O Tamanho Certo da Sua Proteção Para o Carnaval

O Tamanho Certo da Sua Proteção Para o Carnaval

Felipe Miranda  | 21.02.2020 15:14

Daqui a dez dias, o ano começa extraoficialmente, com a mesma expectativa de expansão vigorosa do ciclo de alta estrutural iniciado em 2016 e, é claro, com a mesma possibilidade de errarmos feio qualquer previsão de curto prazo.

Somos constantemente surpreendidos pelo inesperado. Quando tudo indicava um primeiro bimestre do ano mais tranquilo, após negociações entre EUA e China, resolução do Brexit e melhora marginal de indicadores de atividade global, tivemos que lidar com a iminência de uma guerra e de uma pandemia, sem respirar entre uma e outra.

Obviamente, esse não era o planejado – nunca é, na verdade. Nossas mentes lineares vislumbraram o Ibovespa subindo em linha reta, totalmente alinhado com a expectativa (também linear) de maiores lucros para as empresas, a manutenção dos juros em patamares estruturalmente baixos e o investidor estrangeiro trazendo bilhões de dólares para o lado de cá do planeta.

Só deveríamos nos preocupar mesmo lá para março, quando as primárias do Partido Democrata nos EUA pudessem trazer algum ruído, com candidatos mais extremistas eventualmente aparecendo nas primeiras posições das pesquisas, mas não agora.

Sorte dos disciplinados, que tinham dólar e ouro na carteira nos primeiros dois meses do ano e puderam se proteger, pelo menos um pouco, do retorno negativo de 0,92% da Bolsa até este momento.

Aliás, mais do que a função de proteger, esses ativos bateram o mercado com folga. Enquanto o dólar fechou ontem em sua máxima histórica de R$ 4,39, acumulando alta de 8,89% no ano, o ouro já estica a trajetória iniciada em outubro de 2018 para uma alta acumulada de 37,5% — chegando a 60,5% se somada a variação cambial.

Por isso, retorno à importância imperativa de uma carteira diversificada, equilibrando ativos de risco com as proteções adequadas.

Naturalmente, você pode questionar o dólar nas máximas (um fato) ou considerá-lo caro no curto prazo (uma possibilidade), mas a verdade é que ele pode ficar “caro” por mais tempo do que você pode aguentar os trancos da Bolsa. Tem sido assim desde as eleições de 2018, quando a moeda estava a R$ 3,80, passando por R$ 4,00 e R$ 4,20, até chegar aos dias de hoje.

Por quanto tempo você deve dirigir seu carro novo sem seguro antes de precisar de um? Indo além: se há uma onda de assaltos ao modelo do seu carro na cidade, tornando seu seguro imediatamente mais caro, você ainda adiaria contratá-lo, mesmo sabendo que o risco de precisar dele agora é maior?

Nos EUA, onde o mercado de seguros é muito desenvolvido, você não sai da concessionária sem o seguro do carro. Para sua carteira, aplica-se o mesmo raciocínio: deveria também ter estruturalmente uma posição em dólar e ouro, assim que comprar ativos de risco.

Se você mantém, portanto, uma exposição relevante em Bolsa – e deveria mesmo, dado o cenário atual –, os fundos de dólar e de ouro são os instrumentos mais adequados para você dormir tranquilo, por terem um comportamento historicamente oposto ao dos mercados de renda variável.

Apesar de muitos fundos multimercados também operarem dólar e ouro, eles mudam a carteira o tempo inteiro, não sendo possível estabelecer uma relação direta sem atraso nas posições. E vale mencionar que a imensa maioria vem perdendo em posições vendidas em dólar desde as eleições de 2018.

Você precisa ter sua posição também por conta própria e quero trazer alguns tópicos que acho importantes para seu investimento em fundos de dólar e ouro.

Em primeiro lugar, só tope investir em fundos cambiais baratos e sem risco de crédito. Ainda existem muitos fundos por aí que cobram mais de 1% de taxa de administração ao ano, chegando a vergonhosos 3% em alguns bancos. Fuja desses e priorize aqueles com taxa abaixo de 1% ao ano.

É essencial também que eles não permitam, em regulamento, o investimento em crédito privado. Você não gostaria de descobrir que seu fundo cambial rendeu menos do que a variação do dólar porque o gestor emprestou dinheiro para uma empresa com dificuldades para honrar dívidas.

E tão importante quanto é comprar sua parcela de proteção no tamanho certo: nem muito pequena para o tamanho do seu risco, nem grande demais que possa comprometer seu patrimônio.

Em outras palavras, desconfie de um seguro de R$ 1 mil para uma Ferrari zero-quilômetro, e não aceite pagar R$ 5 mil por mês para assegurar seu Corsa 2012.

Qual deve ser, portanto, a proporção ideal entre o ativo de risco e sua proteção?

