O Que o Yield Americano Tem a Ver Com os Seus Investimentos - Tônica da Semana

O Que o Yield Americano Tem a Ver Com os Seus Investimentos - Tônica da Semana

William Alves  | 10.12.2018 09:57

Bom dia srs e sras! Estou em trânsito novamente. Essa vida de cigano não é mole!! Mas estou voltando para Inglaterra hoje, pois a saudade da esposa e da minha filhota já não cabe no peito.

Promessa é dívida. Prometo que no meio da semana dou minha opinião sobre o IPO de BMG. Vou fazer um postar aqui. Lembro que é só mais uma opinião em meio a diversas outras.

O QUE PESOU NO MERCADO

Semana passada postei “Papai Noel chegando mais cedo?” … quem leu sabe que não acredito no velhinho, ainda mais vestindo vermelho né! Pois então…tivemos 3 fatores explicam o que pesa no mercado:

  1. Mercado passa a duvidar da capacidade ou viabilidade de um acordo efetivo entre China e EUA para acabar com a guerra comercial.
  2. A diretora da Huawei foi presa no Canadá, a pedido dos EUA, algo que irrita os chineses e põe banho de água fria na aparente trégua entre os 2 países.
  3. A curva de yield americano inverte e os ursos voltam ao mercado chamando atenção para uma recessão na economia americana, em algum momento lá na frente.

INVERSÃO DA CURVA DE YIELD AMERICANA E SEUS INVESTIMENTOS

Primeiro acho que vale comentar o terceiro ponto: que raios é isso de inversão da curva de yield e porque é ruim?

De forma simples, quando as taxas de juros de curto prazo ficam mais altas que as taxas de longo prazo!

O gráfico abaixo foi o foco do mercado na semana passada. Nele você tem o diferencial de taxa entre os títulos americanos de 5 anos e 2 anos. É um menos o outro mesmo.

Spread entre os juros dos títulos de 2 anos e 5 anos dos EUA

É normal que títulos mais longos paguem uma taxa maior para compensar ao investidor o maior risco. Pense você qual seria a taxa de juros que você cobraria para um empréstimo de 1 ano? Agora se fosse um empréstimo de 5 anos? Maio prazo –> maior risco –> maior taxa…simples assim. Só que o que aconteceu na semana passada foi que as taxas de 5 anos passaram a ser menores que as de 2 anos, o que parece não fazer muito sentido não é mesmo? Sim, há menos que tenha alguma M…ali na frente que jogue a economia para o buraco … ora uma numa economia em recessão o Banco Central age e joga as taxas de juros no chão pra tentar estimular a economia.

Então em suma é: mercado não tem acreditado que a economia americana seguirá pujante e vê sinais de perigo na frente. Ahh e só pra não deixar passar batido, o diferencial de taxas de 10 anos e 2 anos também está perto de inverter.

Spread entre os juros dos títulos de 2 anos e 10 anos dos EUA

Bom e o que pesa ainda mais é que olhando o passado, esse fato (a inversão da curva) foi um bom preditor de recessões nos EUA. No gráfico abaixo marquei com círculos vermelhos o quando isso aconteceu. Veja que logo o spread de taxas (diferencial) voltam a subir em resposta a uma grave crise que joga o país em recessão (áreas cinzas do gráfico).

Curva de juros e a recessão nos EUA

Outra consequência desse movimento de inversão da curva, e também reflexo de um cenário de medo de uma crise, é o aumento da volatilidade em termos gerais do mercado. Gráfico abaixo tenta mostrar isso. A linha vermelha é o diferencial de taxas (eixo invertido) e em azul a média do VIX que é um índice de volatilidade.

VIX e títulos dos EUA

Volatilidade não necessariamente é algo ruim, mas indica que o cidadão terá que ter mais estômago para investir em ações.

Então a questão central que se colocou no mercado é: estamos a beira de uma grande crise na economia americana. Se de fato a maior economia do mundo sofrer, todos sofremos. Logo os ativos de maior risco como ações sofrem.

RAY DALIO E A BOMBA RELÓGIO

Sobre esse assunto, Ray Dalio, o gestor do maior hedge fund do mundo prevê que em 2 anos teremos uma crise nos EUA e ela será advinda do descontrole fiscal das contas públicas americanas. Ele inclusive levanta uma polêmica de que o Dólar como reserva de valor perderia espaço, será??

A matéria do Samour é interessante. Segue o link abaixo:

“Bomba-relógio”: as previsões de Ray Dalio sobre a próxima crise.

Isso deu o que falar nos EUA e ajudou ele a vender seu livro, rs. Argumentos bons, agora uma crise em 2 anos? E pra isso não precisa ele falar. Tem gente que calcula índices de probabilidade de recessão. Abaixo um gráfico da Oxford Economics mostrando que sim, de fato a probabilidade vem aumentando, mas que ainda esta em nível baixo quando comparamos a outros momentos

Probabilidade de recessão

Então uma crise é totalmente possível, mas e aí? Saio do mercado e espero? Fico 2 anos esperando? Fica meio vago né! E a solução dele é comprar 10% da carteira em OURO, ok, bacana, eu mesmo já falei disso recentemente. Não resolve por completo, mas ajuda. Inclusive no curto prazo o ouro resolveu andar:

Cotação diária do ouro

DÓLAR

E num cenário de maior estresse o dólar reage. Lembram que eu falei do Dólar parecer barato a 3,70? Comentei isso aqui no dia 05/11 com dólar a R$ 3,72:

“To começando a achar o dólar barato abaixo R$ 3,70. Na real não sei dizer ao certo, rs, mas já começo a pensar que pode estar sim. Sei lá, talvez tenha espaço para ir um pouco mais, mas não vai cair pra sempre
#prontofalei”

Dólar para real

BRASIL MOSTRA TUA CARA

Mas mesmo com o mundo indo mal temos muita coisa a melhorar então Brasil, mostra a tua cara! Será? Na semana que passou tivemos alguns dados ruins da economia como:

  • as exportações de carros divulgadas pela Anfavea e que decepcionaram (vide gráfico abaixo);

Exportação de carros

  • a produção industrial mostra que a atividade também não está retomando na velocidade que gostaríamos;
  • e no campo político, nada de avanço sobre uma reforma da previdência que parece ficar pra 2019.

Melhor não mostrar a cara não. Deixa nóis quieto aqui, rs

MINHA OPINIÃO SOBRE TUDO ISSO:

Brincadeiras a parte, penso que a mudança que pode ocorrer no Brasil é gigantesca e isso pode motivar uma forte reprecificação de ativos aqui dentro. Vejo espaço para nossa bolsa andar e para as small caps subirem ainda mais. Não por acaso a minha carteira é recheada delas. Sigo otimista.

Mas não sou ingênuo e sei que uma crise nos EUA afeta todos nós e sei que minha carteira sofreria bem com isso.

Mercado se apega ao que quer. No momento é isso. Em algum momento teremos uma crise nos EUA, isso é um fato! A economia é cíclica, isso é normal. HOJE não vejo motivos, ou não vejo nenhuma bomba estourando capaz de dar o pontapé inicial. Por isso sigo comprado e otimista. Mas gato escaldado tem medo de água quente, então seguimos aqui monitorando.

Se tiver uma crise nos EUA, talvez o melhor lugar para se ter seu dinheiro é exatamente lá! Fiz um post explicando:

5 RAZÕES PELAS QUAIS VOCÊ VAI QUERER TER SEU DINHEIRO NOS EUA, CASO HAJA UMA GRAVE CRISE COMO 2008

Era isso.

Aquele abs!

William Alves

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Polski Português (Portugal) Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.