ANÁLISE-Brasil coleciona frustrações após quase um ano de alinhamento com EUA

ANÁLISE-Brasil coleciona frustrações após quase um ano de alinhamento com EUA

Reuters  | 02.12.2019 19:41

ANÁLISE-Brasil coleciona frustrações após quase um ano de alinhamento com EUA

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Desde que assumiu o governo em Janeiro deste ano, o presidente Jair Bolsonaro deixou claro que sua política externa tinha um eixo central: o alinhamento praticamente automático com os Estados Unidos que, defendia, só traria benefícios para o Brasil, mas quase um ano depois, o país colhe muito mais frustrações e perdas do que vitórias.

A decisão anunciada nesta segunda-feira pelo presidente norte-americano Donald Trump de voltar a taxar o aço e o alumínio brasileiro caiu como uma ducha gelada --e sem aviso-- na proclamada relação direta entre Trump e Bolsonaro.

Dentro do governo, o anúncio feito pelo Twitter, foi visto com cerca perplexidade. Duas fontes questionaram o argumento do presidente norte-americano, de que o Brasil estaria desvalorizando propositadamente o real.

"No Brasil, o câmbio é flutuante e não há manipulação como Trump diz. Mas ele é muito imprevisível e acho que eleições lá estão ditando decisões", disse uma das fontes.

A avaliação é de que seria um "fato pontual", ligado a questões internas relacionadas às eleições presidenciais nos EUA no ano que vem, quando Trump buscará a reeleição, mas que não chegaria a ameaçar as negociações de um eventual acordo comercial --que, na verdade, ainda não tem nem mesmo um horizonte definido para além da vontade do Brasil, que vem cedendo em várias temas na tentativa de ganhar a boa vontade de Washington.

Nestes 11 meses, o governo brasileiro, ainda em março, concordou em implementar uma cota de importação de 750 mil toneladas de trigo sem tarifas, o que beneficia diretamente os produtores norte-americanos. Na época, um dos negociadores brasileiros afirmou que a medida serviria para mostrar que o Brasil estava disposto a realmente negociar.

Em setembro deste ano, foi a vez do etanol. Apesar dos protestos dos produtores brasileiros, o país aumentou, a pedido dos EUA, a cota de importação sem impostos de etanol de 600 milhões para 750 milhões de litros --fato comemorado por Trump em seu Twitter.

O Brasil também concordou em sair da lista de países com tratamento diferenciado da Organização Mundial do Comércio (OMC), a pedido dos norte-americanos, em troca do apoio de Washington à adesão rápida do Brasil à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O retorno, no entanto, foi de frustrações. O governo brasileiro esperava um apoio definitivo dos norte-americanos na reunião da OCDE em outubro, o que não veio. Ficou apenas a explicação de que o Brasil era "o próximo na fila" e o governo Trump iria sim apoiar quando chegasse a vez.

O Brasil também não conseguiu convencer os EUA a derrubarem o veto às exportações de carne bovina brasileiro. O mercado norte-americano está fechado há dois anos para os produtores brasileiros. O pedido foi feito pessoalmente por Bolsonaro a Trump na visita aos EUA em março mas, mesmo depois de duas visitas sanitárias, mais uma viagem ministerial e nove meses de negociações, o veto segue.

O pedido de que os EUA retirem taxas para a exportação de açúcar brasileiro, uma negociação que inicialmente vinha sendo feita em conjunto com a de importação do etanol, também não avançou.

Politicamente, o Brasil conseguiu dos norte-americanos ser designado como aliado preferencial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o que pode se reverter em acesso a tecnologias e espaço para aumento do comércio de materiais de defesa, mas ainda sem efeitos práticos.

GESTOS SEM RESPOSTA

Apesar da proclamada melhoria nas relações políticas, o comércio não traduz grandes benefícios para o Brasil. As exportações brasileiras cresceram apenas 450 milhões de dólares --2,04%-- entre 2018 e 2019, se comparados os períodos de janeiro a outubro, segundo dados consolidados do Ministério da Economia.

O Brasil ainda mantém um déficit comercial com os Estados Unidos, que até outubro deste ano já chegava a 1,13 bilhÃO de dólares.

