O Dólar Voltará a Atrair Compradores em Agosto?

O Dólar Voltará a Atrair Compradores em Agosto?

Kathy Lien  | 03.08.2020 10:49

O mês de julho foi bastante difícil para o dólar. A moeda americana se desvalorizou bastante contra todas as principais moedas, atingindo as mínimas de vários meses ou anos. Em um mês, a divisa perdeu 6% do seu valor contra a libra esterlina, 5% contra o euro e mais de 4% contra o franco suíço e o dólar australiano.

Os investidores tinham razões de sobra para abandonar o greenback, como o aumento de casos de coronavírus no país, a queda dos rendimentos dos títulos do tesouro americano, a expiração dos benefícios de estímulo, as turbulências domésticas, um presidente da república imprevisível e tensões políticas com vários países ao redor do mundo, para citar alguns exemplos.

A pá de cal veio na quinta-feira, quando o presidente Donald Trump sugeriu um atraso nas eleições de 2020, o que é inconstitucional. Líderes republicanos foram rápidos em rejeitar a ideia, mas os investidores temem que o atual mandatário tentará deslegitimar o pelito de outras formas. Esse obscuro cenário político-econômico no dólar estadunidense dificulta a atração de compradores. 

Não obstante, o dólar sobrevendido se recuperou na sexta-feira, fazendo os investidores se perguntassem se poderia haver uma retomada maior neste mês. Os dados dos EUA foram mistos, já que os gastos pessoais subiram mais do que o esperado, mas a renda caiu. Mas o fato de haver uma surpresa de alta foi suficiente para levantar o dólar. Uma possível realização de lucro em moedas que se estenderam demais pode gerar mais ganhos no dólar neste mês sem relação com a demanda subjacente.

Os casos de vírus voltaram a subir em várias partes do mundo, o que gerou preocupações com o ritmo das retomadas. O crescimento estará no centro das atenções nesta semana, com o calendário econômico repleto de eventos, como dois anúncios de política monetária, três relatórios de emprego, dados de comércio na China, ISMs nos EUA, além de outros eventos capazes de movimentar o mercado.

Os investidores querem saber se a recuperação na indústria e serviços continuou nos EUA durante o mês de julho, mas o dado mais importante será a folha de pagamento não agrícola. O crescimento de empregos melhorou significativamente em junho após grandes perdas em abril, e economistas esperam que haja a continuação da recuperação em julho, mas em 2 milhões, o que marcaria uma desaceleração notável em relação ao aumento de 4,8 milhões do mês anterior.

A maioria das novas restrições em estados que registraram disparadas recentes de casos de covid-19 não foi implementada até meados de julho, portanto será interessante ver se o crescimento de empregos desacelerou antes disso. Se as recontratações continuaram em ritmo saudável, o dólar se valorizará, mas se ficarem aquém das expectativas, os investidores devem encarar com um mau presságio do que está por vir.

 O EUR/USD disparou acima de 1,19 antes da abertura de Londres na sexta-feira, mas rapidamente rejeitou esse patamar. A contração na economia da Zona do Euro no segundo trimestre foi levemente pior do que o esperado. A França e a Itália se saíram melhor do que o previsto, mas a Espanha desapontou.

Assim como nos EUA, esses números mostram a extensão dos danos da covid-19 na economia da região. Entretanto, ao contrário dos EUA, o fundo de recuperação e a relativa contenção dos casos de vírus na Europa devem conduzir a uma retomada mais vigorosa.

Além de revisões nos PMIs da Zona do Euro e dos dados de comércio da Alemanha, não há relatórios econômicos relevantes na região para esta semana, o que pode fazer com que o EUR/USD acompanhe os dados nos EUA e o apetite para o risco na moeda americana.

 Apesar de o EUR/USD ter corrigido na sexta-feira, o GBP/USD ampliou seus ganhos pelo 11º dia seguido de negociações. Essa é a mais forte sequência de ganhos para o par na última década. Existe uma resistência em 1.32, mas o nível principal a ser observado é 1.35.  

O Banco da Inglaterra tem um anúncio de política monetária nesta semana. Em sua última reunião, o comitê foi menos dovish do que o mercado esperava. Não há expectativa de mudanças significativas em suas projeções, já que a economia melhorou desde a última reunião de política monetária.

O Reserve Bank da Austrália, por outro lado, deve ser menos otimista, diante da deterioração dos dados e da alta de casos de vírus em Victoria. Apesar de o dólar neozelandês ter registrado a maior queda na sexta, o dólar australiano é a moeda mais vulnerável a uma correção nesta semana, por conta do RBA, PMIs e vendas de varejo.

A Nova Zelândia divulgará os números do mercado de trabalho do segundo trimestre. O dólar canadense foi mais resiliente, encerrando o dia estável, graças aos dados mais fortes do PIB mensal. 

Kathy Lien

Artigos Relacionados

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Fabio Spider
Fabio Spider

Ótimo resumo. Destaques bastante contundentes!!!  ... (Leia Mais)

03.08.2020 22:11 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.