Comércio sobe, juros descem: Confira os principais indicadores da semana

Comércio sobe, juros descem: Confira os principais indicadores da semana

Investing.com  | 08.12.2019 13:58

Comércio sobe, juros descem: Confira os principais indicadores da semana

Por Paula Salati

Investing.com - Divulgação dos dados do varejo brasileiro e decisão sobre taxas de juros são alguns dos eventos mais importantes dessa semana.

O dia mais agitado será na quarta-feira (11/12), quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), enquanto o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) definirá a nova taxa básica de juros (Selic) do país.

Lá fora, o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed) também se reúne para decidir os próximos passos da política monetária dos Estados Unidos (EUA).

A expectativa é de que os dados internos confirmem o cenário de reaquecimento gradual da economia brasileira, que vem sendo balizado por uma recuperação do consumo e serviços, diante de um cenário de juros e inflação mais baixos, retomada do crédito para a pessoa física e avanço da massa salarial.

Em relação à PMC, a mediana das expectativas de mercado apontam aumento de 0,7% no comércio varejista em outubro, em relação a setembro.

Indicadores antecedentes indicam que o aumento das vendas dos supermercados e dos veículos impulsionaram a receita do setor no período.

Em comparação a outubro de 2018, o assessor econômico da FecomercioSP, Guilherme Dietze, prevê um crescimento de 2% para o comércio. Ele lembra que o Índice Cielo (SA:CIEL3) do Varejo Ampliado (ICVA) registrou expansão real (descontada a inflação) de 5,2% em outubro, contra setembro.

Em termos nominais, que reflete a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA teve avanço 6,9%. “Este é um indicador importante para verificar a dinâmica do setor”, diz Dietze.

Outros dados indicam um resultado mais positivo para o comércio. A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) informou na semana passada (04/12), por exemplo, que as vendas do ramo cresceram 4,3% em outubro, em relação a setembro. Na comparação com o mesmo período do ano passado, as vendas expandiram 5,78%. Entre janeiro e setembro, a alta foi de 3,48%.

Já o Indicador de Atividade do Comércio da Serasa Experian (LON:EXPN) subiu 2,9% em outubro, na comparação anual. Os dados divulgados na quinta-feira (05/12) mostram que os resultados foram puxados, principalmente, pelas vendas de veículos, motos e peças (+5,2%), seguido dos supermercados, alimentos e bebidas (+3%), material de construção (+2,9%), móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e informática (2,7%), e tecidos, vestuário, e calçados (+2,7%).

Dietze projeta um crescimento anual de 4% para o comércio, em 2019. Segundo ele, isso é resultado de uma combinação de recuperação da confiança dos consumidores, do crédito para a pessoa física, retomada do emprego e renda e cenário de taxas de juros mais baixas.

Especificamente sobre o mês de outubro, a liberação do FGTS também ajudou a impulsionar o setor, algo que deve se reverberar para os dois últimos meses do ano.

Já em novembro, serão contabilizados os ganhos do período da Black Friday, que foram bastante positivos para as grandes varejistas.

O grupo Via Varejo (SA:VVAR3), por exemplo, dono do Extra, Casas Bahia e Ponto Frio, informou que o seu faturamento foi de R$ 1,1 bilhão somente na sexta-feira (29/11).

Já os dados da Ebit Nielsen mostraram que o varejo brasileiro conseguiu faturar 23,6% a mais com a Black Friday deste ano, em relação a 2018. Isso representou um faturamento de R$ 3,2 bilhões, considerando as vendas realizadas na quinta e na sexta.

“Para novembro, esperamos um crescimento anual de 7% no varejo. Diante dessa magnitude, acreditamos que teremos o melhor Natal desde 2015, quando estávamos ainda passando por uma forte recessão econômica”, diz o assessor da FecomércioSP.

Para Dietze, o mesmo dia ainda trará outra notícia positiva para o comércio. Isso porque nesta quarta-feira, o Banco Central definirá a nova taxa básica de juros (Selic). A maioria do mercado espera corte de 0,5 ponto percentual na taxa, levando-a para 4,5%.

Para ele, o juro baixo veio para ficar. “As taxas de juros de longo prazo estão baixas”, reforça Dietze.

Federal Reserve (Fed) deve manter juros estável nos EUA

Já nos EUA, a perspectiva é de estabilidade nos juros. Na quarta-feira, o Fed deverá manter inalterado o intervalo da taxa de juros dos Estados Unidos (EUA) entre 1,5% e 1,75%, conforme a maioria das expectativas do mercado.

Em discursos públicos, o presidente do Fed, Jerome Powell, tem dito que precisaria haver uma aceleração muito forte da inflação para que o país aumentasse os juros, o que ainda não é o caso.