"Países não têm amigos, têm interesses. A relação tem que ser feita em torno dos nossos interesses. Não é possível ficar pensando que relação pessoal resolva esses problemas", disse à Reuters o embaixador Rubens Barbosa, que chefiou a embaixada do Brasil em Washington no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Barbosa lembra que o governo brasileiro fez diversos gestos para melhora a relação com os EUA --não apenas na economia--, mas colheu muito pouco.

"Fica o governo brasileiro fazendo gestos e mais gestos em relação a um alinhamento à política americana, quando interesses brasileiros concretos são contrariados. O interesse nacional tem que estar acima de ideologias", critica.

A taxa sobre o aço brasilero foi implementada no início de 2018, mas suspensa depois de uma longa negociação ainda no governo do ex-presidente Michel Temer. A decisão de Trump de voltar agora com a barreira tarifária contra o Brasil foi justificada por uma suposta política brasileira de desvalorização proposital do real, o que nunca aconteceu.

"Essa alegação é um absurdo completo, não tem nenhuma base na realidade, nem aqui, nem na Argentina", disse a Reuters o embaixador José Alfredo Graça Lima, ex-subsecretario de Assuntos Econômicos do Itamaraty e perito da OMC. "A questão dos Estados Unidos é o preço do aço."

Graça Lima lembra que a indústria siderúrgica norte-americana é "problemática" e sofre com questões ligadas à competitividade.

"Os americanos, na verdade, se consideram muito mais obrigados com seus setores do que com qualquer aliança. E em matéria siderúrgica, os EUA não têm qualquer compromisso com seus parceiros. Seria ilusório esperar qualquer tipo de tratamento diferenciado", explicou.

Os EUA são o maior comprador de produtos siderúrgicos do Brasil, mas os valores caíram entre 2017 e 2018. Foram 6,6 milhões de toneladas em 2017 --3,85 bilhões de dólares-- e 6 milhões de toneladas em 2018 --com 2,8 bilhões de dólares--, de acordo com dados do Instituto Aço Brasil.

(Reportagem adicional de Rodrigo Viga Gaier, no Rio de Janeiro)

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Dann Berlind
Dann Berlind

De fato a redução de tarifas de importação e a fala do Guedes confirmam, em parte, essa estratégia do novo patamar  ... (Leia Mais)

03.12.2019 13:00 GMT· Responder
Tiago Santos Castro
Tiago Santos Castro

Isso que da ser lambe botas kkkkk  ... (Leia Mais)

03.12.2019 12:29 GMT· Responder
Cicero Cardoso
Cicero Cardoso

cégo.!.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 10:32 GMT· Responder
Felipe Rodrigues
Felipe Rodrigues

De fato a politica de desvalorização de nossa moeda esta chegando a um limite, bom pra exportação mas ruim pra quem importa e para os outros pontos de nossa economia. queria o que? que o trump desse joinha?  ... (Leia Mais)

03.12.2019 09:53 GMT· 1 · Responder
Felipe Rodrigues
Felipe Rodrigues

De fato a politica de desvalorização de nossa moeda esta chegando a um limite, bom pra exportação mas ruim pra quem importa e para os outros pontos de nossa economia. queria o que? que o trump desse joinha?  ... (Leia Mais)

03.12.2019 09:52 GMT· Responder
Franco Morales
Franco Morales

E agora presidente? vai continuar lambendo os sapatos dos Trump? Qual vai ser o próximo benefício? Já começa implementando o visto obrigatório para os norte Américanos aqui no Brasil. Bola fora está sua ai Sr. presidente da República.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 09:46 GMT· Responder
Jacques D Molay
Jacques D Molay

Enquete: De quem você sentiu mais raiva:( )Trump ( ) Bolsonaro ( ) Ou da Jornalista que só replicou uma matériakkkkkkk  ... (Leia Mais)

03.12.2019 05:01 GMT· Responder
Afrânio César
Afrânio César

É interessante observar que pessoas perdem o senso crítico quando fatos contra o Brasil acontecem. não se trata de compra ingenuidade administrativa. pra mim é burrice mesmo. achar que Trump vai beneficiar o Brasil em detrimento dos EUA.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 04:17 GMT· Responder
Afrânio César
Afrânio César

