ANÁLISE - Não tão rápido: bancos centrais resistem a mercados ávidos por estímulos

ANÁLISE - Não tão rápido: bancos centrais resistem a mercados ávidos por estímulos

Reuters  | 11.09.2019 16:39

ANÁLISE - Não tão rápido: bancos centrais resistem a mercados ávidos por estímulos

Por Sujata Rao e Saikat Chatterjee

(Reuters) - Animados com esperanças de estímulo infinitos dos bancos centrais e ávidos por esclarecimentos sobre o tamanho e o prazo de suas próximas medidas, os mercados financeiros parecem estar se afastando de apostas em estímulos mais agressivos com autoridades cautelosas sobre excesso de liquidez.

Os rendimentos dos títulos se recuperaram de mínimas recordes esta semana, com os investidores forçados a desmontar algumas de suas posições mais extremas depois que os bancos centrais --do Federal Reserve ao BC da Austrália-- indicaram que os mercados podem estar enganados ao precificar grandes cortes nas taxas de juros.

É claro que parte da recuperação se deve ao menor risco político em lugares como Reino Unido, Itália e Hong Kong, além de esperanças de que Estados Unidos e China sejam capazes de resolver sua disputa comercial nas negociações agendadas para o próximo mês.

Mas há sinais também de que os bancos centrais de todo o mundo desenvolvido estão chegando ao limite de sua paciência --tanto com mercados quanto com governos, que há mais de uma década contam com a política monetária dos BCs para "salvar o dia".

Este mês, investidores foram pegos no contrapé pelos bancos centrais de Suécia, Canadá e Austrália. Não era esperado que nenhum deles cortasse as taxas de juros, mas todos pareceram inesperadamente otimistas sobre o estado de suas economias.

Quanto ao Fed, as expectativas de um corte de 0,50 ponto percentual em setembro recuaram para zero, com os operadores agora precificando cerca de 55 pontos-base de cortes até o final do ano, contra 70 pontos-base no mês anterior.

Mesmo no Banco Central Europeu (BCE), sem dúvidas a instituição com mais razões para entregar estímulos, há relatos de crescente discordância sobre a necessidade de lançar outra grande rodada de compra de títulos.

Esta semana, o BCE vai cortar as taxas de juros e anunciar algum tipo de compra de bônus, mas mesmo assim o rendimento dos títulos de governos da região aumentou quase 20 pontos-base e os mercados diminuíram as apostas sobre um corte de juros maior, de 20 pontos-base, neste mês.

"Os bancos centrais estão dizendo [aos mercados] 'olhe, estamos cientes do equilíbrio de riscos, mas vocês podem estar se antecipando um pouco demais'", disse Stewart Robertson, economista sênior da Aviva Investors.

"A outra coisa é que, embora o crescimento tenha desacelerado em todo o mundo, ele não entrou em colapso. Então, possivelmente, as coisas não estão tão frágeis quanto alguns nos mercados financeiros pensam", acrescentou.

Os bancos centrais têm se esforçado para enfatizar isso, apontando para mercados de trabalho robustos e crescimento de salários, junto de vendas no varejo ainda fortes que sugerem que o gasto com consumo em quase todos os lugares está resistindo às turbulências na economia.

Boa parte dos BCs acredita que a flexibilização da política monetária pode estar chegando aos limites do que pode alcançar e pode até se tornar prejudicial. Os bancos, por exemplo, já em péssimo estado, não serão beneficiados por taxas de juros ainda mais baixas.

Há também a questão do vício dos mercados por estímulo --o economista e ex-autoridade do Tesouro dos EUA Lawrence Summers alerta para a "economia do buraco negro", em que pequenas mudanças nas taxas de juros e estratégias de estímulo mais agressivas têm impacto limitado.

"O saldo ainda é favorável a yields negativos e cortes nas taxas de juros. Mas os mercados tiveram uma correção saudável e as pessoas estão dizendo que [a flexibilização] talvez não seja mais uma aposta de mão única", disse Craig Inches, da Royal London Asset Management.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Ronaldo Cajares
Ronaldo Cajares

Os bancos centrais estão alterarando suas estratégias de ação nos mercados. O que era confortável e previsível (alteração de juros pelos bancos centrais e alta liquidez) passa ser resultado do que o mercado tem a oferecer aos bancos centrais em termos de vantagens. Pouco é atrativo pouco se faz (cortes menores). Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos que são os resultados trimestrais das empresas e o contexto “a deriva dos mercados” da nova estratégia dos bancos centrais. De um lado é oportuno uma vez que o mercado superou todos os limites possíveis e imaginários de estresse financeiro. Por que não guardar munição para o antes, durante e após pleito eleitoral americano? onde muita coisa pode sair fora de controle.  ... (Leia Mais)

11.09.2019 23:34 GMT· Responder
Osmario Oliveira
Osmario Oliveira

Juro Negativo, com governos gastadores e perdulários, é um desastre. Principalmente nesta terra, onde investimentos oficiais é quase uma ofensa.  ... (Leia Mais)

11.09.2019 20:12 GMT· Responder
Vinirr
Vinirr

em 2020 juro negativo  ... (Leia Mais)

11.09.2019 19:30 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+