Quais Ativos São Mais Vulneráveis à Nova Situação da Argentina?

Quais Ativos São Mais Vulneráveis à Nova Situação da Argentina?

Marilia Fontes  | 13.08.2019 16:30

Como se não faltassem crises para nos preocupar, ontem os mercados foram completamente surpreendidos pelo resultado das primárias argentinas.

O atual presidente, Macri, perdeu feio para a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner, que ficou com 47 por cento dos votos.

Era esperado que Fernández ficasse um pouco na frente, mas não os 15 pontos percentuais que acabaram sendo, deixando os conhecidos populistas muito próximos de levarem as eleições de outubro, já no primeiro turno.

Isso representaria uma quebra estrutural gigantesca para nossa vizinha Argentina, saindo de uma visão econômica um pouco mais liberal para a volta do forte populismo dos Kirchner.

O impacto nos mercados argentinos foi grotesco, com o maior "barata voa" dos últimos tempos.

A Bolsa em dólar abriu caindo 33 por cento; o peso Argentino, sozinho, caiu 15 por cento até o final do mercado. Os títulos do governo e o CDS também caíram forte, precificando uma chance de 75 por cento do governo dar calote na dívida. A tratativa com o FMI, que emprestou 56 bilhões de dólares para nossos hermanos, parece que vai enfrentar novas ondas de negociações. E, por fim, os juros argentinos curtos voaram, e o Banco Central respondeu com aumento dos juros diários de 63 para 74 por cento.

Diga-me com quem andas…

O Brasil não ficou impune à crise no nosso vizinho tão próximo e amigo.

Nossa Bolsa abriu caindo 2 por cento e permaneceu assim durante o dia. Nossa moeda chegou a desvalorizar mais de 2 por cento, mas fechou o dia a pouco menos de 1 por cento, e os juros longos dispararam 15 bps, mas fecharam próximo a estabilidade, depois de uma fala "dove" (leniente) do Presidente do BC Roberto Campos.

O medo do mercado é que a crise nos contamine por algumas vias.

Primeiro, nas nossas parcerias via Mercosul – a Argentina é nosso terceiro principal parceiro. Depois, no acordo comercial do Mercosul com a União Européia.

Quanto a isso, as falas debochadas de Bolsonaro após resultado das primárias não nos ajudam em nada a manter boas relações comerciais.

Segundo, via moeda, uma vez que o real é a moeda com maior correlação ao peso argentino.

Fica difícil saber as reais consequências dessa mudança na prática, mas certamente vai significar menos investimentos estrangeiros para o Brasil, uma vez que a maioria dos gringos opera a América Latina em bloco.

O que fazer agora?

Alguns ativos ficam mais vulneráveis à nova situação da Argentina.

O maior deles, na minha visão, seria o câmbio. Como eu disse acima, o real é a moeda com maior correlação ao peso argentino, e novas desvalorizações por lá podem manter nossa moeda no patamar acima do 4 – no qual operamos no mercado de ontem.

O impacto disso para o resto dos ativos não é tão grande, se o real simplesmente se manter por aí, ou se desvalorizar aos poucos.

Mas ele poderia impactar fortemente a curva de juros, principalmente os longos, caso a desvalorização fosse mais agressiva.

Temos que acompanhar isso aí, viu?

A nossa bolsa tem pouco exposição à Argentina. Algumas ações específicas podem sofrer um pouco mais por terem alguma parte de suas atividades lá, como Gol (SA:GOLL4) e Cosan (SA:CSAN3).

Além disso, temos também o contágio político.

Caso a economia brasileira demore para se recuperar até as eleições de 2022, poderíamos ter um contágio de ideologia mais de esquerda nas nossas votações. Esse seria meu maior medo.

Acelera isso aí, Paulo Guedes!!!

Por fim, a lição…

Acho que o mercado de ontem reforça que tudo pode acontecer do dia para a noite, e nós, investidores, temos que estar sempre alertas.

É importante não nos deixar levar por euforias de mercado e teses de investimento difíceis e atraentes.

O melhor hedge (seguro) para sua carteira segue sendo comprar ativos baratos! E isso nunca vai sair de moda na Faria Lima.

Você deve operar sempre com uma assimetria favorável, ou seja, ter o potencial de ganhar muito, mas se perder, perder pouco.

Esteja sempre preparado para um barata voa. Assim, o futuro do seu portfólio será volátil, mas próspero!

Acompanhe muito mais no Twitter: @mariliadf2, no FB: Marilia.fontes.7927, Youtube: MariliaFontesRendaFixa e LinkedIn: Marilia-Fontes-88744518

Publicação Original

Marilia Fontes

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Ítalo Marcio
Ítalo Marcio

Ficou claro que o investidor vai embora da Argentina , pois a bolsa Argentina despencou 38% e o dólar disparou. Ainda bem que o povo Brasileiro abriu o olho e não colocaram Hadad na presidência, estaríamos ferrados mais ainda.  ... (Leia Mais)

14.08.2019 12:17 GMT· Responder
Maurício Winter Nicola
Maurício Winter Nicola

Perfeito Wellinton. Fica evidente, pela leitura do artigo, que alguns colunistas estão obtusamente contaminados por uma ideologia de direita. O desastre neoliberal imposto pelo presidente Macri, sequer é mencionado nos artigos...   ... (Leia Mais)