É interessante observar que pessoas perdem o senso crítico quando fatos contra o Brasil acontecem. não se trata de compra ingenuidade administrativa. pra mim é burrice mesmo. achar que Trump vai beneficiar o Brasil em detrimento dos EUA.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 04:17 GMT· Responder
Clóvis José Perinazzo
Clóvis José Perinazzo

Cada um faz o que é melhor para si, se tem alguém dando de graça esperando algum retorno, está totalmente equivocado. Se vc ficar na praça distribuindo dinheiro na esperança que alguém lhe dê algum em troca vida sua boa vontade, vai lá vê faz e veja o que acontece, os caras não te querem de amigo!  ... (Leia Mais)

03.12.2019 03:29 GMT· 1 · Responder
Fabio ZG
Fabio ZG

E a turminha do pt piiiiira no Trump. Qualquer desculpa para manter boquinha em estatal é valida. Nem atender telefone atendem. Depois que reclamam de estatal arrumam desculpinhas e ficam brabo. É funcionario de estatal sendo funcionario de estatal.   ... (Leia Mais)

03.12.2019 03:11 GMT· Responder
Andre Luiz Rocha
Andre Luiz Rocha

Muito simples: cancelar imediatamente 100% da importacao de etanol dos EUA. E postar no Twitter   ... (Leia Mais)

03.12.2019 02:59 GMT· Responder
Bruno Simão
Bruno Simão

já que todos perdem pq discutir partidos vamos discutir estratégias.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 02:34 GMT· Responder
Fhenergia
Fhenergia

Materia relatando fatos e a pessoa vira esquerdista! Kkkk  ... (Leia Mais)

03.12.2019 01:52 GMT· 3 · Responder
Sandro Eckermann
Sandro Eckermann

gostei foi que com toda essa matéria... contra declaração do Trump... a bolsa subiu, siderúrgicas subiram e dólar baixou kkķkkk até nisso trump ajuda  ... (Leia Mais)

03.12.2019 01:34 GMT· 1 · Responder
Alexandre Pelisson
Alexandre Pelisson

Lisandra, vc é esquerdista declarada... pare de fazer matérias tendenciosas...  ... (Leia Mais)

03.12.2019 01:31 GMT· Responder
Felipe Schneider
Felipe Schneider

Então quer dizer que os EUA são... protecionistas? Cadê o liberalismo?  ... (Leia Mais)

03.12.2019 01:30 GMT· Responder
Daniel Laet
Daniel Laet

Os bolsominios piram kkk  ... (Leia Mais)

03.12.2019 01:09 GMT· Responder
Eduardo Teixeira
Eduardo Teixeira

Que materiazinha esquerdista escrot@!  ... (Leia Mais)

03.12.2019 01:01 GMT· Responder
Lucas At
Lucas At

acordos devem ser bilaterais, o brasil se precipitou.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 00:56 GMT· Responder
Rodrigo Mendes
Rodrigo Mendes

A verdade é que o Brasil ainda é um país pequeno em todas as questões institucionais, comerciais e políticas. Infelizmente há a necessidade de ficar lambendo os gringos, pois sabemos que não temos possibilidade nenhuma de crescer sozinho  ... (Leia Mais)

03.12.2019 00:33 GMT· Responder
Murilo Paes Leme
Murilo Paes Leme

Admiravel uma pagina / app de investimentos e finaças, ler tantas bobagens nos comentarios.   ... (Leia Mais)

03.12.2019 00:30 GMT· Responder
filipe moreira
filipe moreira

mais Lisandra Paraguassu... outro dia vc saiu numa foto com a camisa do PT na manifestação dos comunas Lisandra... não deu nem pra esconder.  ... (Leia Mais)

03.12.2019 00:29 GMT· Responder
Ricardo Gomez
Ricardo Gomez

Só vem china  ... (Leia Mais)

02.12.2019 23:56 GMT· Responder
VALDECIR DE CARLI
VALDECIR DE CARLI

Na verdade mesmo, ele entrega o que é nosso, do povo brasileiro, mas para alguns que não lêem o conteúdo, qualquer crítica ao governo, é porque apoia o PT, logo não teremos mais nada, será dado como gesto de boa vizinhança.  ... (Leia Mais)

02.12.2019 23:56 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+