Bolsa indica abertura em baixa com pressão externa e olho em meta fiscal

Bolsa indica abertura em baixa com pressão externa e olho em meta fiscal

Investing.com  | 10.08.2017 09:29

Bolsa indica abertura em baixa com pressão externa e olho em meta fiscal

Investing.com - A abertura do mercado nesta quinta-feira deverá ser uma continuidade da baixa de ontem com a pressão negativa internacional, apesar da alta de petróleo e minério de ferro, somada às expectativas de grande revisão nas metas fiscais para este ano, mas especialmente para 2018.

O Ibovespa Futuros opera com perdas de 0,2% aos 67.530 pontos. Ontem o Ibovespa não resistiu ao sentimento pessimista de aversão ao risco com a escalada do tom bélico entre EUA e Coreia do Norte e cedeu 0,34% para 67.671 pontos.

A pressão internacional segue de baixa com Ásia e Europa majoritariamente no vermelho, dando continuidade ao movimento de ontem com a escalada das tensões. DAX perde 0,8%, FTSE 100 cede 1,2% e CAC 40 cai 0,3%. Os futuros dos EUA operam com perdas de 0,2% no Dow 30, 0,4% no S&P 500 e de 0,6% no Nasdaq 100 Futuros.

No Brasil, o grande foco do dia estará na revisão da meta fiscal, que poderá ser anunciada após reunião do presidente Michel Temer e sua equipe econômica com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício de Oliveira, às 11h30.

As notícias são de que o governo elevará a meta de 2017 para um déficit de R$ 159 bilhões, dos R$ 139 bilhões atuais, em um movimento já aguardado pelo mercado. A surpresa pode vir com o aumento para 2018 para a casa dos R$ 170 bilhões, contra os R$ 129 bilhões atualmente projetado.

Se os números forem confirmados, além do sinal negativo pelo aumento do déficit, mostra um rombo em expansão até 2018, indicação oposta a que a atual equipe econômica tentou passar no ano passado, quando as metas foram anunciadas.

Da Câmara, as ameaças dos partidos do chamado Centrão de não votar a reforma da Previdência são deixadas no segundo plano e os deputados deverão ser ‘convencidos’ após nova rodada de cargos e emendas.

O maior risco para a reforma está na mudança de tom de Temer, que passou a adotar o termo ‘atualização’ no lugar de ‘reforma’ dando um sinal claro para a desidratação do projeto para conseguir aprovar alguns trechos no Congresso.

Commodities

O petróleo opera com forte alta de 1,1% e supera os US$ 50 o barril nas negociações do WTI nos EUA, enquanto o Brent sobe 1,6% para US$ 53,50 o barril em Londres, com a revisão para cima da demanda feita pela Opep.

O minério de ferro subiu 1% nos contratos futuros da bolsa de Dalian e fechou cotado a 600 iuanes a tonelada, enquanto a entrega spot em Qingdao ganhou 1,6% e encerrou a sessão a US$ 76,68 a tonelada.

Mundo corporativo

O Banco do Brasil (SA:BBAS3) teve forte aumento de 47% do lucro no segundo trimestre, apoiado em menores despesas administrativas e com provisões para calotes, embora seu índice de inadimplência tenha voltado a subir. O banco informou lucro líquido de R$ 2,619 bilhões.

A mineradora brasileira Vale (SA:VALE5) obteve US$ 178 milhões com a venda de dois navios do tipo VLOC, com capacidade de 400 mil toneladas. A empresa informou ainda que 270 mil pessoas buscaram informações sobre a conversão de papéis PBA para ON.

A Oi (SA:OIBR4) teve um prejuízo maior que o esperado no segundo trimestre depois que a empresa foi forçada a fechar posições de hedge por conta do processo de recuperação judicial da companhia que está se levando mais tempo do que o previsto. O grupo de telecomunicações teve prejuízo líquido de R$ 3,3 bilhões segundo trimestre, resultado negativo 16 vezes contra o trimestre anterior e quatro vezes maior ante um ano antes.

A Embraer (SA:EMBR3) foi rebaixada para ‘venda’ de ‘compra’ pelo Goldman Sachs.

A MRV Engenharia (SA:MRVE3) divulgou um aumento de 2,3% no lucro líquido do segundo trimestre, a R$ 141 milhões, em meio à estratégia da companhia de elevar patamar de vendas anuais.

A Rumo (SA:RAIL3) informou que teve prejuízo de R$ 30,2 milhões no segundo trimestre, impactada por elevação de despesas financeiras, pelo maior custo de dívidas e por depreciação e amortização. O prejuízo foi 7,6% menor contra um ano antes.

A Ultrapar (SA:UGPA3) anunciou lucro líquido de R$ 247 milhões, queda de 33%ante mesma etapa de 2016. O Ebitda somou R$ 784 milhões, recuo de 22% no comparativo anual.

A Taesa (SA:TAEE11) registrou lucro líquido de R$ 72 milhões no segundo trimestre de 2017, queda de 65% por cento ante o mesmo período do ano passado, em meio ao impacto de reajustes inflacionários na receita da companhia.

A Positivo Tecnologia (SA:POSI3) informou um lucro líquido de R$ 1,9 milhão no segundo trimestre, queda de quase 85% em relação ao mesmo período do ano passado.

A CPFL (SA:CPFE3) Renováveis divulgou CPFL Energia SA (SA:CPFE3), 16,4% acima do registrado em igual período do ano passado.

A Randon (SA:RAPT4) informou lucro de R$ 19 milhões, três vezes acima do resultado em 2016, com alta de 5% na receita, para R$ 1 bilhão, e 15,4% no Ebitda, para R$ 86,9 milhões.

O Wiz (SA:WIZS3) ficou com lucro de R$ 32,8 milhões, retração de 18,5%, com alta de 8,7% no Ebitda, para R$ 59,2 milhões.

A CVC (SA:CVCB3) mostrou lucro ajustado acima das expectativas de R$ 21,6 milhões, com Ebitda ajustado de R$ 94,1 milhões.

Com Reuters

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+