Tempestade Perfeita

Tempestade Perfeita

Julio Hegedus Netto  | 11.11.2013 15:17

Uma semana infernal para os mercados. No período de 4 a 8/11 o dólar rompeu R$ 2,30, atingindo R$ 2,34 no último dia, depreciando o real acima de 8% desde o dia 16/11 (R$ 2,1610); a bolsa de valores acumulou queda de 4,0% na semana; o Credit Default Swap (CDS), de dez anos, seguro contra calote de dívida, chegou a 240 pontos, bem acima do registrado em outros emergentes, o EMBI foi a 231 pontos básicos (8,5% na semana) e os contratos de juros futuros, de janeiro de 2017, negociados acima de 11,5%.

Membros do governo acham que isto foi um “ataque especulativo à política fiscal do governo, engendrado pela imprensa”. Outros acham que a situação fiscal segue sob controle. Será mesmo?

Não acreditamos.

Como já dito antes, a impressão que se tem é que o “copo transbordou” e a paciência dos investidores acabou com o governo adotando um “discurso vago” e os indicadores só piorando. Isto se refletiu, inclusive, em parte, no saldo cambial de outubro, negativo em US$ 6,2 bilhões, com fortes saídas líquidas no financeiro, de US$ 5,1 bilhões, com o comercial a US$ 1,1 bilhão.

Para piorar tudo, o Financial Time veio com uma matéria na qual o Brasil seria o pior dos emergentes dos Brics, devendo ter sua nota soberana rebaixada em breve. Importante frisar que caso isto ocorra não sairemos do “grau de investimento”, visto que estamos a dois degraus do “nível especulativo” (rebaixamento costuma ser de um nível), mas tudo é possível nesta difícil situação fiscal em que o País se encontra.

O fato é que tudo começou (ou foi “detonado”) depois de divulgados os indicadores fiscais de setembro. O saldo primário consolidado foi negativo em R$ 9 bilhões, pior em muitos anos, acumulando em 12 meses superávit de 1,58%, bem abaixo do mês anterior (1,82%). No ano, as despesas com custeio e transferências sociais seguem aumentando muito, acima do PIB nominal, e as receitas e investimentos pouco avançam. Temos uma gestão fiscal errática, cheia de maquiagens, desonerações sem efeito, despesas de baixa qualidade e só o governo não reconhece seus erros. Com sorte, usando o bônus de R$ 15 bilhões do leilão de Libra, dentre outros, fecharemos o saldo primário deste ano em torno de 1,7% do PIB.

Completando o cenário, nos EUA aumentam as chances do Fed antecipar o início da redução de compra de ativos na reunião, dia 17/12. Isto, aliás, também ajuda a explicar a depreciação cambial em curso. Além do mau humor com nossa política econômica errática, os investidores externos estariam migrando para o mercado norte-americano, buscando segurança nos treasuries bonds.

Para que isto aconteça, os indicadores econômicos norte-americanos precisam mostrar recuperação mais consistente. Na semana passada tivemos o PIB do terceiro trimestre e os indicadores do mercado de trabalho, payroll e taxa de desemprego, essenciais para esta tomada de decisão. Com a economia crescendo mais, aumentariam as pressões inflacionárias, jogando o IPC próximo a 2,5% e a taxa de desemprego a 6,5% da PEA, gatilhos para este processo de redução.

Sobre o PIB do terceiro trimestre, contra o anterior, o crescimento anualizado foi de 2,8%, acima do registrado no segundo trimestre (2,5%), com grande contribuição do ajuste de estoques, que acrescentou 0,8 ponto percentual ao desempenho. Sem este, talvez o crescimento fosse mais próximo a 2%, segundo estimativas do mercado. Os investimentos imobiliários vieram mais fortes, assim como o consumo do governo local, com o federal em queda e o consumo das famílias mais fraco (1,5% no trimestre contra 1,8% no anterior).

No mercado de trabalho, o payroll veio forte, com expansão de 204 mil, contra estimativa de 100 mil e a taxa de desemprego a 7,3% da PEA, próxima do mês anterior (7,2%). Ou seja, estes indicadores mostram a economia retomando, mesmo que em ritmo moderado, visto que o consumo das famílias e os investimentos não residenciais ainda não deslancharam.

Para o quarto trimestre, reflexo da paralisia do governo (shotdown) na primeira quinzena de outubro e medidas de ajuste fiscal, o PIB deve vir mais fraco, mesmo com a proximidade das festas de final de ano (período forte para o consumo das famílias). O acúmulo de estoques também pode frear esta recuperação da economia norte-americana. Para piorar, no primeiro bimestre de 2014 teremos mais um impasse fiscal com o fim do novo prazo de limitação da dívida e mais paralisias.

Mesmo assim, não podemos afastar o fato de que o processo de antecipação de redução da compra de ativos possa ocorrer em dezembro. Com isto, e “mantidas as condições atuais de temperatura e pressão”, estaríamos próximos de uma “tempestade perfeita”, com a conjugação de fatores negativos entre o final deste ano e o início do próximo (primeiro trimestre).

Dentre estes fatores, destaquemos o possível rebaixamento da “nota soberana” do Brasil pelas agências de rating, tornando mais caras as captações das empresas e do governo no mercado exterior, deterioração de indicadores ficais e externos, nos chamados “déficits gêmeos”, além da citada antecipação do processo de redução de compra de ativos pelo Fed. Como resultado, o câmbio deve se depreciar mais, impactando na inflação e forçando o BACEN a elevar o juro. A situação fiscal ficará pior e a economia crescerá menos, dado o juro mais alto, a inflação e a corrosão da renda real. Como o ano que vem é eleitoral, crescem também as pressões por novos gastos.

Como evitar este cenário?

Principalmente, com o governo se aproximando da sociedade, melhorando a relação com o setor privado e o mercado, adotando medidas críveis, que revertam esta onda de desconfiança atual, principalmente, na área fiscal. O governo deve adotar medidas concretas, ajustes de fato nas despesas correntes, mesmo que com custos eleitorais. Esta seria a decisão correta. Se fará, não sabemos.
Real GDP

Julio Hegedus Netto

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.