“Todos Perderão”, é a Percepção Global Fomentando a Disfuncionalidade dos Mercados

“Todos Perderão”, é a Percepção Global Fomentando a Disfuncionalidade dos Mercados

Sidnei Nehme  | 15.08.2019 07:30

O “estrago” está feito e já não há condições de recuos recuperatórios na economia global.

Os Estados Unidos, instigador principal dos confrontos geopolíticos, passou a temer por uma recessão e isto poderá ser fatal para as pretensões presidenciais de reeleição do atual Presidente, Donald Trump, que está, acreditamos, chegando a conclusão dos grandes danos causados por sua intempestividade às relações comerciais envolvendo a economia mundial e do quase nenhum retorno, fomentando, intensamente, a disfuncionalidade generalizada.

A perspectiva é que a economia global recrudesça na sua dinâmica de crescimento, revelando que todos os países sairão menores e perdedores em intensidades diferentes, mas perdedores, deste embate desorganizador implementado pelo Presidente americano, com foco direto sobre a China.

Afinal, são os líderes mundiais e a economia globalizada naturalmente não permite isolamentos, muito pelo contrário, irradiam em cadeia todos os malefícios oriundos deste embate que começou com conotação comercial e aplicação punitiva de tarifas e, acabou desandando, para ameaça concreta de guerra cambial envolvendo inclusive o juro, tornando as perspectivas absolutamente inseguras e provocando a prevalência da postura defensiva global e a busca pela segurança em detrimento da rentabilidade.

Estados Unidos com perspectivas de recessão, contrapondo-se a sua dinâmica forte até então, Europa, afetada pela perda de atividade da Alemanha, perdendo ritmo de atividade e naturalmente de crescimento e a China revelando queda da produção industrial atingindo o menor ritmo de 17 anos.

E os demais sofrem os efeitos diretos desta “decadência” em proporções díspares, mas de forma mais intensa nos países emergentes, que ficam totalmente vulneráveis com a aversão do risco, e com isto deixam de receber fluxos externos e, o pior, passa a registrar retiradas de recursos estrangeiros alocados em seu mercado financeiro.

E este cenário conturbado encontra o Brasil com sua economia estagnada, que provoca grande desemprego, perda de renda da população, baixo potencial de consumo, e já carente de fluxo cambial visto vir registrando saldo negativo este ano, registrando uma diferença expressiva em torno de US$ 31,0 Bi líquidos em relação aos ingressos em 2018, quando era positivo.

O novo governo implementa reformas pontuais e absolutamente necessárias e outras decisões de ordenamento e desburocratização, mas revela baixíssima capacidade de investimentos estruturais fundamentais e que gerariam emprego, renda e consumo, e, isto o faz “transferir” a obrigação dos investimentos ao setor privado que, por ter grande capacidade ociosa e estoques, demonstra baixa tendência a efetuá-los enquanto não houver melhora da demanda, o que cria um “corner” de difícil superação.

O país está organizado em termos de inflação absolutamente controlada e cadente, consequente em parte da inércia da atividade econômica, juros baixos, e com as reformas, em especial a da Previdência, reorganizando a questão fiscal que estava deteriorada, mas o Governo não obterá recursos a partir deste cenário benigno e tem o “corner” posto como entrave para encetar impulso à atividade econômica e desenvolvimento.

O país detém neste momento um ostensivo CDS 5 anos em torno de 135 pontos, embora não detenha o grau de investimento, que o credencia a ter atratividade externa, mas enfrenta a carência de apelo com oportunidades dada a inércia da atividade econômica e, agora, agravada com a aversão ao risco presente no mercado global.

O Brasil, sabidamente, tem uma situação cambial fortemente defendida ao deter reservas cambiais acima de US$ 380,0 Bi e déficit em transações corrente equilibrado, mas a aversão ao risco deflagrado no cenário global que desloca recursos em busca de proteção para o ouro, dólar, yen e franco suíço, provoca desvalorização conjuntural das moedas emergentes, como o real, frente às moedas e ativos “portos seguros” e provoca a valorização das mesmas no mercado global.

O fluxo cambial neste mês até o dia 9 está positivo em US$ 169 MM, mas as saídas financeiras registram US$ 2,112 Bi que deve ser a tendência doravante com maior dimensão.

No contexto atual é inevitável que o real, moeda de país emergente, a despeito de o país estar bem ancorado na questão cambial, não repercuta de forma direta a pressão do mercado global com a aversão ao risco.