14.08.2019 11:29 GMT· Responder
Wellinton H Pimenta
Wellinton H Pimenta

A empresa Cambridge Analytica polarizou novamente o mundo quando ao tema direita e esquerda. A galera so nao percebe que existe excelentes exemplos de governos de direita e de esquerda no mundo. A questao nao é ideologia, mas a qualidade na administracao do país.   ... (Leia Mais)

14.08.2019 11:09 GMT· Responder
Bruno Bree
Bruno Bree

Gostaria de saber onde comprou a bola de cristal ???  ... (Leia Mais)

14.08.2019 09:27 GMT· Responder
Lucas Silva
Lucas Silva

fora as commodities como exemplo do trigo   ... (Leia Mais)

14.08.2019 09:10 GMT· Responder
natan bonfim
natan bonfim

quais ativos mais vulneráveis a nova situação argentina?? gol e cosan? ??? falou falou e num falou nada, estilo empíricus mesmo ... na verdade chegou atrasada e repetiu já análise de outros analistas... "você de optar por assimetria favorável, ganhar muito e perder pouco" nossa que frase genial!!!!   ... (Leia Mais)

14.08.2019 08:54 GMT· Responder
Alexandre Maroli
Alexandre Maroli

Adorei a linguagem do texto! Leve, para um assunto sério, viva o bom humor com conteudo! Se protejam q a barata da vizinha voa!   ... (Leia Mais)

14.08.2019 02:28 GMT· Responder
Caio de Oliveira
Caio de Oliveira

Não entendi essa giria... Explica aew  ... (Leia Mais)

14.08.2019 01:50 GMT· Responder
Caio de Oliveira
Caio de Oliveira

Não entendi essa giria... Explica aew  ... (Leia Mais)

14.08.2019 01:50 GMT· Responder
Marcio Wakano
Marcio Wakano

barata voa ? não entendi.  ... (Leia Mais)

14.08.2019 00:35 GMT· Responder
Luan Zwang
Luan Zwang

Acredito que não seria "agradar argentino", mas sim um parceiro econômico.  ... (Leia Mais)

14.08.2019 00:13 GMT· Responder
Halison Casimiro
Halison Casimiro

bom texto  ... (Leia Mais)

13.08.2019 23:01 GMT· Responder
Bruno Bonicontro
Bruno Bonicontro

Nossa Marília, se me permite um comentário construtivo, o texto estava bom de ler até CSAN3, você podia desenvolver um pouco mais, sei lá, pensar no que nossas exportações poderiam diminuir, ou quais produtos brasileiros podem vir a sofrer concorrência com a fraqueza do câmbio argentino. Eu confesso que entrei aqui apenas ver se tinha dica de algum ativo mesmo, mas como leitor assíduo do Investing, achei bizarro o final, a última frase parece que foi escrita correndo, na verdade a lição muito mais me confundiu que qualquer outra coisa, o Mauro Halfeld hoje falou que tinha que fazer hedge com fundo cambial e ouro, vc já falou que é ativos baratos, proponho que nos próximos textos vc jogue cite um ativo barato e interaja com o pessoal, pergunte o que o pessoal acha, eu por exemplo acho que preços de soja e milho brasileiros devem seguir pressionados  ... (Leia Mais)

13.08.2019 22:33 GMT· Responder
Lindelson Dantas
Lindelson Dantas

Falta finalizar o texto  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:53 GMT· 1 · Responder
Felicio Paiva
Felicio Paiva

Ufa!!! previsões de discípulos da Empiricus...  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:40 GMT· 1 · Responder
samuel reis
samuel reis

Verdade .... faltou coesão   ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:38 GMT· Responder
uadnes lima ribeiro
uadnes lima ribeiro

Não entendo os colegas criticarem uma análise política. O mercado está muito ligado a política. a prova disso é a queda exclusivamente em função de uma prévia de eleição. A comparação dela foi certeira. Parabéns Marília pela análise!   ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:38 GMT· Responder
Jose Rubens
Jose Rubens

Infelizmente o Brasil será a Argentina no amanhã!!!  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:37 GMT· 1 · Responder
Mateus Braga
Mateus Braga

Bolsonaro não tem que agradar argentino! Essa esquerda nunca acrescentou nada!  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:36 GMT· 2 · Responder
Thiago Costa
Thiago Costa

tem que acelerar Paulo Guedes! tmj junto Marília   ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:34 GMT· Responder
Alecson Pinheiro
Alecson Pinheiro

Falou e falou, mas no final não disse nada   ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:24 GMT· Responder
Alecson Pinheiro
Alecson Pinheiro

Falou e falou, mas no final não disse nada   ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:23 GMT· Responder
Davi Rabelo
Davi Rabelo

Poderia melhorar o texto começando sendo imparcial.  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:16 GMT· 3 · Responder
Alan Bissani
Alan Bissani

Uma das coias que tenho visto muito é que o brasileiro que se interessa na bolsa acaba por pecar em fazer o dever de casa e tentar se manter informado, claro que nos meros mortais não temos as informações privilegiadas da alta cúpula, mais com um pouco de esforço e acompanhando o mercado da para ter uma ideia de algumas coias digamos óbvias e que são noticiadas sem grande destaque.. Mais como diria Napoleon Hill “A procrastinação é o péssimo hábito de deixar para fazer depois de amanhã o que deveria ter sido feito anteontem.”. E o brasileiro deixa para se informar sempre depois de amanha...  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:15 GMT· Responder
Nader El Kadri
Nader El Kadri

Colocando sua posição política num texto econômico não me parece adequado. "acelera isso ai Paulo Guedes"  ... (Leia Mais)

13.08.2019 21:11 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+