Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

Investing.com  | 16.09.2019 08:29

Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

Investing.com - Os mercados mundiais reagiram aos ataques às instalações de petróleo da Arábia Saudita com um aumento nos preços do petróleo. Enquanto isso, os trabalhadores da GM entram em greve, e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson se encontra com o presidente da Comissão da UE, Jean-Claude Juncker, na tentativa de resolver o impasse do Brexit. Aqui está o que você precisa saber sobre os mercados financeiros internacionais nesta segunda-feira, 16 de setembro.

1. Um choque no petróleo

O presidente Donald Trump disse que autorizaria liberações de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA para manter o mercado de petróleo bem abastecido depois que ataques de drones derrubaram mais da metade da capacidade de processamento de petróleo da Arábia Saudita no fim de semana.

Trump também disse que "informou todas as agências apropriadas para agilizar as aprovações dos oleodutos atualmente em processo de licença no Texas e em vários outros Estados".

Os preços do petróleo atingiram seu nível mais alto desde maio no final de semana, pois os ataques não apenas interromperam 6% do suprimento mundial de petróleo, mas também aumentaram o espectro de guerra entre os EUA e o Irã, ameaçando interrupções maiores e mais amplas no suprimento, à medida em que o Secretário de Estado Mike Pompeo já havia culpado o Irã pelos ataques. O Irã disse que estava pronto para uma "guerra plena", enquanto Trump disse que os EUA estavam "armados e carregados" enquanto aguardavam a Arábia Saudita para verificar as suspeitas de Washington.

Às 8h24 (horário de Brasília), o contrato futuro de referência dos EUA, o WTI estava em US$ 59,88 por barril, um aumento de 9,27% no final da sexta-feira, mas abaixo da máxima de mais de US$ 63 por barril no fim de semana, quando subiu 15.65%, a maior alta intradiária desde 1998. Já a referência internacional, o Brent, negociado em Londres, ficou em US$ 66,34 por barril, expressiva alta de 10,16%. Mais cedo, o Brent chegou a ser negociado a US$ 71,95, alta de 19,5%, o maior ganho intradiário desde a Guerra do Golfo em 1991.

2. Economia chinesa sob pressão

Os dados econômicos mais recentes da China continuaram mostrando uma economia sob crescente estresse, não apenas em razão da guerra comercial, mas de décadas de excesso de investimento e crescimento impulsionado por dívidas.

A produção industrial cresceu na taxa mais baixa desde 2002 em agosto, segundo dados compilados pelo Investing.com, enquanto o crescimento nas vendas no varejo e no investimento em ativos fixos também ficou aquém das expectativas.

Os números são ainda mais surpreendentes, diante de um cenário de expectativas de que os números poderiam ser manipulados antes das celebrações de outubro, marcando o 70º aniversário do Partido Comunista.

Nos EUA, o calendário de dados é liderado hoje pelo lançamento da pesquisa industrial Empire State de Nova York às 9h30 da manhã.

3. Tendência de abertura em baixa em Wall Street

As bolsas de valores dos EUA devem abrir em baixa na sequência das notícias do Oriente Médio.

Às 8h26, os contratos do Dow 30 e do futuros do S&P 500 caíam 0,4%, recuando ainda mais depois de deixar de registrar novas máximas históricas na sexta-feira. O contrato futuro do Nasdaq 100 caía 0,69%.

Os setores que estarão em destaque na segunda-feira incluem petróleo e gás, que podem esperar ganhos inesperados, e companhias aéreas e empresas de logística, que terão que levar em consideração os custos mais altos de combustível.

As ações asiáticas e europeias foram negociadas amplamente em baixa, com os dados chineses reforçando o tom negativo.

4. Greve do UAW atinge a GM

Quase 50.000 trabalhadores da General Motors (NYSE:GM) entraram em greve na segunda-feira em busca de maiores salários e compromissos de investimento, a maior ação industrial a atingir a empresa desde 2007.

Os trabalhadores fecharam 33 fábricas e 22 centros de distribuição de componentes de peças nos EUA. Não está claro quanto tempo durará a paralisação, mas as negociações entre os dois lados devem ser retomadas às 11h.

O sindicato dos trabalhadores da indústria automobilística, UAW na sigla em inglês, transformou a GM em sua empresa-alvo este ano, e qualquer acordo que fechar será usado como modelo para negociações com a Ford Motor (NYSE:F) e a Fiat Chrysler (NYSE:FCAU) também.

5. Johnson se encontrará com Juncker em meio ao impasse do Brexit

A libra britânica está se consolidando logo abaixo das máximas de seis semanas alcançadas no final da semana passada, à medida que os temores de um Brexit desordenado diminuíram.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, se reunirá hoje com o atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, para discutir como superar as diferenças entre os dois lados, que giram principalmente em torno do futuro tratamento regulatório na fronteira entre a Irlanda do Norte - território britânico - e a Irlanda.

Nenhum dos lados tem muito espaço para manobras políticas, e uma grande inovação é vista como improvável. No entanto, a mão de Johnson foi reforçada por pesquisas de opinião no fim de semana, mostrando que seu Partido Conservador ainda mantém uma clara liderança sobre os rivais, enquanto ele consolida o voto para "deixar" antes de uma provável eleição geral no final do outono.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
eduardo melo
eduardo melo

O que precisamos saber, quando será o fim dos embargos ao Petróleo do Irã, até que ponto a Arábia vai para manter o preço do petróleo alto, quando será o novo ataque? e a quem?  ... (Leia Mais)

16.09.2019 21:57 GMT· Responder
Felipe Feitosa
Felipe Feitosa

Venezuela, por exemplo  ... (Leia Mais)

16.09.2019 14:04 GMT· Responder
Felipe Feitosa
Felipe Feitosa

Venezuela, por exemplo  ... (Leia Mais)

16.09.2019 14:04 GMT· Responder
edison sabino
edison sabino

não aceite dicas!   ... (Leia Mais)

16.09.2019 13:19 GMT· Responder
Droanle Charo
Droanle Charo

a quem interessa o aumento do preço do petróleo?  ... (Leia Mais)

16.09.2019 13:17 GMT· Responder
Droanle Charo
Droanle Charo

a quem interessa o aumento do preço do petróleo?  ... (Leia Mais)

16.09.2019 13:17 GMT· 1 · Responder
Jessica Santos
Jessica Santos

como pode acontecer tanta coisa em apenas um fim de semana?...  ... (Leia Mais)

16.09.2019 13:03 GMT· Responder
Bispo
Bispo

Quais papeis da Bovespa serão prejudicados?  ... (Leia Mais)

16.09.2019 11:34 GMT· 9 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+