China reduz tarifa para açúcar e Brasil pode ampliar exportações, diz Unica

China reduz tarifa para açúcar e Brasil pode ampliar exportações, diz Unica

Reuters  | 22.05.2020 17:15

China reduz tarifa para açúcar e Brasil pode ampliar exportações, diz Unica

SÃO PAULO (Reuters) - A China não renovou uma política de salvaguarda adotada desde 2017 que aumentava tarifas de importação de açúcar sobre volumes extracota, disse a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), abrindo espaço para que o Brasil eleve as vendas ao país asiático.

Segundo comunicado da Unica, a salvaguarda expirou nesta sexta-feira, e a redução da tarifa "pode representar uma oportunidade para o setor ampliar a comercialização internacional em meio à crise causada pela Covid-19 no mercado interno".

A China estabelece uma cota de importação anual de 1,95 milhão de toneladas de açúcar com a tarifa de 15%. Volumes extracota, até 2017, tinham 50% de tributo.

Com a salvaguarda, volumes extracota passaram a ser taxados em 95%, com uma progressão decrescente de 5% ano a ano até o final do prazo. Entre maio de 2019 e maio de 2020, a barreira estava em 85%, disse a entidade.

Com o fim da salvaguarda, todo volume extracota volta a ser tributado em 50%.

Dados da Unica mostram que, até o início da salvaguarda, a China era o maior mercado para o açúcar brasileiro, com exportações que ultrapassavam 2,5 milhões de toneladas por ano.

Na safra de 2017/18, com a política da salvaguarda, o volume caiu para apenas 115 mil toneladas.

No ciclo de 2018/19, a China estendeu o mecanismo para todos os países e o Brasil embarcou 890 mil toneladas para o país asiático, acima do registrado no ciclo anterior, mas abaixo dos patamares do passado. Já a safra de 2019/20 encerrou-se com 1,3 milhão de toneladas de açúcar exportadas para a China.

"Esperamos que as exportações ao país voltem aos níveis próximos àqueles anteriores à salvaguarda, ampliando mercado aos produtores brasileiros", disse em nota o diretor executivo da Unica, Eduardo Leão.

O aumento de tarifas havia sido alvo de pedido de consulta do Brasil junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), o que levou ao início de negociações entre autoridades brasileiras e chinesas sobre o tema.

© Reuters. Sacas de açúcar em unidade de processamento em Campos dos Goytacazes (RJ)

"Isso permitiu um acordo entre os dois países, por meio do qual o Brasil concordou em não dar seguimento ao processo de abertura de painel na OMC mediante o compromisso chinês de não estender a salvaguarda após maio de 2020", destacou a Unica.

(Por Luciano Costa e Nayara Figueiredo)

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o App

Mais informações sobre o mercado, mais alertas, mais opções de personalizar seus ativos em sua carteira, apenas pelo App

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.