Crash do Petróleo em 2020: Ajuda Não Intencional da Arábia Saudita nesta Pandemia

Crash do Petróleo em 2020: Ajuda Não Intencional da Arábia Saudita nesta Pandemia

Investing.com  | 27.03.2020 09:26

Primeiro, devemos agradecer ao Federal Reserve, ao Banco Central Europeu e a outros bancos centrais ao redor do mundo por sua resposta à pandemia de Covid-19. Depois, ao Senado norte-americano e a parlamentares de todo o planeta. Acabou? Não, agora precisamos agradecer de antemão à Arábia Saudita.

Por quê? Porque, graças aos sauditas, a economia mundial terá algo extremamente importante para se recuperar da devastação causada pelo coronavírus: preços baixos para o petróleo.

Riad inadvertidamente se tornou uma das maiores fontes mundiais de suporte nesta pandemia, ao destruir, em apenas três semanas, a estrutura de preços do petróleo que lutou tanto para defender por décadas.

Tática surpresa que acabou não dando certo

O que era para ser uma tática surpresa dos sauditas para atender seus atuais clientes e roubar mercados de exportação da Rússia e dos EUA acabou gerando consequências desastrosas para o reino. WTI Futuros Semanal

A Reuters informou na quinta-feira (26) que a Arábia Saudita estava enfrentando dificuldades para encontrar clientes para o petróleo extra que estava produzindo, após a demanda despencar devido à crise de coronavírus e às maiores taxas de fretamento.

Riad está trabalhando para elevar sua produção de 9,7 milhões de barris por dia (bpd) para 12,3 milhões de bpd.

A Rússia “abriu suas torneiras” plenamente, desencadeando uma guerra de preços e produção com a potência petrolífera do Oriente Médio.

A Reuters informou que a Royal Dutch Shell (NYSE:RDSa) e as refinarias dos EUA estavam consumindo menos petróleo saudita, enquanto a finlandesa Neste (OTC:NTOIY) não fará qualquer compra.

As refinarias indianas registraram atrasos nas entregas do petróleo da Arábia Saudita, enquanto as refinarias polonesas reduziram as aquisições, ainda segundo a reportagem.

Embora as taxas de fretamento de carga do Golfo Pérsico para o Oriente tenham apresentado alguma queda na quinta-feira, não estavam muito distantes do nível de US$ 6 por barril registrado nas últimas semanas.

Demanda petrolífera afunda

Com o petróleo norte-americano West Texas Intermediate em torno de US$ 23 por barril na quinta-feira, uma taxa de frete de US$ 6 ainda representaria um prêmio de pelo menos 25% em relação ao preço nominal, não exatamente o que você pagaria em um ambiente onde praticamente todas as viagens não essenciais ao redor do mundo estão proibidas.

“Em uma palavra, a demanda petrolífera ‘afundou’”, declarou John Kilduff, sócio fundador do hedge fund de energia Again Capital, de Nova York. “Os números giravam em torno de 20 milhões de barris de demanda perdidos por dia. Isso equivale a 20% do que costumava ser a demanda diária de 100 milhões de barris antes da crise.”

De forma mais detalhada, o Goldman Sachs prevê que a demanda mundial de petróleo, que permaneceu ao redor de 100 milhões de bpd no ano passado, sofrerá uma queda de 10.5 milhões de bpd em março e 18,7 milhões de bpd em abril.

No ano, a expectativa é que o consumo de petróleo tenha uma contração de cerca de 4,25 milhões de bpd, de acordo com a principal firma de previsão do mercado petrolífero.

Kilduff disse ainda:

“Os sauditas estão percebendo que possuem um produto ou commodity que não conseguem vender facilmente. Eles fizeram tudo aquilo em um momento extremamente inoportuno e agora estão pagando o preço. Eles têm uma opção, evidentemente, de voltar atrás e restringir a produção. Mas estão fazendo o jogo da covardia com os russos e nenhum dos lados vai querer piscar primeiro, sem falar que existe a questão do orgulho também."

