Acomodação segue e Ibovespa cai, mas sustenta 116 mil pontos; Petrobras recua

Acomodação segue e Ibovespa cai, mas sustenta 116 mil pontos; Petrobras recua

Reuters  | 08.01.2020 18:41

Acomodação segue e Ibovespa cai, mas sustenta 116 mil pontos; Petrobras recua

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa paulista fechou em queda pela quarta sessão seguida nesta quarta-feira, numa sessão sem tendência definida, marcada pelo arrefecimento das tensões geopolíticas envolvendo EUA e Irã, mas com os papéis da Petrobras e de bancos novamente entre as maiores pressões de baixa.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa cedeu 0,36%, 116.247,03 pontos. O volume financeiro somou 24,3 bilhões de reais.

No melhor momento da sessão, o Ibovespa chegou a recuperar o patamar dos 117 mil pontos, em alta de 0,58%, mas perdeu força com a ampliação das perdas dos papéis da petrolífera de controle estatal, que respondem por mais de 10% da composição do índice.

O contrato de petróleo Brent fechou a 65,44 dólares, queda de 4,15%, após disparar mais cedo, na esteira de ataques do Irã a instalações militares norte-americanas no Iraque após ataque dos Estados Unidos matar um comandante iraniano.

A mudança no sinal ocorreu com sinais mais apaziguadores de autoridades de Washington e Teerã e a queda acelerou após o presidente Donald Trump afirmar que os ataques do Irã não deixaram vítimas e que não quer mais usar a força.

Em Wall Street, os principais índices acionários também ampliaram a alta, com o S&P 500 fechando com elevação de 0,49%. Números sobre o mercado de trabalho privado dos EUA também repercutiram, assim como notícias corporativas.

Apesar de o Ibovespa ter engatando a quarta queda consecutiva, agentes de mercado têm citado que a volatilidade recente tem sido uma oportunidade de realização de ganhos, que eles veem como sadia e que abre pontos de compra das ações. Em 2019, a alta do Ibovespa superou 30%.

"A bolsa teve um rali impressionte em dezembro (quando o Ibovespa subiu quase 7%), é natural que experimente um momento de acomodação nos preços", destacou o gestor Ricardo Campos, sócio-fundador da Reach Capital.

Entre analistas e gestores, de modo geral, continua a percepção de que o mercado acionário brasileiro permanece com bons fundamentos, em meio a perspectivas de recuperação da economia brasileira e de taxas de juros ainda baixas.

De acordo com o gestor Guilherme Foureaux, sócio na Paineiras Investimentos, o começo do ano é sempre marcado por expectativa de fluxos e construção de portfólios e ele vê o movimento recente como uma realização de lucros. "Por enquanto, nada que chame muita atenção", avaliou.

Ele também citou as ofertas públicas previstas para o curto prazo, entre elas a de ações da Petrobras detidas pelo BNDES. "Isso pode estar gerando uma venda nas ações para fazer caixa para as ofertas."

DESTAQUES

- PETROBRAS ON (SA:PETR3) cedeu 1,63% e PETROBRAS PN (SA:PETR4) caiu 0,62%, conforme o petróleo recuou no exterior. A expectativa quanto à oferta de ações da companhia detidas pelo BNDES e a notícia de que o governo estuda apresentar até fevereiro mecanismo para absorver altas do petróleo ditaram a baixa nos papéis.

- BRADESCO PN (SA:BBDC4) recuou 1,55%. ITAÚ UNIBANCO PN perdeu 1,63%. Em relatório, o BofA Securities chamou a atenção para o risco adicional aos maiores bancos oriundo das cooperativas de crédito.

- WEG ON (SA:WEGE3) caiu 3,78%, entre as maiores quedas do Ibovespa. O papel apurou forte valorização em 2019, encerrando o ano com ganho acumulado de 100,7%.

- VALE ON (SA:VALE3) teve variação negativa de 0,02%, apesar de os futuros do minério de ferro na China subirem ao maior nível em mais de cinco meses nesta quarta-feira, ajudados por expectativas sobre a demanda de siderúrgicas.

- BRF ON (SA:BRFS3) subiu 3,84%, também ajudada pelo alívio nas tensões no Oriente Médio, com papéis do setor de proteínas como todo fechando em alta. JBS ON (SA:JBSS3) ganhou 2,45%, tendo no radar melhora na recomendação da ação para 'outperform' por analistas do Bradesco BBI. MARFRIG ON (SA:MRFG3) avançou 2,5% e MINERVA ON (SA:BEEF3) teve alta de 1,1%.

- GOL (SA:GOLL4) PN avançou 3,95%, entre os destaques positivos, influenciada pela queda dos preços do petróleo e após divulgar prévia do resultado do quarto trimestre, mostrando crescimento de receitas e queda de custos.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

(Edição de Aluísio Alves)

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Elison Siqueira
Elison Siqueira

correção fica em 115mil?  ... (Leia Mais)

09.01.2020 17:31 GMT· Responder
Alessandro Reis
Alessandro Reis

Saudável nos 110.000 a 112.000p....indo na media de 21,esta ótimo  ... (Leia Mais)

09.01.2020 02:34 GMT· Responder
Daniel Martins
Daniel Martins

Caiu COMPRA  ... (Leia Mais)

09.01.2020 01:01 GMT· Responder
Rogério Fontes
Rogério Fontes

Petrobras vai ter o maior lucro da história em 2019 e isso nenhum analista fala. Porque?  ... (Leia Mais)

08.01.2020 23:24 GMT· 2 · Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+