ENTREVISTA-Positivo quer ser mais agressiva em smartphones para compensar queda de PCs

ENTREVISTA-Positivo quer ser mais agressiva em smartphones para compensar queda de PCs

Reuters  | 04.12.2014 15:00

ENTREVISTA-Positivo quer ser mais agressiva em smartphones para compensar queda de PCs

Por Luciana Bruno

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Positivo Informática pretende ser mais agressiva no segmento de smartphones em 2015 como uma forma de compensar a queda das vendas de PCs, em um momento em que marcas internacionais intensificam a competição no mercado brasileiro.

A empresa abriu em junho sua primeira fábrica de telefones inteligentes e agora aposta no crescimento desse mercado para apresentar bons resultados no que ano que vem, segundo o presidente da Positivo, Hélio Rotenberg.

"Se conseguirmos ganhar fatia de mercado nessas categorias em que temos participação muito baixa, traz a possibilidade de resultados bons", disse Rotenberg. "Queremos ser mais agressivos em termos de marca."

A empresa não divulgou a fatia de mercado em smartphones, mas informou que manteve no terceiro trimestre a liderança em computadores, com fatia de 16,6 por cento, alta de 3,2 pontos sobre o terceiro trimestre do ano passado, superando a chinesa Lenovo.

Apesar disso, as vendas no terceiro trimestre da Positivo totalizaram 665,6 mil PCs e tablets, queda de 3 por cento em relação ao mesmo período de 2013. Já a venda de smartphones somou cerca de 53,9 mil unidades ante 10 mil no mesmo período de 2013.

Para avançar no segmento, a Positivo espera que no ano que vem outras operadoras de telefonia passem a vender seus aparelhos. Neste trimestre, a marca vendeu pela primeira vez smartphones para TIM Participações e Oi. Também será lançada nova linha de telefones no início de 2015.

Rotenberg acredita que a queda das vendas de PCs será interrompida em 2015, tendência que, segundo ele, já é apontada por institutos de pesquisa. Para o mercado de tablets, a empresa projeta crescimento, apesar de baixo. "Já temos uma licitação de venda de até 1 milhão de tablets para o Ministério da Educação fechada para o ano que vem", declarou.

Para o executivo, os gastos do ministério que é o principal cliente público da empresa não devem ser afetados pelos cortes de custos que devem ser promovidos pelo governo federal no ano que vem. "Talvez haja retração em algumas autarquias e ministérios (...), mas não entre os clientes mais importantes."

Sobre as dificuldades de enfrentar gigantes internacionais em um mercado globalizado como o de tecnologia, o Rotenberg declarou que a Positivo consegue sobreviver por "entender as necessidades do consumidor brasileiro", dando como exemplo o laptop que vira tablet por 999 reais, "um preço que julgamos ser divisor de águas para as famílias brasileiras".

Além da competição com as gigantes estrangeiras, a Positivo enfrentou este ano a forte variação do câmbio. "A variação é ruim porque demora para repassar o preço", disse o executivo. Em outubro, a empresa negociou aumento com os varejistas, e prepara para o início do ano que vem novo reajuste.

O executivo negou arrependimentos em relação à rejeição da oferta de compra feita em 2008 pela Lenovo. "Naquele momento não julgamos que fosse uma boa oferta", disse.

ÁFRICA

A Positivo Informática anunciou no fim de novembro ampliação da parceria com o grupo argentino BHG para um acordo de produção e venda de aparelhos educacionais ao governo de Ruanda, na África.

A contrapartida do projeto prevê a construção de uma fábrica na capital Kigali. Segundo Rotenberg, o contrato tem cinco anos, e a ideia é entender primeiramente o mercado de Ruanda para posteriormente expandir para outros países africanos.

"Foi mais uma oportunidade do que uma decisão estratégica pensada", disse o executivo. "Mas a receptividade foi tão grande que estamos pensando em outras oportunidades", completou.

De acordo com Rotenberg, é necessário antes analisar a situação política de cada país africano. "Ruanda por exemplo, depois de problemas turbulentos, virou um país extremamente estável, um dos menos corruptos da África."

Relacionadas

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 中文 香港 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+