Lembrança dos anos Kirchner leva jovens a apoiar Fernández na Argentina

Lembrança dos anos Kirchner leva jovens a apoiar Fernández na Argentina

Reuters  | 19.08.2019 10:22

Lembrança dos anos Kirchner leva jovens a apoiar Fernández na Argentina

Por Cassandra Garrison e Marina Lammertyn

BUENOS AIRES (Reuters) - Para Luis Joaquin Caro, que tinha dois anos de idade quando a Argentina deu o calote na sua dívida em 2001, votar no candidato de esquerda e peronista Alberto Fernández nas recentes eleições primárias do país não foi uma escolha complicada.

"Durante os anos Kirchner, eu vivia muito bem”, disse ele, referindo-se ao que agora parece uma era passada da sua vida após quatro anos de cortes de gastos e austeridade do presidente Mauricio Macri.

“Hoje é diferente”, afirmou Caro, que é de uma área operária da Província de Buenos Aires. O jovem de 21 anos disse que ele sempre viu a ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner e o seu marido já morto, o ex-presidente Néstor Kirchner, como heróis dos trabalhadores.

Cristina Kirchner, figura que divide a Argentina, é companheira de chapa de Fernández, cuja vitória por larga margem nas primárias de 11 de agosto surpreendeu institutos de pesquisa e chocou investidores, que temem que a Argentina possa de novo não pagar a dívida se a esquerda voltar ao poder.

Os sentimentos de Caro são emblemáticos da onda de apoio para Fernández entre os jovens, que não foi de todo inesperada, mas que chocou pela sua dimensão.

Parte do problema para os institutos de pesquisa na Argentina é que os jovens, grupo muito afetado pelo alto desemprego, são menos propensos a ter um telefone convencional em que posssam ser contactados, um fator também citado por institutos no Reino Unido e nos Estados Unidos.

Para Caro e para muitos jovens na Argentina, a conversa sobre o sofrimento da crise de 2001 foi ofuscada pelos benefícios sociais generosos sob os Kirchner que ajudaram as famílias a sair da pobreza depois do calote da dívida.

© Reuters. Ex-presidente argentina Cristina Kirchner sai de prédio em Buenos Aires após reunião com o candidato a presidente Alberto Fernández

"Os anos Kirchner da minha infância eu vivi muito bem, e talvez naquele momento não me desse conta disso”, declarou Lucila Servelli, de 16 anos, que votou pela primeira vez no domingo, apesar de o voto não ser compulsório dos 16 aos 18 anos.

“Mas comparando com agora muitas coisas mudaram. Agora, minha família teve que deixar muitas coisas”, afirmou ela, nascida quando a Argentina deu o calote em 2001.

Os jovens têm bem menos em comum com Macri, disse o analista político Julio Burdman, Segundo ele, a imagem do presidente é sobrecarregada com o ressentimento do alto desemprego.

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Rosildo da Silva
Rosildo da Silva

Os argentinos estão certos, nós, brasileiros temos que aprender muito, afinal, escolhemos um retardado exterminador de florestas, lamentável!  ... (Leia Mais)

21.08.2019 22:49 GMT· Responder
JOSE CARLOS CAMPOS
JOSE CARLOS CAMPOS

Jovens sempre são cooptados pela conversa populista. A Argentina foi arrasada pelo Kirchnerismo durante muito tempo, e acham que em quatro anos consertam tudo. Não dão tempo ao tempo. É certo também que Macri foi fraco em algumas politicas economicas e deu espaço para a ressureicão de Cristina e Fernandez. Uma pena que na Argentina não existam outras alternativas de candidatos. Ou é uma ponta ou outra. Não chores por mim Argentina. Aqui no Brasil não é muito diferente.   ... (Leia Mais)

21.08.2019 12:01 GMT· Responder
Luís Fernando Baptista
Luís Fernando Baptista

Não existe bala de prata na Economia, porém muitos insistem em vende- la... O final é conhecido.  ... (Leia Mais)

