Semana Com Novidades no Crédito Imobiliário, BC Vendendo Dólar, IPCA-15 e Emprego

Semana Com Novidades no Crédito Imobiliário, BC Vendendo Dólar, IPCA-15 e Emprego

Angelo Pavini  | 19.08.2019 01:03

A semana nos mercados financeiros deve continuar marcada pela guerra comercial entre China e Estados Unidos. Apesar de o presidente americano Donald Trump afirmar no fim de semana que as negociações duras com a China não vão afetar a economia americana, os investidores continuam buscando proteção em títulos do Tesouro dos EUA e da Alemanha e no ouro, ao mesmo tempo em que reduzem as aplicações em bolsas, como mostraram as quedas dos índices ao redor do mundo. Além disso, Trump afirmou que “não está pronto” para fechar um acordo com os chineses agora, o que deve alimentar o receio de que as tarifas e retaliações de ambas as partes podem reduzir o comércio mundial e afetar a economia, que já está fraca, como mostraram os dados econômicos da China e da Europa na semana passada.

Nesta semana, nos EUA, a recessão mundial e o que os bancos centrais podem fazer devem ser os temas do tradicional simpósio de Jackson Hole, que reúne os representantes do Federal Reserve (Fed, banco central americano) e outros especialistas. O encontro será na quinta-feira e o tema deste ano será “Desafios da Política Monetária”.

No Brasil, na quinta-feira, sai a prévia da inflação oficial, o IPCA-15 de agosto, cuja coleta de preços termina 15 dias antes da do IPCA, usada pelo Banco Central em suas metas de inflação. O Banco Fator projeta uma inflação de 0,18% do IPCA-15 em agosto, com 3,33% no acumulado de 12 meses. Em julho, o IPCA-15 subiu 0,09% e acumulava 3,27% em 12 meses. Apesar da alta, a inflação segue bem comportada.

Os dados de emprego com carteira assinada e a arrecadação de julho podem ser divulgados na próxima semana também, sem data certa.

BC volta a vender dólares

No dia 21, quarta-feira, o BC vai também voltar a vender, após dez anos, dólares à vista no mercado de câmbio. A troca de dívidas em dólar por dívidas em reais pelas empresas em um ambiente de juro baixo no Brasil pressiona o mercado à vista em relação ao mercado futuro. A troca, portanto, não é permanente, dado que o estoque de dívidas é limitado, explica o Banco Fator.Para o Fator, as discussões sobre manutenção de reservas, seus custos e tamanho, bem como seus efeitos sobre a dívida interna bruta e a despesa do Tesouro com juros vai ser retomada. A avaliação do banco é que manter reservas na situação global atual é adequado, combinado com flutuação suja do câmbio. Uma venda de 10% das reservas resultaria na redução da dívida bruta em 2,2% do PIB e redução das despesas com juros em 0,2% em um ano. O fluxo cambial, que acumula déficit de 2,04 bilhões de dólares em 2019, indica maior demanda pela moeda estrangeira.

Novas linhas de crédito imobiliário pelo IPCA

Antes, na terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro deve anunciar que a Caixa Econômica Federal vai começar a oferecer crédito imobiliário com correção pela inflação do IPCA. Hoje, os contratos do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) são corrigidos pela correção da poupança mais a Taxa Referencial (TR), que está em zero há vários meses. Com a mudança, os bancos poderão oferecer o crédito com juros reais mais o IPCA, voltando a indexar os contratos do setor à inflação, como era antes do Plano Real.

Segundo o presidente, será uma “mudança histórica” no crédito imobiliário, que, segundo ele, “mudará a vida dos brasileiros” e “fará os juros caírem 31,5%”. Ele prometeu o anúncio da quinta-feira, depois que foi divulgado que o Conselho Monetário Nacional (CMN) havia autorizado os bancos a fazer financiamentos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH), com taxas subsidiadas, usando o IPCA como indexador. A medida está sendo preparada pela Caixa, segundo o presidente. O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que o banco está próximo de anunciar oficialmente linhas do SFH corrigidas pelo IPCA.

Outros bancos também devem aproveitar para anunciar as novas linhas.

Nos mercados, a expectativa será com a avaliação dos balanços das empresas, cuja divulgação terminou na quinta-feira da semana passada.

Argentina troca comando da economia e recebe FMI

A Argentina também deve estar no radar dos investidores, com a crise provocada pela provável vitória da chapa da ex-presidente Cristina Kirchner, que promete rever a política de austeridade adotada pelo atual presidente, Maurício Macri. No fim de semana, o ministro da Fazenda pediu demissão e foi substituído pelo ministro da Economia da Província de Buenos Aires. O novo ministro deve receber o representando do FMI esta semana ou na próxima para discutir a liberação de US$ 5,3 bilhões para o país.

Angelo Pavini

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Rafael Scariot
Rafael Scariot

top matéria amigo.  ... (Leia Mais)

12.09.2019 13:45 GMT· Responder
Felippe Silva
Felippe Silva

eua prolongando isençôes pra Huawei, voltando negociações com a China, tudo verde la fora e em forte alta... Brasil querendo lançar a semana do Brasil no varejo... cade as notícias boas do fim de semana?   ... (Leia Mais)

19.08.2019 10:55 GMT· Responder
Heleno Cardoso
Heleno Cardoso

Bolsonaro precisa vetar a lei de abuso de autoridade, isso causa insegurança jurídica no país, Rodrigo Mala e David Alcolumbre com auxílio de Rodrigo Pacheco chefiam o crime organizado no país.  ... (Leia Mais)

19.08.2019 10:54 GMT· 1 · Responder
Felippe Silva
Felippe Silva

ibov p cima  ... (Leia Mais)

19.08.2019 10:50 GMT· Responder
Ottorino Cetti
Ottorino Cetti

O mundo está pegando fogo e você vai discutir abrir mão desse seguro? Não acho que é o caso e nem acho que é a discussão corrente no BC neste momento", afirmou Garcia. "Não vejo essa discussão ficando oportuna logo." A redução da Taxa SELIC, pelo BC, foi precipitada. Agora será necessário aumentar, por causa do risco sistêmico. Ouvi alguém em uma entrevista dizendo q o câmbio ensina humildade aos economistas!!! Essas saídas e recursos internacionais podem não ser nada mas, mas pode ser uma aposta em uma desvalorização do Real, a níveis comparáveis para o atual contexto  ... (Leia Mais)

19.08.2019 10:48 GMT· Responder
Ottorino Cetti
Ottorino Cetti

Dólar tem queda pontual com leilões à vista do BC, mas pressão externa mantém tendência de forte alta                                                                                                           O que dá respaldo ao novo modelo de intervenção do BC é o conceito de posição cambial líquida --basicamente reservas internacionais descontado o estoque de swaps. Atualmente, essa posição está em torno de 326 bilhões de dólares, e não 380 bilhões como erroneamente diz BC. A discussão sobre o nível ótimo de reservas, contudo, ainda não parece "oportuna", segundo o economista Márcio Garcia, professor da PUC-Rio e estudioso de políticas monetária e cambial. "!!!  ... (Leia Mais)

19.08.2019 10:47 GMT· Responder
Alexandre Borges
Alexandre Borges

ibov caindo!!  ... (Leia Mais)

19.08.2019 10:22 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+