Três Fatores a Serem Observados no Mercado de Energia com a Alta do Petróleo

Três Fatores a Serem Observados no Mercado de Energia com a Alta do Petróleo

Ellen R. Wald, Ph.D.  | 14.03.2019 06:04

Artigo publicado originalmente em inglês no dia 14/3/2019

Enquanto a geopolítica e os desastres no setor de transporte impactam os mercados de petróleo e combustíveis, os CEOs de algumas empresas petrolíferas parecem estar mais preocupados com a mudança climática e o ambientalismo. Para os traders de petróleo e ações, é preciso ficar de olhos atentos a essas novas estratégias corporativas.

1. Grandes petrolíferas adotam diferentes estratégias

As grandes petrolíferas estão adotando diferentes estratégias para atrair os investidores. Os baixos preços do petróleo reduziram seus lucros nos últimos anos, enquanto empresas como BP (NYSE:BP), Equinor (NYSE:EQNR) (antiga Statoil) e Royal Dutch Shell (NYSE:RDSa) atribuem a perda de confiança dos investidores ao fato de não estarem lidando adequadamente com a mudança climática. A BP e a Equinor acreditam que falar com os investidores sobre questões climáticas e a contribuição do petróleo nesse assunto melhorará sua imagem. É questionável se essa estratégia de questionar repetidamente a moralidade de todos os negócios envolvendo hidrocarbonetos será capaz de recuperar a confiança dos investidores e os preços das ações.

A Royal Dutch Shell está basicamente se reformulando como uma empresa de energia, em vez de uma petrolífera. Ela busca se tornar “a maior empresa mundial do setor elétrico” até o início da década de 2030. A Shell tem vendido grande parte dos seus ativos de exploração e produção para adquirir, em seu lugar, ativos de energia renovável. De fato, a Shell está participando de um processo de licitação para construir parques eólicos no Mar do Norte. As margens dos fornecedores de eletricidade são geralmente muito menores do que as das petrolíferas, portanto, ainda não é certo se a Shell, na condição de empresa de energia, será capaz de conseguir os retornos de 8%-12% que procura.

Outras grandes petrolíferas, como a Hess (NYSE:HES), a Chevron (NYSE:CVX) e a Exxon Mobil (NYSE:XOM) estão se concentrando mais em aspectos tradicionais. O CEO da Hess, John Hess, falou recentemente sobre a venda de ativos de exploração e produção de alto custo. A Chevron e a Exxon estão expandindo as perfurações na região do Permiano, onde têm bom acesso a oleodutos e meios de distribuição.

2. Produção de petróleo e sanções

Os preços do petróleo subiram ontem, após notícias de que o crescimento da produção na região do Permiano foi superestimado em dezembro, janeiro e fevereiro.

Oil 300 Minute Chart

A produção petrolífera ainda está crescendo nos EUA, mas não com as taxas projetadas pela Agência de Informações Energéticas (EIA, na sigla em inglês) do país. Os preços da gasolina estão em alta nos EUA, com aumentos na ordem de 34 centavos por galão em algumas regiões. Os apagões na Venezuela estão impedindo o carregamento de petróleo nos navios para exportação, o que está provocando a alta dos preços. Além disso, a Arábia Saudita está planejando produzir menos de 10 milhões de barris por dia (bpd) em abril e março, o que também é uma notícia altista para o petróleo.

Isso faz com que a política do Departamento de Estado norte-americano para as Isenções de Redução Significativa (SRE, em inglês) seja ainda mais crucial para os mercados de petróleo no segundo semestre. As SREs são usadas pelos EUA para permitir que determinados países continuem importando quantidades específicas de petróleo do Irã durante as sanções. O Secretário de Estado, Mike Pompeo, reiterou recentemente que os EUA estão focados em zerar as exportações petrolíferas do Irã, mas não forneceu um prazo específico para que isso ocorra. Outras autoridades do Departamento de Estado enfatizaram que as previsões da EIA mostram que o mercado de petróleo continuará com um excesso de oferta de cerca de 400,000 bpd em 2019. Eles acreditam que um mercado bem abastecido é crucial para que os EUA mantenham suas sanções à indústria petrolífera da Venezuela e do Irã de forma simultânea.

Atualmente, as exportações de petróleo do Irã são de 1,4 milhão de bpd em média, portanto é pouco provável que os EUA tentem eliminar todo esse petróleo do mercado em maio. Brian Hook, representante do Departamento de Estado para o Irã, não recomendou isenções específicas, mas afirmou recentemente que o presidente norte-americano estava preocupado em garantir que o mercado de petróleo estivesse “bem abastecido e estável”. As autoridades do Departamento de Estado provavelmente ficarão de olhos atentos ao mercado de petróleo até o fim de abril, mas tudo indica que as SREs serão mantidas para a China e a Índia, maiores clientes do Irã, até o fim de 2019.

3. Demanda de combustível de aviação

A demanda de combustível de aviação nos EUA permaneceu forte em fevereiro, de acordo com o Instituto Americano do Petróleo. Esse é geralmente um bom indicador do crescimento econômico nos Estados Unidos. Entretanto, o recente acidente com um avião 737 Max 8 da Boeing (NYSE:BA) na Etiópia está fazendo com que diversos países mantenham esses modelos em solo, o que acarretará atrasos e cancelamentos de voos em todo o mundo. Agora que os Estados Unidos também estão proibindo o uso desses aviões, a expectativa é que haja uma queda na demanda de combustível de aviação em março no país.

Ellen R. Wald, Ph.D.

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Fabio Piloto
Fabio Piloto

Só não concordo que a proibição de vôo do MAX provocará diminuição na demanda de combustível uma vez que aviões menos eficientes voltarão a ativa.  ... (Leia Mais)

28.03.2019 15:06 GMT· Responder
Fernando Dória Dória
Fernando Dória Dória

A Shell está se metendo numa empreitada arriscada para garantir apenas boa imagem!!!   ... (Leia Mais)

15.03.2019 01:24 GMT· Responder
Adriano Morais
Adriano Morais

hoje Chegou a 68,69. Mas tomei stop loss na queda acentuada das 07:30 da manhã   ... (Leia Mais)

14.03.2019 21:07 GMT· Responder
Adriano Morais
Adriano Morais

hoje Chegou a 68,69. Mas tomei stop loss na queda acentuada das 07:30 da manhã   ... (Leia Mais)

14.03.2019 21:07 GMT· Responder
Gil Leôncio Duarte
Gil Leôncio Duarte

excelente análise do setor petrolífero!!!  ... (Leia Mais)

14.03.2019 16:42 GMT· Responder
Darciel Rodrigues
Darciel Rodrigues

tá top  ... (Leia Mais)

14.03.2019 15:11 GMT· Responder
Darciel Rodrigues
Darciel Rodrigues

tá top  ... (Leia Mais)

14.03.2019 15:11 GMT· Responder
Douglas Oliveira
Douglas Oliveira

Valeu!   ... (Leia Mais)

14.03.2019 14:58 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+