Dólar volta a subir contra real apesar de alívio momentâneo de dados dos EUA; mercado digere Copom

Dólar volta a subir contra real apesar de alívio momentâneo de dados dos EUA; mercado digere Copom

Reuters  | 29.10.2020 10:55

Dólar volta a subir contra real apesar de alívio momentâneo de dados dos EUA; mercado digere Copom

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar voltava a engatar alta contra o real na manhã desta quinta-feira, mesmo depois que dados norte-americanos melhores do que o esperado ajudaram a ofuscar momentaneamente temores em relação à disseminação global da Covid-19 e às eleições nos Estados Unidos.

Enquanto isso, no Brasil, os investidores digeriam a manutenção da taxa Selic em sua mínima histórica de 2% ao ano, bem como as sinalizações do comunicado de política monetária do Copom, divulgado na véspera.

Às 10:44, o dólar avançava 0,34%, a 5,7829 reais na venda. A divisa chegou a tocar a marca de 5,7916 reais na máxima da sessão.

LEIA MAIS: Mercado Acentua Percepção do Cenário Tido Como Promissor, e a Realidade é Outra no Pós-Copom!

O contrato mais líquido de dólar futuro subia 0,56%, a 5,780 reais.

Houve algum alívio no movimento da moeda norte-americana depois da notícia de que o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos disparou 33,1% no terceiro trimestre, resultado acima da previsão de ganho de 31,0% em pesquisa da Reuters. Esse foi o ritmo mais forte desde que o governo iniciou os registros, em 1947, e seguiu-se a uma contração recorde de 31,4% no segundo trimestre.

Além disso, dados separados desta quinta-feira mostraram que 751 mil norte-americanos entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego na semana passada. Apesar de continuar em um patamar elevado e sinalizar dificuldades para o mercado de trabalho dos EUA, a leitura veio a abaixo da previsão da Reuters de 775 mil solicitações.

Logo após a divulgação dos dados, o dólar foi à mínima da sessão, de 5,7580.

No entanto, o cenário de forte disseminação da Covid-19 em grandes economias -- com alguns dos principais países europeus a caminho de impor novas restrições economicamente prejudiciais -- continuava no radar dos investidores, que já operavam com os nervos à flor da pele a poucos dias das eleições presidenciais norte-americanas.

A proximidade da data da acirrada disputa entre o atual presidente, Donald Trump, e seu adversário democrata, Joe Biden, significa mais um obstáculo para as negociações de novos estímulos fiscais na maior economia do mundo, que provavelmente só serão implementados depois que os norte-americanos forem às urnas.

"Um dos fatores para a alta do dólar é a segunda onda de coronavírus na Europa, que afeta não apenas o mercado de dólar, mas o mercado geral, bem como a economia de vários países", disse à Reuters Mauriciano Cavalcante, diretor de câmbio da Ourominas. "Temos também a questão do estímulo do governo norte-americano, que conta com a falta de acordo no Congresso", o que eleva a busca por segurança e seca a oferta de dólares no mercado, completou.

Enquanto isso, no Brasil, os investidores digeriam a notícia de que o Banco Central manteve na quarta-feira a Selic na mínima histórica de 2% ao ano, conforme ampla expectativa do mercado, deixando a porta aberta para eventual corte nos juros básicos à frente.

VEJA TAMBÉM: Copom não altera Selic e mantêm em 2% a.a., com forward guidance para novos cortes

Parte dos agentes do mercado esperava um endurecimento na postura da autarquia após a escalada dos temores fiscais desde a última reunião do Comitê de Política Monetária, em 16 e 17 de setembro. O BC, contudo, não fez nenhuma menção mais concreta ao tema.

"O BC ontem (...) optou por manter não somente o forward guidance de política monetária, ou seja, mantendo a perspectiva de não elevação dos juros por um período relativamente indeterminado, como manteve a porta aberta a possíveis cortes na taxa, apesar da brusca mudança de cenário recente", escreveu Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

"O Banco Central (...) de certa maneira despreza no contexto geral a total incerteza de um cenário fiscal desafiador, que depende de uma conjunção política que se mostra igualmente desafiadora", completou.

ENTREVISTA: 'Juro a 2% é insustentável, mas não se sabe como o BC sai da arapuca'

Entre os principais riscos fiscais projetados pelos mercados, o que tem dominado as preocupações dos investidores é a possibilidade de que o governo fure o teto de gastos para financiar seu novo projeto de auxílio econômico, batizado de Renda Cidadã.

© Reuters. (Blank Headline Received)

O dólar acumula alta de quase 44% contra o real em 2020.

Na véspera, o dólar spot teve alta de 1,42%, a 5,7633 reais, máxima de encerramento desde 15 de maio (5,8392).

O Banco Central fará nesta sessão leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em abril e agosto de 2021.

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Marcelo Peralta
Marcelo Peralta

Parabéns aos envolvidos que diziam que era só a Dilma sair para o dólar cair.  ... (Leia Mais)

29.10.2020 17:50 GMT· Responder
anderson silva
anderson silva

Será que vai repetir as quedas de março?  ... (Leia Mais)

29.10.2020 17:14 GMT· 1 · Responder
Ismael Cruz
Ismael Cruz

Na realidade , não temos um ministro da economia comprometido com o Brasil, mas sim, uma pessoa querendo comparar a nossa economia com a americana. Um erro que nos custará muito caro.   ... (Leia Mais)

29.10.2020 16:40 GMT· Responder
Mn nov
Mn nov

Quem sabe no Natal o Papai Noel explica para o BCo motivo do real ser a moeda mas desvalorizada no mundo e. 2020. Enquanto isso o estagiário do Jegues na estatal BC segue procurando o motivo.  ... (Leia Mais)

29.10.2020 15:19 GMT· 1 · Responder
Andre Forti Saint
Andre Forti Saint

lol fujam pata as montanhas. ESTE dólar subiu tanto q ano q vem vai cair feiyo meteoro. qdo esta mídia ver q este vírus já era. cuidado nunca é demais  ... (Leia Mais)

29.10.2020 14:32 GMT· 1 · Responder
willian cavalcante
willian cavalcante

Trevas!!!BC ignora o Mercado!  ... (Leia Mais)

29.10.2020 14:14 GMT· 1 · Responder
willian cavalcante
willian cavalcante

Trevas!!!  ... (Leia Mais)

29.10.2020 14:13 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';