Adicionalmente, o país tem outro fator que deve merecer atenção e que decorre do estreitamento das taxas de juro interna e externa, havendo grande pressão para que a SELIC seja reduzida a 5% ou menos ao ano, e isto pode no estado de aversão predominante afetar o custo do cupom cambial e imputar pressão adicional na formação do preço da moeda estrangeira a partir do mercado de câmbio à vista, provocando disfuncionalidade.

No nosso entendimento, mesmo que o FED ceda às pressões do Presidente Trump ante a ameaça de recessão da economia americana, é muito improvável que o fato arrefeça o viés de alta do dólar no mercado internacional, visto que num contexto de prevalência de incertezas a segurança é prioritária em relação ao rendimento.

Então, a conclusão mais racional que se pode ter para este momento de incertezas e insegurança, será de tendência do preço do dólar manter-se elevado no nosso mercado, ainda que o BC venha a intervir o que entendemos que só criaria volatilidade, e que a Bovespa tem frágil sustentabilidade no entorno de 100 mil pontos, pois com a ausência do investidor estrangeiro, seja pela aversão ao risco seja por falta de oportunidades decorrentes da inerte atividade econômica, o investidor nacional não tem capacidade de promover por si só e pelo estado da economia movimento de alta.

Este é um contexto sem perspectivas de tempo de duração, no momento, por isso compromete a grande maioria das projeções atuais.

Nota:

BC ofertará até US$ 550 milhões/dia no mercado de câmbio à vista à partir de 21 de agosto de 2019

"Posição líquida de cambio é igual reservas cambiais totais menos parcela comprometida com swaps cambiais.

Com esta "bicicleta" mantém a posição líquida inalterada pois reduz o total de reservas cambiais e compensa com a redução de swaps cambiais.

Liquida com os swaps cambiais reversos os swaps cambiais vincendos pagando com moeda efetiva.

Aliviará a pressão adicional que poderia vir do mercado de cupom cambial pela baixa liquidez do mercado à vista e estreitamento do juro interno e externo.

Contudo há uma pressão de alta do preço do dólar conjuntural que manterá a tendência.

Sidnei Nehme

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
filipe moreira
filipe moreira

bom artigo. Eu ainda sustento a minha opinião de que os maiores problemas "por debaixo da superfície" causados pela pretensão do Federal Reserve e outros bancos centrais de conseguirem "evitar recessões", através de erros consecutivos de taxa de juros e cheap money, o que vem gerando recessões cada vez mais traumáticas. A guerra comercial teve sua parte na catástrofe (assim como teve na década de 30 nos EUA, e se o Trump não acabar com essa loucura a tempo vai ser assutador o que está por vir), mas a guerra comercial não é TODO o motivo do desastre... na verdade os governos e os bancos centrais parecem disputar quem interfere mais na economia... não aceitam os ciclos naturais, abordam os desafios econômicos como uma espécie de "engenharia econômica" que quanto mais mexem mais piora. E agora vivemos uma época que os mercados sobem parabolicamente e caem balisticamente a nível de volatilidade absurdos, pq dinheiro barato é dinheiro irresponsável.  ... (Leia Mais)

16.08.2019 16:52 GMT· Responder
Jordann
Jordann

excelente artigo, parabéns e continue a contribuir  ... (Leia Mais)

15.08.2019 18:43 GMT· Responder
Fabio Piloto
Fabio Piloto

O Brasil fazendo sua parte sairá fortalecido dessa crise.  ... (Leia Mais)

15.08.2019 15:16 GMT· Responder
Ronaldo Cajares
Ronaldo Cajares

Sidnei, o artigo está excelente no todo é possivel compreender em detalhes o cenário atual. Entretanto, em diversos comentários que faço, fico atento há alguns termos que podem ocasionar ambiguidade no sentido do que se quer reportar. Sendo assim, o termo recrudescer ficou ambiguo no trecho: “A perspectiva é que a economia global (recrudesça) na sua dinâmica de crescimento, revelando que todos os países sairão menores e perdedores em intensidades diferentes, mas perdedores, deste embate desorganizador implementado pelo Presidente americano, com foco direto sobre a China.” Grosso modo, se assim, lhe serviu a dica: entendi crescimento global porém, países fracos. No mais, excelente artigo e penso da mesma forma.  ... (Leia Mais)

15.08.2019 13:14 GMT· 2 · Responder
Francisco Assis
Francisco Assis

Bom dia, Sr. Sidney. Sou assinante assíduo e acompanho suas publicações há muito tempo. Em sua concepção, uma confirmação de recessão norte americana, quais possíveis impactos à América Latina, mais precisamente ao Brasil em primeira escala. Obrigado.   ... (Leia Mais)

15.08.2019 12:39 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+