Como a maioria dos dados estatísticos históricos de mercado, a correlação entre o dólar e o Ibovespa também varia, mas se mantém dentro de um intervalo entre 20% e 50% pelos últimos 20 anos:

Se considerarmos 33% (ou 1/3) como uma média razoável, uma interpretação simples indica que, a cada 3% de queda da Bolsa, o dólar tende a subir 1%, compensando parcialmente as perdas em renda variável no longo prazo. A grande vantagem pode residir em prazos menores ou em momentos de crise, quando essa correlação tende a aumentar.

Daí, pode surgir uma regra de bolso: para uma alocação entre 15% e 30% em Bolsa, dependendo do seu perfil de risco, é interessante ter pelo menos de 5% a 10% em proteções com exposição ao dólar.

Se o investidor souber aproveitar a euforia atual com proteções e responsabilidade, verá o resultado não apenas daqui a nove meses, período posterior às eleições americanas, mas em alguns anos de multiplicação do seu capital.

Felipe Miranda

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Bruno Alves
Bruno Alves

Ouro não está caro. Pode chegar aos 1800  ... (Leia Mais)

24.02.2020 01:47 GMT· Responder
Daniel Martins
Daniel Martins

Comprar dolar agora pra protecao ? esse cara eh um mané   ... (Leia Mais)

24.02.2020 01:09 GMT· Responder
Thiago Souza
Thiago Souza

Dólar está caro, Ouro também. A regra de ouro é: o que passou, passou. Agora busque o que está barato, a bolsa caiu, compre bolsa. O ouro e dólar caíram, aí sim, compre ouro e dólar. Caiu o bitcoin, compre. Invista sempre um valor que não irá precisar sacar em tal data, pois o mercado em geral é totalmente imprevisível. pPor isso o grande erro de se operar alavancado. A maioria compra o topo sempre, ah, olha como o dólar valorizou, vou entrar no dólar agora. Ah, PETR4 está 31, vou comprar. Erro cometido pela maioria. Depois vem com o papo furado de avisei que iria subir, comprei lá atrás e ganhei.  ... (Leia Mais)

22.02.2020 21:42 GMT· 1 · Responder
Daniel Giorgi Reis
Daniel Giorgi Reis

A melhor proteção é ter reserva de oportunidade... comprar barato quando o mercado cai... de resto, ficar noiado com quedas do mercado eh insanidade tão grande quanto esses fundos indicados aqui...  ... (Leia Mais)

22.02.2020 18:12 GMT· 1 · Responder
Elson Gusmão
Elson Gusmão

galera trabalho em uma DTVM onde vc pode comprar ouro ático financeiro a partir de 1 grama. Eu mesmo comprei algumas gramas a 209,00 e hoje elas bateram a cotação de 226,00. Isso tem me ajudado a manter a rentabilidade da minha carteira de ações.   ... (Leia Mais)

22.02.2020 02:25 GMT· Responder
Rodrigo Peruzatto
Rodrigo Peruzatto

Perfeito Felipe!  ... (Leia Mais)

21.02.2020 21:11 GMT· Responder
Daniel Mello
Daniel Mello

Eu furo no pêlo. Que mané proteção, é próximo de 100% em bolsa. Fim.  ... (Leia Mais)

21.02.2020 20:28 GMT· 2 · Responder
Vinícius Guimarães
Vinícius Guimarães

Eu não entendo essa obsessão da Empiricus em indicar aplicações em fundos. Se você pode facilmente abrir uma conta nos EUA e comprar dólar diretamente numa conta de lá p/ quê raios vai aplicar em fundo cambial que cobra taxa de administração? Eu acreditava que a Empiricus tinha como objetivo indicar sempre o melhor investimento para seus clientes mas hj tudo se resume a fundos. Fundos multimercados, fundos de ações, fundos cambiais, fundo de ouro, fundos de fundos.... Você assina uma série e eles te indicam aplicar num fundo que replica a carteira dessa série. Essa excessiva indicação de fundos e mais fundos (que retem grande parte dos lucros através de taxas de adm e performance) chega a me parecer suspeito.Enfim, os fundos de investimento vão acabar quebrando o negócio original da firma que era indicar boas oportunidades de investimento.  ... (Leia Mais)

21.02.2020 19:21 GMT· 5 · Responder
Ítalo Marcio
Ítalo Marcio

oz1d ou 0z2d , ouro na Bolsa , D1.  ... (Leia Mais)

21.02.2020 18:55 GMT· Responder
Zeca Mello
Zeca Mello

A melhor proteção e comprar dólares. Já já Jegues acaba com as reservas criadas por Lula e Dilma e daí o dolar vai a 10 reais. Vai facilitar as contas famiglicia quando foram ver o Mickey.  ... (Leia Mais)

21.02.2020 18:51 GMT· 4 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App