O que Esperar das Ações das Empresas Petrolíferas no Segundo Semestre?

O que Esperar das Ações das Empresas Petrolíferas no Segundo Semestre?

Ellen R. Wald, Ph.D.  | 13.08.2020 08:27

Publicado originalmente em inglês em 13/08/2020

O segundo trimestre foi ruim para as empresas petrolíferas. Gigantes da indústria, como Exxon Mobil (NYSE:XOM) e Chevron (NYSE:CVX) registraram prejuízos de bilhões de dólares. Até mesmo a Saudi Aramco (SE:2222), empresa petrolífera mais rentável do mundo, registrou um declínio de 73% no lucro em comparação com o mesmo período do ano passado.

Tudo isso já era esperado, na medida em que a política de superprodução da Arábia Saudita em abril fez disparar a oferta de petróleo, ao mesmo tempo em que provocou a queda dos preços. O mais sintomático é que isso aconteceu durante a adoção de medidas de confinamento para conter a disseminação da pandemia de coronavírus, que devastou a demanda petrolífera.

Em razão desses acontecimentos, é preciso levar em consideração duas importantes questões:

  1. Quanto os preços do petróleo podem se recuperar agora que a Arábia Saudita voltou aos seus níveis normais de produção e os países estão reabrindo suas economias?
  2. Será que as empresas petrolíferas terão um desempenho melhor no segundo semestre de 2020?

O problema com a perspectiva da Saudi Aramco

A Saudi Aramco apresentou uma visão bastante positiva para o segundo semestre do ano durante sua teleconferência na segunda-feira. De acordo com o CEO da empresa, Amin Nasser, a gigante do setor de energia acredita que o crescimento do consumo de petróleo na Ásia ajudará a recuperar os lucros na segunda metade do ano. Aparentemente, essa parece ser uma boa estratégia. A Ásia, em especial a China, registrou a maior queda na demanda de petróleo no início de 2020 e já estava começando a ver um repique em março e abril, quando o consumo petrolífero na Europa e na América do Norte atingia seu ponto mais baixo.

Entre 70% e 75% das vendas de petróleo da Saudi Aramco têm como destino a Ásia, portanto a empresa deve se beneficiar mais com a retomada da demanda no continente. Entretanto, existe um problema sério com essa perspectiva.

O petróleo é uma commodity global, e a demanda asiática não é o fator preponderante na definição da cotação do produto no mundo. Mesmo com o crescimento da demanda na China nos últimos meses, os preços do produto permaneceram estáveis, oscilando levemente dentro da faixa de US$ 40-45 nos últimos dois meses e meio.

Os Estados Unidos são os maiores consumidores de petróleo e a maior potência econômica do planeta; portanto, o noticiário econômico e os dados de consumo petrolífero no país tendem a exercer mais influência sobre a cotação mundial do petróleo do que essas mesmas informações na China. Se os preços do mercado não subirem, a Aramco enfrentará dificuldades em elevar seus preços oficiais.

Petróleo WTI Futuro - Semanal

Além disso, a Aramco está de mãos atadas diante do compromisso da Arábia Saudita com os cortes de produção da Opep+. O custo de produção da estatal saudita é tão baixo que até mesmo quando o preço do petróleo está deprimido, a Aramco consegue aumentar seu lucro vendendo mais petróleo para a Ásia. A China, em particular, mostra-se especialmente disposta a adquirir mais petróleo para armazenamento quando o preço cai. Entretanto, como a Arábia Saudita está comprometida em manter a produção petrolífera em 9 milhões de bpd, sua empresa estatal não consegue aumentar suas vendas para o país asiático, a menos que reduza seus próprios estoques.

Desafios de demanda petrolífera

A perspectiva de demanda do petróleo nos Estados Unidos e Europa continua indefinida, com algumas indicações de que está melhorando, mas o crescimento ainda é modesto. A utilização de refinarias nos Estados Unidos melhorou na semana passada para 80% (embora esse número possa ser atribuído parcialmente a uma mudança no conjunto de refinarias incluídas) e os estoques de petróleo registraram queda de 4,5 milhões de barris. Entretanto, o armazenamento total de gasolina automotiva aumentou em 700.000 barris na semana passada. Os estoques de petróleo bruto, gasolina e diesel continuam bem acima da média para esta época do ano.

Na Europa, o Reino Unido divulgou que entrou na pior recessão entre todas as economias mundiais. Mesmo com os governos deixando de restringir a atividade econômica, a recessão causada por essas políticas continuará impactando negativamente a demanda petrolífera e deve manter os preços deprimidos apesar da atividade na Ásia.

Resumo

O freio na produção não foi suficiente para elevar os preços acima da faixa de US$ 40-45. Exceto por uma catástrofe na oferta, precisaremos de notícias excepcionais envolvendo a demanda para vermos um salto significativo nos preços. Entretanto, os principais consumidores de petróleo ainda estão começando a enfrentar devidamente suas condições econômicas e precisam superar o medo do vírus, portanto é difícil imaginar um crescimento da demanda no futuro imediato.

As empresas de petróleo se sairão melhor no segundo semestre, pois os meses de março e abril foram excepcionalmente ruins. No entanto, sem uma demanda capaz de consumir um volume maior de petróleo e elevar os preços, os investidores não devem alimentar expectativas de grandes notícias.

Ellen R. Wald, Ph.D.

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Andrea Bentes
Andrea Bentes

Não precisa nem ser nenhum analista ,especialista da área econômica para saber que no 2 semestre com as economia e voltando a reabrir por causa do covid e as vacinas a tendência é ser MELHOR que esse semestre totalmente impactado pelo covid! Mas o mercado financeiro é totalmente previsível e manipulado pelos grandes e a lei de Lavoisier permanece rs, quem não aproveitou o circuit breaker de março para ir ás compras vacilou, PQ com a economia globalizada e o interesse de todos pela não quebra do mercado, predominaria, só se todos morressem, o uma guerra química com destruição do MUNDO, para achar que o mercado não iria recuperar daquelas baixas. O crash da bolsa de 1929 jamais se repetiria, vivemos em um mundo globalizado, onde esse isso não interessa mais à ninguém!!!!   ... (Leia Mais)

13.08.2020 21:21 GMT· 2 · Responder
Fernando Pio Cartaxo
Fernando Pio Cartaxo

Esse gráfico semanal do petróleo deve ta dando um baita medo nos comprados na commodity e uma euforia grande nos vendidos.. kkkkkk  ... (Leia Mais)

13.08.2020 16:12 GMT· Responder
Leandro Leandro
Leandro Leandro

Obrigado é Bom dia!  ... (Leia Mais)

13.08.2020 14:57 GMT· Responder
William R Vieira
William R Vieira

Bom dia muito ! Excelente análise... podemos esperar algum impacto na estatal brasileira?   ... (Leia Mais)

13.08.2020 13:55 GMT· Responder
Danilo Silva
Danilo Silva

Isso aí  ... (Leia Mais)

13.08.2020 13:48 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';