadas com os anseios comportamentais do investidor.

Outra vantagem do IC é que ele é definido no espectro não-negativo. Um investimento infinitamente ruim (que entrega no máximo a taxa livre de risco, mas com potencial de perdas) teria IC igual a zero. Por outro lado, um investimento infinitamente bom (que entrega um retorno médio acima da livre de risco sem nenhum risco de perda) teria IC igual a infinito. Num mercado eficiente, investimentos com altos ICs teriam alta demanda, forçando seus preços para o alto e, consequentemente, o IC para o equilíbrio em patamar inferior. Investimentos com ICs baixos sofreriam pressão de venda, forçando seus preços para baixo e seus ICs para cima, até que o equilíbrio fosse restabelecido.

Agora é hora de voltarmos a analisar o mercado de ações e units e, como venho fazendo, sempre analiso as 100 ações que compõem o IBrX 100 (que serve como bom filtro de liquidez). Com dados até o fechamento de terça-feira (19/05), a boa notícia é que agora temos nove papéis no azul em 2020:

  1. BTOW3 (46,6%, IC = 1,30);
  2. MRFG3 (35,3%, IC = 1,28);
  3. MGLU3 (22,9%, IC = 1,22);
  4. KLBN11 (9,0%, IC = 1,13);
  5. SLCE3 (8,5%, IC = 1,10);
  6. LAME4 (7,4%, IC = 1,12);
  7. WEGE3 (7,0%, IC = 1,11);
  8. BEEF3 (5,9%, IC = 1,11); e
  9. SUZB3 (5,2%, IC = 1,10).

Para efeito de comparação e para reforçar o bom desempenho desses papéis, os índices Ibovespa e IBrX 100 tiveram perdas de 30% em 2020, com ICs iguais a 0,78.

Interessante perceber que esses nove papéis são exatamente aqueles com os nove maiores ICs. A ação ordinária da B2W segue líder do ranking e com um desvio-padrão altíssimo (7,0% ao dia, um dos maiores dentre todos os 100 papéis). Mas se analisarmos com cuidado esse desvio-padrão, notaremos que ele é muito mais de alta do que de baixa, reforçando a necessidade de diferenciação do risco bom do risco ruim: o desvio-padrão à direita do CDI (risco bom) é 7,84% a.d. ao passo que o desvio-padrão à esquerda do CDI (risco a ser evitado) é de 5,87% a.d. Isso se reflete eficientemente no numerador e no denominador do índice Campani: esta ação possui médias de upside 2,8% ao dia e de downside 2,1% a.d.

Analisemos agora o papel com o segundo maior IC em 2020: MRFG3. Esta ação vem apresentando um perfil bastante específico, com alto desvio-padrão à esquerda (7,51% a.d.) e desvio-padrão à direita em patamar inferior (5,88% a.d.). Entretanto, o que explica o alto IC (e sua boa performance em 2020) está na probabilidade histórica de upside: em 60% dos pregões, este ativo teve alta maior que o CDI (nenhum outro ativo chegou a este percentual). O que este exemplo nos ensina? Que dois ativos com ICs muito semelhantes (BTOW3 e MRFG3) podem ter perfis de retornos bastante diferentes. O investidor precisa estar atento também a este perfil de retorno: em especial, se ele se adequa ao seu perfil comportamental enquanto investidor.

Na parte debaixo da lista, os cinco papéis que mais perderam em 2020 seguem os mesmos desde a primeira coluna em que fiz tal análise:

  1. IRBR3 (-81,9%, IC = 0,59);
  2. AZUL4 (-76,6%, IC = 0,69);
  3. CVCB3 (-71,7%, IC = 0,74);
  4. SMLS3 (-68,8%, IC = 0,64);
  5. GOLL4 (-68,3%, IC = 0,78).

A simples diferenciação dos desvios-padrão ruim e bom já ajuda bastante a entender o comportamento destes papéis – na mesma ordem: 9,3% x 6,6%; 10,5% x 8,4%; 9,6% x 9,1%; 7,8% x 6,2%; e 10,1% x 8,6% (ao dia). Todas as volatilidades ruins superam as respectivas volatilidades boas, indicando assimetria de retornos. Nestes casos, utilizar o desvio-padrão tradicional como medida de risco se compara a usar óculos com grau diferente do seu: pode até melhorar um pouco a visão, mas ela ainda é embaçada. Por que não corrigir o grau?

Reforço neste texto, em continuidade aos anteriores, que o investidor deve olhar as métricas históricas corretas para sua tomada de decisão de alocação. Considerar métricas de performance e de risco desalinhadas com seus interesses incentivam decisões de investimento igualmente desalinhadas.

Por fim, divido com todos vocês a lista com os resultados desta análise, para todos os 100 papéis estudados. Se você estiver no seu celular, o link pode não funcionar, tente então do seu laptop e certamente dará certo. Forte abraço a todos.

* Carlos Heitor Campani é PhD em Finanças, professor do Coppead/UFRJ e especialista em investimentos, previdência privada e pública e finanças pessoais e públicas. Ele pode ser encontrado aqui e nas redes sociais @carlosheitorcampani

Carlos Heitor Campani

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Caio Pizzoli
Caio Pizzoli

Boa tarde , onde poderia aprender mais sobre o IC?att  ... (Leia Mais)

19.06.2020 16:31 GMT· Responder
Jose Carlos Ferreira
Jose Carlos Ferreira

Parabéns pela análise Muito boa   ... (Leia Mais)

23.05.2020 03:02 GMT· Responder
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso

Muito bom!  ... (Leia Mais)

22.05.2020 22:37 GMT· Responder
guilherme salles
guilherme salles

bom dia Campani , qual o seu comentario da logg3? por favor , estou interessado em pegar seu movimento de retorno , mas, ainda um pouco preocupado com o corona ainda em evidencia ate agosto , e , casos ainda em curva ascendente neste dois proximos meses.? grato  ... (Leia Mais)

22.05.2020 11:41 GMT· 3 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.