Sobre a probabilidade de reduzir mais taxa, o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria, afirma que, por enquanto, essa possibilidade não está no radar, tendo em vista que o risco de recessão no país foi reduzido. “Há pouca probabilidade disso ocorrer neste momento”, diz o economista.

Campos Neto avalia que a economia americana ainda apresenta certa solidez. Os dados de mercado de trabalho divulgados na última sexta-feira (06/12), por exemplo, demonstram essa dinâmica. Em novembro, houve uma geração de 266 mil novos postos de trabalho nos EUA.

Para 2020, a Tendências espera que a economia americana cresça em torno de 2%, ainda sustentada pelo consumo das famílias, que tem sido beneficiado pela baixa taxa de desemprego.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Hailton Barros
Hailton Barros

Como tudo nesta terra, site de finanças também foi contaminado pelo partidarismo, por torcidas organizadas. Está cansativo tentar se informar de verdade. Tudo contaminado da pior maneira possível.   ... (Leia Mais)

09.12.2019 11:41 GMT· Responder
Jardel Simão
Jardel Simão

Falta repassar os juros baixos para o consumidor final, por enquanto ta uma bosta ainda, Ponto frio 7,5% no crediário. rsrs  ... (Leia Mais)

09.12.2019 11:00 GMT· Responder
Felipe Cossetti
Felipe Cossetti

Bolsonaro é o homem certo para o momento atual. O Amoedo seria engolido vivo pelos abutres do congresso.   ... (Leia Mais)

09.12.2019 10:56 GMT· 3 · Responder
Nilvo Tasso
Nilvo Tasso

Ta difícil uma matéria menos óbvia e interessante  ... (Leia Mais)

09.12.2019 10:50 GMT· Responder
Daniel R. Gonçalves
Daniel R. Gonçalves

os esquerdistas que escrevem aqui. Suas palavras..vcs receberam em dobro  ... (Leia Mais)

09.12.2019 10:26 GMT· Responder
Juliano Silva
Juliano Silva

Consumo voltando a aquecer! Se isso se extender a retomada da industria, isso gerara mais empregos e o Brasil volta em 2020!   ... (Leia Mais)

09.12.2019 10:24 GMT· 1 · Responder
Ricardo Gabriel
Ricardo Gabriel

Bolsonaro não é o cara com a melhor postura de presidente, mas é inegável que está fazendo um bom trabalho.#boraganhardinheiro  ... (Leia Mais)

08.12.2019 23:33 GMT· 6 · Responder
Raí Lima
Raí Lima

Estou confiante que até o final do ano o ibov encerre acima dos 115 mil pontos.  ... (Leia Mais)

08.12.2019 21:43 GMT· Responder
Gerson Lima
Gerson Lima

Bolsonaro 2022. os petistas vão tentar de tudo prejudicar esse crescimento do qual por 20 anos os petistas nos roubaram. falam que a gasolina era barata nos governos petistas, mas ninguém fala que eles estavam destruindo à Petrobras por não repassar os preços internacionais. petistas corruptos.  ... (Leia Mais)

08.12.2019 20:57 GMT· 4 · Responder
Matheus Fernandes
Matheus Fernandes

Espero que sim kkk  ... (Leia Mais)

08.12.2019 18:37 GMT· Responder
Carlos Correa
Carlos Correa

Podem fazer qualquer esforços... Qualquer tipo de governo.... Reforma... Aposentaria... Previdência.... O Brasil somente crescerá sólido quando diminur a diferença social da população.... Do mais pode fazer qualquer tipo de reforma... construçao.... muro.... telhado.... tudo em vão... nada sólido a longo prazo....   ... (Leia Mais)

08.12.2019 18:27 GMT· 1 · Responder
TRADER_WIN
TRADER_WIN

Esta difícil o PIB superar 1% a poucos anos superamos 7% e ainda pagamos a dívida, as reformas não contribuíram para a economia como já se sabiam, somente tirou direitos da classe baixa e trabalhadores.  ... (Leia Mais)

08.12.2019 17:29 GMT· 2 · Responder
Reinaldo Couto
Reinaldo Couto

2020 tem tudo para ser um ano perfeito para VVAR3.  ... (Leia Mais)

08.12.2019 17:11 GMT· 1 · Responder
Alessandro Reis
Alessandro Reis

Poderia existir inseticida pra Petistas igual tem pra barata.Brasil caminhando muito bem,força,estamos levantando após 2 décadas de sangue.Roubaram ate a alma do país.  ... (Leia Mais)

08.12.2019 17:09 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+