19.08.2019 16:32 GMT· Responder
Helliton Soares Mesquita
Helliton Soares Mesquita

Foram anos bons para qualquer pais da América Latina. Aliás o Brasil era o que menos crescia depois a Argentina. A Kirchner porém adotou diversas medidas que a média prazo iriam quebrar o país como ocorreu. Sorte de quem na época elegeu pessoas de direita. Argentina, Venezuela, Brasil, Russia e outros não. Agora que estão quebrados eles sentem tentados a voltar para o passado. Porém não ter crescimento da América Latina para sustentar.  ... (Leia Mais)

19.08.2019 15:42 GMT· Responder
Danielle Franca
Danielle Franca

Pobres Argentinos. Quem não aprende com a História, repete os mesmos erros do passado. Lamentável.   ... (Leia Mais)

19.08.2019 14:42 GMT· 1 · Responder
Sergio Souza
Sergio Souza

torço pra que vc esteja erradovoltar esse populismo no brasil vai ser o fim  ... (Leia Mais)

19.08.2019 12:56 GMT· Responder
Alexandre Tarouco
Alexandre Tarouco

Bom mesmo é o Bozo e o seu nepotismo, ódio ao meio ambiente, privatizações e desrespeito ao diferente. são os jovens que vão tirar este fascista do governo ! em nome de Deus!  ... (Leia Mais)

19.08.2019 12:27 GMT· 4 · Responder
Alexandre Tarouco
Alexandre Tarouco

Bom mesmo é o Bozo e o seu nepotismo, ódio ao meio ambiente, privatizações e desrespeito ao diferente. são os jovens que vão tirar este fascista do governo ! em nome de Deus!  ... (Leia Mais)

19.08.2019 12:27 GMT· Responder
Wallacy Freitas
Wallacy Freitas

O Brasil Desgovernado por um nepotista, que só fala um monte de bobagem, intervindo na PF para agradar suas bases politicas, um ministro da economia que só fala em CAPITALIZAÇÃO DA PREVIDENCIA. não tem nenhum plano de geração de emprego, retomado do consumo, investimentos em infraestrutura, briga interna entre ministros e os filhos. Só cortar salário, diminuir direitos trabalhistas, contigenciar investimentos, dizer que o Brasil está quebrado repetidas vezes, não vai resolver.  ... (Leia Mais)

19.08.2019 12:26 GMT· 1 · Responder
Dan Hensi
Dan Hensi

tanta gente ainda achando que existe almoço grátis  ... (Leia Mais)

19.08.2019 11:22 GMT· Responder
marcos zoni
marcos zoni

É incrível que ainda possa haver alguém que acredite neste tipo de golpe populista, o Brasil está quebrado e roubado, mas tem uma parte da população que nega o óbvio.  ... (Leia Mais)

19.08.2019 04:35 GMT· Responder
cesar schumacher
cesar schumacher

Macri impôs a política econômica de Paulo Guedes, o pobrerío pagou a conta, enquanto alguns poucos estão mais ricos. Chegaremos lá em seguida!  ... (Leia Mais)

19.08.2019 00:49 GMT· 4 · Responder
Sidney Sendtko
Sidney Sendtko

Uma Venezuela ao norte e outra à Oeste. Vai ser dureza.  ... (Leia Mais)

19.08.2019 00:39 GMT· 2 · Responder
silvio ladeira
silvio ladeira

E vai piorar com o Petralhinhas  ... (Leia Mais)

18.08.2019 23:23 GMT· 1 · Responder
Alvenir Ramos da Silveira
Alvenir Ramos da Silveira

A Argentina esta no buraco  ... (Leia Mais)

18.08.2019 22:35 GMT· Responder
Thiago Henrique
Thiago Henrique

e lá se vai a Argentina pro buraco.  ... (Leia Mais)

18.08.2019 21:57 GMT· 1 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+