Juros fecham em alta com IPCA-15 de outubro acima do esperado

Juros fecham em alta com IPCA-15 de outubro acima do esperado

Estadão Conteúdo  | 23.10.2020 18:10

Juros fecham em alta com IPCA-15 de outubro acima do esperado

Os juros futuros completaram a terceira sessão consecutiva de alta, que nesta sexta-feira foi mais expressiva nos trechos curtos e intermediários e, com isso, a curva acabou perdendo inclinação tanto em relação a ontem quanto à sexta-feira passada. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de outubro, acima do esperado e que provocou uma onda de revisões para cima no IPCA de 2020 e 2021, continuou sendo o principal condutor para os negócios à tarde.

Além das preocupações com o risco fiscal, a cautela com a inflação parece agora ter entrado de vez no radar dos investidores. As apostas para o Comitê de Política Monetária (Copom) na quarta-feira seguem inalteradas na manutenção da Selic em 2%, mas houve forte correção na precificação da taxa básica na curva para 2021 que é para onde está voltada a política monetária.

Se o índice de inflação não mudou a percepção para a Selic na semana que vem, pode exigir ajustes no forward guidance do Banco Central no comunicado, que até então indicava manutenção da taxa em níveis estimulativos por um bom período.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 nesta sexta abriu 20 pontos-base, o que é atípico para contratos de curto prazo. Fechou em 3,47%, de 3,275% no ajuste de quinta. A do DI para janeiro de 2023 subiu quase 30 pontos, terminando na máxima de 4,92%, de 4,655% no ajuste de quinta, e a do DI para janeiro de 2027 subiu de 7,374% para 7,47%.

A inflação medida pelo IPCA-15 dobrou de outubro para setembro, passando de 0,45% para 0,94%, acima do teto das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast (0,93%). Foi o maior resultado para o mês de outubro desde 1995 (1,34%).

Segundo a Tendências, a média dos núcleos saltou de 2,58% para 5,97% em termos anualizados, de setembro para outubro. Em 12 meses, a taxa acumulada é de 3,52%. Várias instituições elevaram suas projeções de inflação, como Credit Suisse (SIX:CSGN), XP Investimentos e Barclays (LON:BARC), neste e/ou no próximo ano, mas todas ainda seguem aquém das metas de 4% e 3,75%.

"Antes tínhamos o risco fiscal, mas a inflação estava controlada. Agora já temos os núcleos acelerando e a expectativa é de alguma mudança no forward guidance do BC no comunicado do Copom", disse o gerente da Mesa de Reais da CM Capital Markets, Jefferson Lima, lembrando que o dia teve ainda outro dado negativo, que foi a queda no superávit da conta corrente em setembro, a US$ 2,32 bilhões abaixo da mediana das estimativas (US$ 2,97 bilhões) e do saldo de agosto (US$ 3,721 bilhões).

Até então, a piora do quadro fiscal era tida como o maior risco para o forward guidance, inclusive com alertas do próprio presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Porém, vale lembrar que, além de condicionar a indicação futura à manutenção do atual regime fiscal, o comunicado de setembro citava que o Copom não pretendia "reduzir o grau de estímulo monetário, a menos que as expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, estejam suficientemente próximas da meta de inflação para o horizonte relevante de política monetária, que atualmente inclui o ano-calendário de 2021 e, em grau menor, o de 2022".

Últimos comentários

Adicionar comentário
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.
Julius Capri
Julius Capri

Agora é risco fiscal com inflação em alta? O mesmo caminho da Argentina que se destruiu com um histórico de juros baixos. Taxa de juros baixa é a, pior faceta do populismo, que te dá o crédito barato sem o cidadão ter condições financeiras de pagar, além de tudo júros baixo deprecia o câmbio, gera inflação de custo sem demanda. É o banco central brasileiro vai dizer que não sabia disso? Tá bom..   ... (Leia Mais)

26.10.2020 09:29 GMT· Responder
jonatas souza
jonatas souza

E parece que e o novo normal   ... (Leia Mais)

23.10.2020 22:43 GMT· Responder
Discussão
Escrever uma resposta...
Aguarde um minuto antes de tentar comentar novamente.

Negociar instrumentos financeiros e/ou criptomoedas envolve riscos elevados, inclusive o risco de perder parte ou todo o valor do investimento, e pode não ser algo indicado e apropriado a todos os investidores. Os preços das criptomoedas são extremamente voláteis e podem ser afetados por fatores externos, como eventos financeiros, regulatórios ou políticos. Negociar com margem aumenta os riscos financeiros.
Antes de decidir operar e negociar instrumentos financeiros ou criptomoedas, você deve se informar completamente sobre os riscos e custos associados a operações e negociações nos mercados financeiros, considerar cuidadosamente seus objetivos de investimento, nível de experiência e apetite de risco; além disso, recomenda-se procurar orientação e conselhos profissionais quando necessário.
A Fusion Media gostaria de lembrar que os dados contidos neste site não são necessariamente precisos ou atualizados em tempo real. Os dados e preços disponíveis no site não são necessariamente fornecidos por qualquer mercado ou bolsa de valores, mas sim por market makers e, por isso, os preços podem não ser exatos e podem diferir dos preços reais em qualquer mercado, o que significa que são inapropriados para fins de uso em negociações e operações financeiras. A Fusion Media e quaisquer outros colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo não são responsáveis por quaisquer perdas e danos financeiros ou em negociações sofridas como resultado da utilização das informações contidas neste site.
É proibido utilizar, armazenar, reproduzir, exibir, modificar, transmitir ou distribuir os dados contidos neste site sem permissão explícita prévia por escrito da Fusion Media e/ou de colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo. Todos os direitos de propriedade intelectual são reservados aos colaboradores/partes fornecedoras de conteúdo e/ou bolsas de valores que fornecem os dados contidos neste site.
A Fusion Media pode ser compensada pelos anunciantes que aparecem no site com base na interação dos usuários do site com os anúncios publicitários ou entidades anunciantes.

English (USA) English (UK) English (India) English (Canada) English (Australia) English (South Africa) English (Philippines) English (Nigeria) Deutsch Español (España) Español (México) Français Italiano Nederlands Português (Portugal) Polski Русский Türkçe ‏العربية‏ Ελληνικά Svenska Suomi עברית 日本語 한국어 简体中文 繁體中文 Bahasa Indonesia Bahasa Melayu ไทย Tiếng Việt हिंदी
Sair
Tem certeza de que deseja sair?
NãoSim
CancelarSim
Salvando Alterações

+

Baixe o aplicativo do Investing.com

Receba gratuitamente cotações, gráficos e alertas em tempo real sobre ações, índices, moedas, commodities e títulos. Acesse gratuitamente as melhores análises e previsões técnicas.

Investing.com é melhor no App!

Mais conteúdo, cotações e gráficos mais rápidos e uma experiência melhor estão disponíveis apenas no aplicativo.

';