Dólar Que Eu Não Faço Ideia

Dólar Que Eu Não Faço Ideia

Renato Breia  | 15.05.2020 10:52

Giro semanal

Semaninha tranquila, hein, pessoal?

Olha o vídeo do Moro! Já passou!

Olha o teste da Covid-19 do JB! Já passou!

Empresas fazendo oferta em plena crise! Está passando!

Votação no Senado para limitar os juros do cheque especial e aumentar a CSLL dos bancos! Suspensa!

Com tantas notícias que impactam as empresas da bolsa brasileira, o investidor nunca morre de tédio.

Mas sem grandes mudanças nos fundamentos, o Ibovespa vai oscilando na banda de 74-82 mil pontos já tem quase um mês.

Ibovespa

Sempre reforçamos aqui: o mais importante, nesses momentos, é separar os ruídos dos sinais, e focar naquilo que realmente importa.

Boa parte dos resultados das empresas listadas na bolsa já foi divulgado e já vemos indícios daquilo que devemos esperar para os trimestres subsequentes.

Quais as empresas mais preparadas para sobreviverem à crise? Quais delas sairão fortalecidas? O que mostram os resultados do 1T20?

"E o dólar, hein?"

Enquanto o Ibov "carangueja" de um lado para o outro, o dólar parece que se amarrou no "rabo de um cometa".

No mesmo espaço de um mês, a moeda americana já se valorizou mais de 14 por cento. E, em 2020, + 46 por cento.

USD/BRL

É engraçado, mas apesar da pergunta: "e o dólar, hein?" ter se intensificado em tempos de tensão como o que estamos vivendo, com recorde atrás de recorde, ela sempre esteve presente no meu dia a dia.

O vizinho me pergunta no elevador, os amigos me perguntam por mensagem — antes e depois das viagens.

Há uma frase célebre no mercado que diz: "o câmbio foi feito por Deus para deixar os economistas mais humildes".

E olha, eu demorei para entender isso!

Quando eu era mais novo, até tentava cravar nos palpites. Arrogância pura.

Aí o mercado trata de passar um corretivo na gente. Não só no dólar, mas na bolsa e nos juros também. Todos os dias. Deixa todo mundo que gosta de fazer previsões bem mais humilde.

Mas voltando ao dólar: minha resposta padrão começa com "eu não faço a menor ideia". E depois emendo com: "mas dependendo do que você busca, eu posso te ajudar a encontrar a melhor maneira de ficar comprado ou vendido".

What To Do

As pessoas buscam informações sobre o dólar para algumas finalidades.

A primeira delas é sempre viagens.

Se você viaja para fora, pelo menos uma vez por ano, na minha cabeça faz sentido ter de um a dois anos das despesas em dólar. O market timing é difícil de fazer. Se por acaso a cotação cair muito depois de já ter feito a sua reserva, então compre na véspera. Se subir muito, use a reserva e reponha ao longo de 12 meses. Simples assim.

A maneira mais barata de fazer esse hedge (proteção) é comprando um fundo cambial.

Atenção: nos bancos tradicionais as opções de fundos cambiais cobram mais de 1 por cento ao ano.

Há uma maneira um pouco mais sofisticada: abrir conta em um banco digital americano ou europeu, e poder usufruir de alguns benefícios, como ter o cartão de débito e crédito da própria conta em viagem.

A segunda delas é a proteção da carteira.

Faz sentido carregar um fundo cambial como forma de proteger a carteira?

Nós já rodamos vários estudos que mostram que carregar dólar na carteira apresenta um sharpe ruim. Isso significa que o tipo de risco/retorno que o ativo apresentou, quando analisadas várias janelas, teria sido melhor se, simplesmente, tivesse mais caixa.

É claro que, se a gente rodar uma janela muito curta, em 2020, por exemplo, não tenho a menor dúvida de que teria valido a pena. Mas se fosse possível fazer qualquer previsão sobre isso, a gente também teria tido menos bolsa e mais caixa para comprá-la quando veio para os 60 mil pontos.

É importante dizer também que o diferencial de juros no Brasil era absurdo. O caixa era rodado em um CDI bem alto, algo que não veremos tão cedo à frente. Por outro lado, temos um real bastante depreciado.

Na minha cabeça o que sempre faz sentido é procurar por ativos geradores de valor em dólares. E aí, há pelo menos duas boas opções:

1) Ter uma parcela da carteira em ações de empresas brasileiras exportadoras. Custo em reais, receitas em dólar.

2) Investir diretamente na bolsa americana. Ao contrário do Ibovespa, que é mal construído e muito concentrado, e com poucas empresas e setores, eu não acho ruim investir por meio de um ETF. O IVVB11 faz bem esse papel, apesar de já começar a achar o S&P um pouco esticado.

Se você é um investidor colecionador de bons ativos, orientado para o longo prazo, o melhor a se fazer, então, são compras parciais.

Agora, o que tem me entusiasmado, mais recentemente, é por investir em ações de algumas empresas americanas. Fazer stock picking.

Hoje em dia é muito fácil abrir conta em uma corretora lá fora. Basta alguns clicks e menos de 1.000 dólares para começar.

Renato Breia

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Alan Sans
Alan Sans

A questão toda é o BC. Vamos ver até onde vai a "munição" do BC...  ... (Leia Mais)

15.05.2020 15:32 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.