Egos em jogo

Phil Flynn, analista do Price Futures Group em Chicago concorda com Kilduff que os sauditas e russos “deixaram seus egos decidir sobre o mercado de petróleo”.

“Em vez de agir com responsabilidade, eles destruíram qualquer resquício de credibilidade que tinham como agentes de estabilização dos preços mundiais do petróleo”, declarou Flynn.

Embora o mundo não precise do petróleo extra da Arábia Saudita neste momento, certamente precisará dele no futuro, quando o pior da crise econômica provocada pela pandemia tiver passado.

Sem dúvida, quando esse momento chegar, Riad vai querer faturar o máximo que puder com seu petróleo.

Mas essa é a questão: o mercado petrolífero já se desvalorizou mais de 50% no ano e pode não se recuperar tão rápido quanto os sauditas esperam. Se o dano causado à economia mundial for realmente tão grande, a recuperação plena pode levar até um ano ou mais.

Rápida recuperação ainda é questionável

Segundo Kilduff:

“Espero que os sauditas continuem fazendo o que estão fazendo para destruir os produtores de alto custo – a saber: a indústria de shale oil nos EUA –, a fim de garantir o máximo de participação de mercado possível. É claro que eles esperam uma recuperação da demanda, para que possam administrar os cortes novamente e obter os preços que desejam.”

“E é justamente aí que a coisa se complica, porque ninguém faz ideia de quanto tempo levará a recessão e de qual será sua intensidade. Apesar de os preços baixos estimularem a economia mundial, a demanda de petróleo em si é influenciada por uma miríade de fatores. Por isso, pode ser que a economia continue se beneficiando às custas da Arábia Saudita."

Nesse caso, Riad merece um agradecimento de antemão.

Aviso de isenção: Barani Krishnan não possui posições nos ativos sobre os quais escreve.

Investing.com

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
PhilP
PhilP

O próprio Coronavirus até ajudou a acordar os governos e suas politicas fiscais e monetárias quase dormentes ...  ... (Leia Mais)

30.03.2020 16:03 GMT· Responder
Ronaldo Siqueira
Ronaldo Siqueira

Os russos já estão bundamolando. Querem chamar todos os países produtores pra mesa de negociação.   ... (Leia Mais)

28.03.2020 17:17 GMT· Responder
Arley Martins
Arley Martins

Bom artigo. É bom os árabes voltarem atras, pq Russo duvido que volte.  ... (Leia Mais)

27.03.2020 16:59 GMT· Responder
Antonio Marcos Martins De Andrade
Antonio Marcos Martins De Andrade

Ótimo artigo.  ... (Leia Mais)

27.03.2020 16:18 GMT· Responder
Antonio Marcos Martins De Andrade
Antonio Marcos Martins De Andrade

Ótimo artigo  ... (Leia Mais)

27.03.2020 16:17 GMT· Responder
Edson Montenegro
Edson Montenegro

Um ciclo que se repete. Petróleo em queda vertiginosa papéis na bolsa sem o mínimo valor ,bancos sem lastros sinalizando calote em acionistas ,FED com sua impressora ligada no máximo dando dinheiro aos bancos para facilitar crédito ao proletariado induzido ao endividamento de proporções épicas. Qual a solução costumeira adotada pelo EUA, guerra aos árabes. Opa dessa vez não vai rolar, os árabes aprenderam o jogo do capitalismo a duras penas e a pandemia é um inimigo real. Ó o que vamos fazer...? caçar prender MADURO e usar isso para expropriar todo petróleo e gás da Venezuela... assim salvamos o mundo novamente. Sonho Americano  ... (Leia Mais)

27.03.2020 13:45 GMT· 2 · Responder
Cícero RP
Cícero RP

Mais uma vez... Vc esquece q a opep não é só Arábia, os outros jamais suportarão esse preço e uma guerra contra arábia já parece quase inevitável!⚔️🎯  ... (Leia Mais)

27.03.2020 13:27 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.